Puerto de Paracas aumentó sus despachos en 387% y en Paita cayeron 42%

El primer trimestre de 2024 ha reportado resultados opuestos para los puertos peruanos de Paita y Paracas. El total de exportaciones combinadas de ambos terminales se contrajo en 25.7%, pasando de 384,238 toneladas movilizadas en el primer trimestre del 2023 a 285,482 toneladas en el mismo periodo del presente año. Sin embargo, al desglosar el valor total, se obtienen resultados muy diferentes: Paita movilizó 215,082 toneladas (-42%), mientras que Paracas 70,400 toneladas (+387%).

Dentro del referido volumen, Puerto de Paracas (operado por Terminal Portuario Paracas) exportó 10 productos agrícolas, con la uva encabezando esa lista con 57.5% del total (40,482 toneladas). La cebolla representó el 25.5% (17,922 toneladas); seguida por la granada, con un 8.3% (5,872 toneladas); la palta, con 4.7% (3,325 toneladas); y el cacao, un 2.9% (2,040 toneladas).

Desde Paita (operado por Terminales Portuarios Euroandinos), por su parte, se han exportado 32 productos agrícolas, siendo el mango el más despachado con 28% (60,161 toneladas). Detrás de ese fruto se ubicaron el banano, con

22.5% (48,306 toneladas); el arándano, con 13.8% (29,752 toneladas); el café, con 11.4% (24,541 toneladas); y el limón, con 9.8% (21,057 toneladas), reportó Fresh Fruit.

FONTE: https://gestion.pe/economia/empresas/puerto-de-paracas-aumento-sus-despachos-en-387-y-en-paita-cayeron-42-empresas-puertos-noticia/


Perú se promociona como destino para cruceros en evento Seatrade Cruise Global 2024

PromPerú resaltó la exitosa participación de la delegación peruana en el Seatrade Cruise Global 2024, celebrado del 8 al 11 de abril en Miami.

Este evento, que atrae cada año a más de 10 mil visitantes, es reconocido internacionalmente como la cumbre de la industria de cruceros. Esta ha sido una oportunidad única para destacar la oferta turística de Perú y fortalecer la presencia del país en el sector.

La industria mundial de cruceros oceánicos muestra una notable recuperación tras la pandemia. Se estima un tamaño de mercado de US$ 66,2 mil millones para 2024, lo que representa un aumento del 13,8% respecto al año anterior.

Asimismo, se proyecta que el número de pasajeros alcance los 30 millones este año, superando los niveles previos a la pandemia. Este crecimiento se debe, en parte, a la incorporación de embarcaciones más modernas y ecológicas, alineándose con las demandas de viajes sostenibles y expandiendo su atractivo entre diversos grupos de viajeros.

“Es importante señalar que el impacto económico global de esta industria se estima en US$ 155 mil millones como resultado global generado”, señaló PromPerú.

Durante el Seatrade Cruise Global 2024, representantes de PromPerú, la Cámara Nacional de Turismo (Canatur), el Puerto de Paracas y el Proyecto de Terminal de Cruceros Bahía de Miraflores demostraron el compromiso de Perú con el turismo y su interés en atraer a más cruceros a sus costas.

Se han logrado sinergias con otros países para fortalecer la atracción de la región a la oferta de cruceros a nivel global. La alianza entre Perú, Chile, Colombia y Ecuador busca posicionar a la región como un destino turístico inigualable y atractivo para las principales líneas de cruceros del mundo. En ese camino se encuentran los esfuerzos realizados en el Puerto de Paracas, que en 2023 registró un incremento de casi 5 veces más cruceros atendidos, en comparación con el año previo.

“Desde PromPerú, se busca un mejor posicionamiento del Perú dentro de la industria de cruceros, así como alcanzar otros convenios comerciales para posicionar la oferta exportable peruana a bordo de los barcos”, indicó el organismo promotor peruano.

 

FONTE: https://www.turiweb.pe/peru-se-promociona-como-destino-para-cruceros-en-evento-seatrade-cruise-global-2024/


Puerto de Paracas despachó 70.400 toneladas en el primer trimestre del año, mostrando un aumento de 387%

(Agraria.pe) El inicio de 2024 ha marcado un periodo opuesto para los puertos peruanos de Paita y Paracas. El total de exportaciones combinadas de ambos se contrajo en -25.7%, pasando de 384.238 toneladas movilizadas en el primer trimestre del 2023 a 285.482 toneladas en el mismo periodo del 2024. Pero al desglosar el valor total, se obtienen resultados muy diferentes: el Puerto de Paita movilizó 215.082 toneladas (-42%), mientras que Paracas 70.400 toneladas (+387%).

El Puerto de Paracas ha exportado diez productos agrícolas, con la uva encabezando la lista con un 57.5% del total (40.482 toneladas). La cebolla representó el 25.5% (17.922 toneladas); seguida por la granada, con un 8.3% (5.872 toneladas); la palta, con un 4.7% (3.325 toneladas); y el cacao, con un 2.9% (2.040 toneladas).

Desde Paita se han exportado 32 productos agrícolas, siendo el mango el más exportado con un 28.0% (60.161 toneladas). Detrás se ubicaron el banano, con un 22.5% (48.306 toneladas); el arándano, con un 13.8% (29.752 toneladas); el café, con un 11.4% (24.541 toneladas); y el limón, con un 9.8% (21.057 toneladas).

Los Estados Unidos se mantuvo como el destino principal para ambos puertos, con 68.040 toneladas (31.6%), desde Paita, y 44.596 toneladas (63.3%), desde Paracas. Por su parte, los Países Bajos recibieron 59,313 toneladas (27.6%), desde Paita, y 11,901 toneladas (16.9%), desde Paracas.

En cuanto a las empresas protagonistas de las agroexportaciones, en Paracas lideraron Uvica S.A.C., con 7,854 toneladas (11.2%); El Pedregal S.A., con 4,058 toneladas (5.8%); y Agrilor S.A.C., con 3,922 toneladas (5.6%).

En Paita, Camposol S.A. lideró con 16,489 toneladas (7.7%); seguido por Pronatur S.A.C., con 7,881 toneladas (3.7%); y Hortifruit - Perú S.A.C., con 7,251 toneladas (3.4%).

Fuente: Fresh Fruit

 

FONTE: https://agraria.pe/noticias/puerto-de-paracas-despacho-70-400-toneladas-en-el-primer-tri-35364


Maersk anuncia retorno del servicio CLX desde Puerto de Paracas para exportar productos hacia Norteamérica y Europa

Maersk volverá a operar el servicio CLX desde el Puerto de Paracas con destino a Norteamérica y Europa, permitiendo la exportación semanal de contenedores con productos cultivados en el sur del Perú. El Puerto de Pisco sustituirá al Puerto del Callao en esta ruta.

En noviembre pasado, se anunció la inclusión del Puerto de Pisco, operado por el Terminal Portuario Paracas, en las escalas programadas de la naviera danesa. En ese mismo mes, llegó el primer portacontenedores de esta operación.

A partir del 28 de abril, Maersk retomará el servicio CLX, embarcando semanalmente contenedores de productos como palta, cítricos y cebolla cultivados en el sur del país desde el Puerto de Paracas.

El itinerario de Maersk hacia Europa comenzará en Valparaíso (Chile), pasando por Puerto de Paracas (Pisco, Perú), Manzanillo (México), Balboa (Panamá), Algeciras (España), Amberes (Bélgica), Rotterdam (Países Bajos) y Hamburgo (Alemania).

Para Estados Unidos, se tienen programados atracos en ambas costas. En la costa oeste, los destinos serán Hueneme y Los Ángeles, mientras que en la costa este serán Port Everglades, Savannah, Wilmington y Filadelfia.

Este servicio conectará principalmente con destinos en Europa y Norteamérica, vía Panamá para las rutas hacia Norteamérica, según la operadora peruana encargada del Puerto General San Martín de Pisco.

 

FONTE: https://logista.pe/maersk-anuncia-retorno-del-servicio-clx-desde-puerto-de-paracas-para-exportar-productos-hacia-norteamerica-y-europa/


Successful participation of Peru at Seatrade Cruise Global 2024

The Commission for the Promotion of Peru for Exports and Tourism (PromPeru) highlights the successful participation of the Peruvian delegation at Seatrade Cruise Global 2024, held from April 8 to 11 in Miami, United States.

This event, which attracts over 10,000 visitors each year, is internationally recognized as the summit of the cruise industry.
This has been a unique opportunity to highlight Peru's tourism offering and strengthen the country's presence in the sector.
The global ocean cruise industry has shown notable recovery after the pandemic. A market size of US$66.2 billion is estimated for 2024, representing an increase of 13.8% over the previous year.
Likewise, the number of passengers is projected to reach 30 million this year, surpassing pre-pandemic levels.
This growth is due, in part, to the incorporation of more modern and eco-friendly vessels, aligning with the demands of sustainable travel and expanding its appeal among diverse groups of travelers.
It should be noted that the global economic impact of this industry is estimated at US$155 billion as an overall result.
During Seatrade Cruise Global 2024, representatives from PromPeru, the National Chamber of Tourism (CANATUR), the Port of Paracas, and the Miraflores Bay Cruise Terminal Project demonstrated Peru's commitment to tourism and its interest in attracting more cruises to its shores.
Synergies have been achieved with other countries to strengthen the region's attraction to the global cruise offering. The alliance between Peru, Chile, Colombia, and Ecuador seeks to position the region as an unparalleled and attractive tourist destination for the world's leading cruise lines.
In this regard, the efforts made at the Port of Paracas, which in 2023 registered an increase of almost 5 times more cruises served compared to the previous year, go in this direction.
PromPeru seeks to cement Peru's position within the cruise industry, as well as reach other commercial agreements to position the Peruvian export offer on board ships.
(END) NDP/RMB

FONTE: https://andina.pe/ingles/noticia-successful-participation-of-peru-at-seatrade-cruise-global-2024-982027.aspx


Canal de Denúncias de Compliance: Pilar da Transparência e da Ética Empresarial

Todas as empresas conscientes de seu papel social que desejem fazer negócios de maneira sustentável devem pautar suas operações na ética e responsabilidade. Para atingir esse objetivo, devem implementar Programas de Conformidade (Compliance) que assegurem a comunicação de seus valores a todos os envolvidos, como também aferir a eficácia do modelo de maneira transparente. 

Um dos principais componentes de um Programa de Compliance é o estabelecimento de canal de comunicação independente da gestão das operações cotidianas da empresa, para que qualquer pessoa possa reportar os mais variados temas diretamente para a área de Compliance. Ainda que o foco primário do canal seja o recebimento de comunicações relacionadas a normas de conduta e ética empresariais, o Canal pode receber mensagens sobre os mais variados temas, e sempre deve tratar cada tema de maneira sigilosa e independente.

Uma vez recebida a comunicação pela área de Compliance, esta deve ser cuidadosamente analisada para a confirmação dos fatos que deem suporte às alegações. Em caso de materialidade/relevância, um plano de ação será iniciado para corrigir o problema, bem como definir e implementar medidas para evitar a ocorrência de problemas similares. 

Benefícios do Canal de Compliance:

  • Prevenção de riscos: Permite a identificação e resolução de problemas antes que se transformem em grandes escândalos ou prejuízos financeiros.
  • Cultura de ética e compliance: Demonstra o compromisso da empresa com a ética e a transparência, criando um ambiente de confiança para todos os stakeholders.
  • Proteção da imagem da empresa: Minimiza os riscos de danos à reputação da empresa em caso de práticas antiéticas ou ilegais.
  • Detecção de fraudes e desvios de conduta: Facilita a identificação de fraudes, corrupção, assédio moral e sexual, entre outros comportamentos inadequados.
  • Melhoria da governança corporativa: Fortalece a governança corporativa da empresa, demonstrando aos órgãos regulatórios e ao mercado o compromisso com a ética e a responsabilidade.
  • Aumento da produtividade e do engajamento dos colaboradores: Cria um ambiente de trabalho mais seguro e positivo, aumentando a produtividade e o engajamento dos colaboradores.

Características de um Canal Compliance eficaz:

  • Confidencialidade: Os relatos e denúncias devem ser tratadas com o máximo de sigilo para garantir a segurança e o anonimato do denunciante.
  • Acessibilidade: O canal deve ser facilmente acessível por todas as partes envolvidas, por meio de diferentes plataformas, como telefone, website, aplicativo ou e-mail.
  • Imparcialidade: As denúncias devem ser investigadas de forma imparcial e transparente, com a devida apuração dos fatos e aplicação de medidas cabíveis.
  • Proteção contra retaliação: A empresa deve garantir que os denunciantes não sejam vítimas de retaliação por parte de seus superiores ou colegas.

Conclusão:

O Canal de Compliance é uma ferramenta poderosa que contribui para a construção de um ambiente de negócios mais ético, transparente e seguro. Implementá-lo e gerenciá-lo de forma eficaz é um investimento que se traduz em benefícios para toda a empresa, desde a prevenção de riscos até a melhoria da imagem e reputação no mercado.

Ao implementar um canal de denúncias, a Tucumann Engenharia demonstra seu compromisso com a ética, a transparência e a construção de um ambiente de negócios saudável e sustentável para todos


El Puerto de Paracas desembarcó el 7% del total de vehículos importados al Perú en 2023

Actualmente, el puerto multipropósito mueve carga a granel, fraccionada, rodante, contenedores, carga proyecto y naves crucero, considerando las ventajas que trae para los exportadores e importadores de la zona.

Durante el 2023, el Terminal Portuario General San Martín (Puerto de Paracas) realizó la descarga de más de 10,200 vehículos, lo que equivale al 7% del total de vehículos importados ese año en el Perú.

El Puerto de Paracas se ha convertido en un punto nodal en la cadena de exportación e importación para Ica, Ayacucho, Huancavelica, Apurímac y Arequipa, además del sur de Lima (Cañete).

Actualmente, el puerto multipropósito mueve carga a granel, fraccionada, rodante, contenedores, carga proyecto y naves crucero, considerando las ventajas que trae para los exportadores e importadores de la zona.

El último año, más de 10 mil pasajeros desembarcaron en el Puerto de Paracas para conocer más de la cultura, costumbres y gastronomía de Paracas.

También registró más de 28 mil TEUS movilizados con dos de las más grandes navieras globales con servicios a Norteamérica y Europa, creciendo 108% en este segmento versus el año anterior. Asimismo, el terminal portuario ubicado en Ica movilizó 229,758 TM de carga fraccionada.

La empresa posee un almacén de granos con una capacidad de almacenamiento de hasta 35,000 toneladas de maíz.

Nueva grúa móvil

El Puerto de Paracas incorporó una nueva grúa móvil, la MHC Liebherr 420, que aumentará su capacidad de carga y descarga en 50%, siendo esta la tercera y que se une a las dos grúas móviles de la marca MHC Liebherr 550 que operan desde el año 2019.

De ese modo, la empresa ha aumentado de de 3 a 7 las grúas portacontenedores y están en proceso de comprar dos más.

Entre los productos destacados en el Puerto de Paracas se encuentran los arándanos, uvas, cebolla, cacao, sal, bienes de acero y piedra de hierro, exportados principalmente a Estados Unidos y el norte de Europa. Las importaciones incluyen pulpa de celulosa, fertilizantes, maíz, torta de girasol y vehículos de alta gama.

La conexión que habrá entre los puertos de Paracas (Ica) y Chancay (Lima) beneficiará a los agroexportadores del sur del país porque permitirá rebajar el tiempo de transporte de sus productos a los mercados externos, principalmente del Asia.

FONTE: https://logistica360.pe/el-puerto-de-paracas-desembarco-el-7-del-total-de-vehiculos-importados-al-peru-en-2023/


Avanço do projeto do novo Moegão é destaque no Porto de Paranaguá

O empreendimento Cais Leste, também conhecido como Moegão, é um dos principais destaques no Porto de Paranaguá nestes primeiros 100 dias da nova gestão do Governo do Estado. Será construído um sistema exclusivo de descarga ferroviária de grãos e farelos, conectado aos terminais integrantes do Corredor Leste de Exportação do terminal marítimo paranaense. O investimento total é de cerca de R$ 592 milhões.

Com contrato assinado em janeiro deste ano, o empreendimento avança na fase de desenvolvimento do projeto executivo. Formado por quatro grandes empresas de engenharia, o Consórcio Tucumann – TMSA - Zortea - Engeluz, ganhador da licitação, deve finalizar essa etapa prévia ainda neste primeiro semestre. Concluído e aprovado o projeto, a previsão é que a obra seja executada em 16 meses.

“O projeto ainda prevê a reestruturação dos acessos dos Terminais da Região Leste do Porto de Paranaguá, otimizando a capacidade de recepção de cargas em ambos os modais, rodoviário e ferroviário”, afirma o diretor-presidente da empresa pública Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

O novo complexo será formado por moegas ferroviárias, sistema de transporte vertical (elevadores de canecas), sistema de transporte horizontal (correias transportadoras), sistema de transferência de produto (torres de transferência), sistema de alimentação dos terminais (torres de alimentação), balanças (ferroviárias e integradoras), utilidades, prédio administrativo e prédio de manutenção.

A área onde a estrutura será instalada terá quase 600 mil metros quadrados, com capacidade para descarregar, simultaneamente, até 180 vagões, em três linhas independentes. “Isso representa um ganho de 63% na capacidade atual de descarga ferroviária, passando de 550 para 900 vagões por dia”, comenta Garcia.

Com o Moegão, a expectativa é que mais 24 milhões de toneladas de grãos e farelos saiam anualmente por Paranaguá. "Após a conclusão da estrutura, nossa expectativa é conseguir equalizar a participação dos modais, chegando a 50% do transporte por meio rodoviário e 50% por meio ferroviário”, diz o diretor-presidente da Portos do Paraná. A obra também vai gerar uma economia de 30% nos custos de transporte, diminuir os impactos ambientais com 73% a menos de CO2 emitido.

A comunidade local e quem transita pela região portuária de carro também deverão sentir os impactos positivos após a conclusão da obra. Isso porque o Moegão reduzirá de 16 para cinco os cruzamentos entre as linhas férreas e as ruas da cidade, com efeito direto na diminuição nas interrupções do trânsito e em riscos de acidentes.

Carregados com os granéis sólidos para exportação, os trens chegarão com a capacidade inteira para descarregamento, sem que haja necessidade de desmembramento.

 

FONTE: https://www.aen.pr.gov.br/Noticia/Avanco-do-projeto-do-novo-Moegao-e-destaque-no-Porto-de-Paranagua


IV SEMINÁRIO DE INFRAESTRUTURA: CONFIRA AS PALESTRAS DO BLOCO 2

Confira os detalhes da palestra de Daniela Canali, da WEG, Luiz Villaça, da TUCUMANN, e Luciano Oliveira, da VALE.

Entre os dias 18 e 21 de outubro, foi realizado o 64º Congresso Brasileiro do Concreto na cidade de Florianópolis, Santa Catarina. O evento reuniu uma variedade de artigos técnicos que abordaram o concreto e seus sistemas construtivos. O tema central do congresso foi “Concretizando a Inovação e a Sustentabilidade”.

Reconhecendo a relevância desses encontros para estimular a pesquisa e a troca de conhecimentos entre estudiosos e especialistas na área, que se reúnem anualmente nesse que é considerado o maior conglomerado técnico-científico do país, a Votorantim Cimentos organizou, em 19 de outubro, o IV Seminário de Infraestrutura – “Caminhos para o Desenvolvimento de um Brasil Sustentável”. O evento foi coordenado por Hugo Armelin, diretor de vendas da Votorantim Cimentos e assessor da comissão organizadora.

Além disso, o seminário contou com a participação de renomadas empresas do setor da construção civil, como CBT, WEG, DER/PR, Arteris, Tucumann, Nint Group, Vale, ANTT e Dynatest. O evento foi estruturado em quatro blocos, com palestras e discussões em mesa redonda, proporcionando um ambiente rico em trocas de experiências e conhecimentos.

Falamos sobre o bloco 1 neste artigo. Abaixo você confere como foi o bloco 2 do evento.

Acompanhe o que foi abordado no segundo bloco

O tema do bloco foi “Infraestrutura Brasil: Energia, Portos e Ferrovias”, em que os palestrantes Daniela Canali, da WEG, Luiz Gustavo Villaça, da Tucumann, e Luciano Oliveira, da Vale, trouxeram os principais insights de grandes obras de logística e energia limpa em execução no Brasil. A mesa redonda desse bloco foi mediada por Lidiane Blank.

Nessa seção do 64º Congresso Brasileiro do Concreto 2023, o foco está na infraestrutura, com esses três segmentos-chave discutidos, cada um com um sólido pipeline de projetos futuros. O primeiro segmento é o de energia, representado por Daniela Canali, da WEG, que abordou sobre torres de concreto para parques eólicos e inovações: do projeto à montagem.

O segundo segmento, representado por Luiz Villaça, da Tucumann, abordou os portos brasileiros, com destaque para as metodologias de cravação de estacas aplicadas a obras portuárias, incluindo uma análise detalhada do caso da obra TCO – Paranaguá.

Por fim, o terceiro segmento foi apresentado por Luciano Oliveira, engenheiro ferroviário na diretoria de ferrovias, portos e náutica da VALE, discutindo sobre o futuro das ferrovias sustentáveis, além de abordar as oportunidades, desafios e inovações.

1° segmento: WEG — parques eólicos e inovações

Inovações relacionadas com as torres de concreto para parques eólicos foram abordadas por Daniela. Pós-graduada em engenharia civil, com ênfase em gerenciamento de projetos, trabalha há 13 anos na implementação de parques eólicos na WEG Equipamentos, concentrando-se especificamente na fabricação e montagem de torres de concreto.

Nesse contexto, Daniela destacou os avanços da WEG no setor de energia eólica, especialmente no âmbito da produção de aerogeradores, além de correlacionar os principais avanços com torres de concreto. O primeiro foi o AGW 2.1MW – 110, que possui 120 metros de concreto, e já foram instaladas 285 unidades no país.

O segundo modelo, atualmente presente na WEG, é o AGW 4.2MW – 147. A torre de concreto possui 125 metros, e, recentemente, já foram instaladas 94 unidades, com mais 115 em execução até o final de 2024.

Para o futuro, com previsão de lançamento até o fim desse mesmo ano, destaca-se o modelo AGW 7.xMW – 172, que apresenta uma torre de concreto com 134 metros de altura. Adicionalmente, foram apresentadas as principais etapas para a instalação desses componentes, explicando as três principais fases de implantação: projeto, fabricação e montagem.

Daniela detalhou como a WEG atua nesse cenário, com gestão ativa e técnica, desde a análise de mercado até os alinhamentos para os tipos de aerogeradores, custos e escolha do projetista para fabricação.

Ao concluir, ela enfatizou a importância da administração adequada do cliente na etapa de montagem de um parque eólico, que envolve coordenar estratégias de produção, qualidade e instalação, além de lidar com a imprevisibilidade das condições do vento e ajustar as configurações das máquinas.

2° segmento: Tucumann — o avanço dos portos brasileiros

Dando continuidade ao IV Seminário de Infraestrutura, o segundo segmento abordou os portos e a metodologia de cravação de estacas aplicada a obras portuárias, no qual ressaltou o case da obra TCP – Paranaguá, apresentado por Luiz Gustavo Villaça, supervisor de Obras Portuárias da Tucumann.

Na abordagem inicial, Gustavo destaca as conquistas da Tucumann, começando pelo terminal de contêineres de Paranaguá, com o qual estão envolvidos desde sua criação em 1998, apresentando o projeto TCP, no qual enfatiza a metodologia de cravação de estacas.

O projeto, localizado no leste de Paranaguá, na saída para a Bahia, inclui a ampliação de um cais de tração de cargas de 220 metros de altura por 50 metros de largura, com 4 dolfins adjacentes para operações de navios do tipo ro-ro, e a construção de um pátio avançado de armazenamento de contêineres de 500 metros por 320 metros, com 50 módulos (50 m x 60 m).

O objetivo era melhorar as operações do terminal e aumentar a capacidade de movimentação de TEUs em 1,5 a 2 milhões de toneladas por ano. A duração original do contrato era de 24 meses, mas foi negociada para ser concluída em 21 meses, o que trouxe desafios e demandou estratégias para gerenciar custos significativos.

Gustavo detalhou os principais aspectos desse processo, como a fundação de estacas metálicas cravadas (verticais e inclinadas), o sistema estrutural civil, grelha de vigas e lajes pré-moldadas. Ele também compartilhou que, apesar dos diversos desafios impostos pelos diferentes tipos de concreto e pelas condições climáticas adversas, a Votorantim Cimentos foi crucial para fornecer insumos críticos de cimento para o projeto.

3° segmento: Vale — o futuro das ferrovias sustentáveis

No encerramento do bloco, foi abordado o futuro das ferrovias, um setor de infraestrutura que apresentou avanço significativo nos últimos anos. Luciano Oliveira, engenheiro ferroviário master da Vale, relatou as principais inovações no setor.

Dentre as principais inovações, destacam-se os novos projetos ferroviários para transporte de grãos e minerais de Mato Grosso para o Pará, conhecidos como Ferrogrão e Fepasa, bem como a relevância do uso de concretos especiais e dormentes em ferrovias.

Também foi mencionada a ponte ferroviária russa de 18 anos, feita de armaduras de concreto armado, que possui pilares de até 30 metros de altura e extensão de 1.200 metros, servindo como exemplo de sustentabilidade e integração comunitária.

Outro exemplo apresentado foi a Ferrovia Sudeste do Pará, construída em 2016 para conectar Carajás a um sistema ferroviário conhecido como S11D. Notável por sua integração com o meio ambiente e interrupção mínima para as comunidades, a ferrovia construiu as primeiras passagens de fauna do Brasil feitas de estruturas de concreto.

O desafio contínuo é adaptar essas estruturas para o uso da vida selvagem e prever seu comportamento no longo prazo. Luciano Oliveira também detalhou projetos em andamento de mobilidade urbana, utilizando concreto para construir passarelas e passagens subterrâneas, para minimizar interrupções e construir viadutos excepcionalmente longos e curvos em áreas urbanas.

O segundo bloco do 64º Congresso Brasileiro do Concreto foi encerrado ressaltando a importância da adoção de medidas de contingência e de um planejamento eficiente na implementação de inovações nos setores de energia, portos e ferrovias. Apesar da demanda considerável de recursos para essas infraestruturas, é incontestável o papel fundamental da utilização do concreto nessa temática, promovendo versatilidade, crucial no desempenho para a promoção de soluções seguras e sustentáveis.

FONTE: https://www.mapadaobra.com.br/negocios/iv-seminario-de-infraestrutura-confira-as-palestras-do-bloco-2/


PUERTOS DE PARACAS Y CHANCAY SE COMPLEMENTARÁN EN BENEFICIO DE AGROEXPORTADORES DEL SUR

Se acortaría tiempo de envíos al mercado asiático y los productos agrícolas llegarían más frescos.

La futura conexión que habrá entre los puertos de Paracas (Ica) y Chancay (Lima) beneficiará a los agroexportadores del sur del país porque permitirá rebajar el tiempo de transporte marítimo de sus productos (uvas, arándanos, paltas y otros) a los mercados externos, principalmente del continente asiático.

“Vemos muchas oportunidades para beneficio de todos los agroexportadores e importadores de la zona. Consideramos que somos complemento porque Chancay es un puerto que tendrá servicios directos al Asia”, dijo el presidente ejecutivo del Puerto de Paracas, Jorge Arce, al diario oficial El Peruano.
“Observamos una serie de ventajas para nuestra área de influencia por la conexión que se haría con Chancay. Por lo tanto, es positivo para el país y la región”, agregó.

Jorge Arce señaló que los agroexportadores peruanos compiten con productores de otros países que llegan más rápido al Asia y con la fruta más fresca.
“Actualmente, los agroexportadores peruanos envían su carga al exterior en buques que paran en varios puertos durante el camino y se demoran alrededor de 35 días para llegar al mercado asiático”, indicó.
“Con el puerto de Chancay, que tendrá salida directa al Asia, el tiempo de transporte será mucho menos porque serán 22 o 23 días, lo cual es una gran ventaja”, añadió.

IMPULSO AGROEXPORTADOR

Por su parte, el gerente de Operaciones del Puerto de Paracas, César Rojas, destacó que ambos terminales portuarios se complementarán para impulsar las agroexportaciones peruanas del sur del país.
“Se espera que se consolide el tema del cabotaje con la finalidad de tener un mayor flujo de contenedores de agroexportación de Paracas a Chancay, y luego enviar la carga al mercado externo, sobre todo al Asia”, dijo al diario oficial El Peruano.

César Rojas refirió que Ica, actualmente, registra más de 50,000 contenedores llenos de productos de agroexportación al año, considerando que el 15% de esa carga refrigerada de la zona va hacia el Asia.
“Como el mercado asiático paga mejor, los agroexportadores podrían impulsar su producción porque ya tienen una salida más directa al Asia. Pero si no tienen un tiempo de tránsito competitivo para que el contenedor pueda llegar más rápido, entonces no les llamaría la atención”, explicó.

Fuente : Andina

 

FONTE: https://apam-peru.com/web/puertos-de-paracas-y-chancay-se-complementaran-en-beneficio-de-agroexportadores-del-sur/


Puerto de Paracas proyecta crecer 50% en la movilización de contenedores en 2024

El Puerto de Paracas, ubicado en la provincia de Pisco (Ica), sur de Perú, con una inversión de hasta US$240 millones destinada a su modernización, tiene la meta de continuar invirtiendo en grúas según el crecimiento de la demanda. Así lo destacó Jorge Arce, presidente ejecutivo del terminal en conversación con El Peruano, en la que destacó la importancia de los puertos como catalizadores del desarrollo regional al optimizar procesos logísticos.

Arce también anticipa un crecimiento del 50% en el envío de contenedores para 2024 y la próxima incorporación de una tolva segura para el almacenamiento de clinker, esencial para la producción de cemento. Por ahora, las operaciones en el puerto incluyen la movilización de carga de graneles, fraccionada, rodante y en contenedores.

De este modo, el área en torno al puerto se erige como un nodo central para la exportación e importación, abarcando las regiones de Ica, Ayacucho, Huancavelica, Apurímac, Arequipa y el sur de Lima (Cañete). Arce proyecta que, en los próximos dos años, más de la mitad del volumen de contenedores de la zona se movilizará por Paracas.

Avances necesarios y nuevos equipos 

Entre los productos destacados en el Puerto de Paracas se encuentran arándanos, uvas, cebolla, cacao, sal, bienes de acero y piedra de hierro, exportados principalmente a Estados Unidos y el norte de Europa. Las importaciones incluyen pulpa de celulosa, fertilizantes, maíz, torta de girasol y vehículos de alta gama.

Recientemente, se incorporó una nueva grúa móvil, aumentando la capacidad de carga y descarga en un 50%. Se implementaron también medidas de seguridad, incluyendo una red de cámaras con inteligencia artificial para monitoreo y trazabilidad. Además del enfoque en carga, cabe destacar que Paracas recibió más de 12.000 cruceristas en 2023, contribuyendo al atractivo turístico de la región.

La conexión planificada entre los puertos de Paracas y Chancay beneficiará a los agroexportadores del sur de Perú, reduciendo significativamente el tiempo de movilización de carga hacia mercados asiáticos clave.

 

FONTE: https://www.mundomaritimo.cl/noticias/puerto-de-paracas-proyecta-crecer-50-en-la-movilizacion-de-contenedores-en-2024


Puerto de Paracas impulsa competitividad logística en las exportaciones e importaciones del sur

La inversión para modernizar el puerto alcanza hasta el momento los 240 millones de dólares y el compromiso que tienen pendiente es invertir en grúas, pero ello dependerá del comportamiento de la demanda.

Las regiones del sur del país tienen en el Puerto de Paracas, ubicado en Pisco (Ica), una moderna infraestructura que les permite mejorar la competitividad logística en sus exportaciones e importaciones.

“Los puertos son polos de desarrollo porque optimizan los procesos logísticos y eso permite que las zonas de influencia crezcan, impulsen la generación de servicios y generen empleos directos e indirectos”, indicó el presidente ejecutivo del Puerto de Paracas, Jorge Arce.

Arce detalló que la inversión para modernizar el puerto alcanza hasta el momento los 240 millones de dólares y el compromiso que tienen pendiente es invertir en grúas, pero ello dependerá del comportamiento de la demanda, de acuerdo a una nota publicada en el diario El Peruano.

Punto nodal del comercio exterior

Arce sostuvo que el Puerto de Paracas se ha convertido en un punto nodal en la cadena de exportación e importación para Ica, Ayacucho, Huancavelica, Apurímac y Arequipa, además del sur de Lima (Cañete). “En los próximos dos años, deberíamos estar alcanzando más de la mitad del volumen de contenedores de la zona para que salgan por Paracas”.

Explicó que actualmente mueven carga a granel, fraccionada, rodante y en contenedores, considerando las ventajas que trae para los exportadores e importadores de la zona. “El Puerto de Paracas contribuyeo a la descentralización, además que disminuye costos en la cadena logística y dinamiza la economía de la región sur”, sostuvo.

Productos

Arce indicó que entre los principales productos que se exportan mediante el Puerto de Paracas están los arándanos, uvas, cebolla, cacao, sal, bienes terminados de acero y piedra de hierro, que se transportan a Estados Unidos y el norte de Europa, principalmente.

“Lo que llega al Puerto de Paracas son las importaciones de pulpa de celulosa para fabricar papeles, fertilizantes, maíz, torta de girasol y carros de alta gama”, señaló.

Destacó que al cierre del 2023 el Puerto de Paracas tuvo un crecimiento importante porque embarcó más del 30% de contenedores de exportación de la campaña de uva del sur del país (noviembre-diciembre). “El puerto tiene una serie de ventajas, no solo por su ubicación, sino porque es un terminal ágil, flexible y moderno”.

El terminal portuario de Paracas está a una distancia de entre 30 minutos a dos horas de las operaciones de sus clientes, lo que significa trayectos cortos y menores tiempos de espera, lo cual reduce los costos logísticos.

Señaló que, gracias a un trabajo conjunto entre el Puerto de Paracas, los agroexportadores y las navieras, se llegaron a acuerdos a favor de la descentralización portuaria. “Ahora estamos trabajando con las dos navieras más grandes del mundo: Maersk y MSC. Ambas tienen servicios competitivos que pueden brindar a los exportadores e importadores para los mercados de Europa y Norteamérica”, dijo.

El ejecutivo indicó que el Puerto de Paracas acaba de incorporar una nueva grúa móvil que aumentará su capacidad de carga y descarga en 50%, siendo esta la tercera y que se unirá a las dos que operan desde 2019. “El último año se ha implementado una red de cámaras de seguridad que incorpora inteligencia artificial que permite el monitoreo de movimiento, identificación de elementos durante el registro, trazabilidad de las intrusiones, entre otros”.

De la misma forma, ante la fuerte demanda de sus servicios durante la temporada de uva, se incrementó los recursos para tener siete grúas portacontenedores y 720 tomas eléctricas para contenedores refrigerados, añadió.

Para el 2024, Arce proyecta crecer 50% en el envío de contenedores para acompañar ese crecimiento de la demanda. “También estamos próximos a incorporar la tolva más segura del mundo para el almacenamiento de clinker, que es un insumo esencial para la producción de cemento”, anunció.

Pasajeros

Señaló que durante el 2023, también llegaron cruceros al Puerto de Paracas y que desembarcaron más de 12,000 pasajeros del exterior.

“No olvidemos que la reserva de Paracas es el segundo atractivo turístico del Perú, después de Machu Picchu, en cuanto a la llegada de visitantes extranjeros”, manifestó.

Conexión con Chancay

La conexión que habrá entre los puertos de Paracas (Ica) y Chancay (Lima) beneficiará a los agroexportadores del sur del país porque permitirá rebajar el tiempo de transporte de sus productos a los mercados externos, principalmente del Asia.

“Paracas se complementará con Chancay porque es un puerto que tendrá servicios directos al Asia”, manifestó Jorge Arce.

Señaló que los agroexportadores peruanos compiten con productores de otros países que llegan más rápido al continente asiático y con la fruta más fresca.

“Actualmente, los agroexportadores peruanos envían su carga al exterior en buques que paran en varios puertos durante el camino y se demoran alrededor de 35 días para llegar al mercado asiático. Con el puerto de Chancay, que tendrá salida directa al Asia, el tiempo de transporte será de 22 o 23 días”, dijo.

FONTE: https://logistica360.pe/puerto-de-paracas-impulsa-competitividad-logistica-en-las-exportaciones-e-importaciones-del-sur/


Perú: Puerto de Paracas recibe al crucero Serenade Of the Seas

El crucero Serenade of the Seas, operado por Royal Caribbean, arribó al Puerto de Paracas, Perú, con más de 2.100 pasajeros y más de 880 tripulantes. La nave recaló procedente del Puerto de Arica, Chile.

Los turistas llegaron en horas de la tarde al Terminal Portuario General San Martin, los que pudieron disfrutar de los principales atractivos turísticos de la región y conocer sobre la cultura, costumbres y gastronomía de la costa sur peruana.

Las personas que descendieron del buque fueron recibidas por la Dirección Regional de Comercio Exterior y Turismodel Gobierno Regional de Ica, los que realizaron una exhibición, degustación y venta de productos vitivinícolas de la región Ica.

La ocasión también contó con la visita del alcalde de la Municipalidad de Paracas y del Director Regional de Turismo y Comercio Exterior. La siguiente escala está contemplada realizarse en el Puerto del Callao.

La recada de la motonave se da en el marco de su itinerario de viaje de 19 días, el que comenzó en Valparaíso, Chile, el 23 de enero y culminará en el Puerto de Los Angeles, Estados Unidos, el 11 de febrero.

Serenade of the Seas

El barco fue construido por Meyer WerftAlemania, en 2003 a un costo original de USD 350 millones. Cuenta con la capacidad para acomodar entre 2.148 a 2.578 pasajeros y 859 tripulantes en 1.074 cabinas, las que se ubican dentro de los 293 metros de eslora, 39 metros de manga y los 90.090 toneladas de peso muerto que conforman a la nave.

 

FONTE: https://portalportuario.cl/peru-puerto-de-paracas-recibe-al-crucero-serenade-of-the-seas/


TUCUMANN ENGENHARIA E SUZANO PAPEL E CELULOSE: CONHEÇA MAIS SOBRE A REALIZAÇÃO DAS OBRAS DO PROJETO CERRADO

 

A Tucumann Engenharia esteve presente em um dos maiores projetos industriais do Brasil: a grandiosa obra da fábrica de papel e celulose da empresa Suzano. Prestando serviços de terraplanagem, drenagem, tubulação e pavimentação, atendemos a todas as necessidades do cliente com excelência técnica e estratégica.

 Localizada na cidade de Ribas Padro, a 100 quilômetros da capital sul mato grossense, a obra foi batizada como Projeto Cerrado, fazendo uma referência ao maior bioma da região e a maior fábrica de celulose de linha única no mundo. Com investimentos totais de 22,2 bilhões de reais, estima-se que cerca de 10 mil empregos foram gerados durante o pico da construção. 

  Para dimensionarmos a grandiosidade deste projeto, é importante apresentarmos alguns dos números atingidos:  realizamos 4.858m de aduelas de concreto variando de 3mx3m até 1,5mx1,5m, aterro de uma área de 8.042.072,90m³, pavimentação com 435.046,96 toneladas de britas, drenagem de tubulações de 171.433,46m 

  A Tucumann se orgulha em fazer parte desse majestoso empreendimento. Isso mostra todo o preparo e know-how de nossas equipes. Por isso, podemos atribuir o sucesso desta realização, à qualidade técnica e intelectual do nosso quadro de funcionários que atuaram nesse projeto. 

  Tivemos a presença dos setores de recursos humanos, engenharia, segurança no trabalho e mais. Movimentamos um grande contingente de colaboradores para garantir o primor em cada detalhe de entrega. Foram 1706 funcionários dedicados, atuando em um terreno adverso, para assegurar resultados satisfatórios e de alto nível a esse tão importante cliente. 

 Nos orgulhamos também, de conquistar a marca de 2.500.000 horas trabalhadas sem acidentes com afastamento. Isso mostra o comprometimento da equipe e o nosso rigor nos processos de segurança no trabalho. Para nós, garantir a seguridade de cada membro é imprescindível. 

  A Tucumann Engenharia está consolidada no mercado de construção civil com obras de grande porte, utilizamos o conhecimento acumulado em anos de história para desenvolver projetos, como o da Suzano, e garantir que não só os clientes estejam satisfeitos, mas sim toda a nossa equipe. Acreditamos que a realização profissional dos nossos trabalhadores é o combustível para o nosso triunfo. 

 


Puerto de Paracas concentra casi un tercio de los contenedores de uva exportados por Perú

El Puerto de Paracas ha movilizado casi un tercio de los contenedores de uva exportados por Perú en la presente campaña que comenzó en noviembre.

Terminal Portuario Paracas se había fijado como meta mover 2.000 conteneores para ese periodo; sin embargo, ha conseguido la transferencia de 2.700 de un total de 9.000 canalizados en los distintos puertos peruanos.

La compañía consideró que los resultados obtenidos por este terminal portuario muestran el potencial de Ica y del Puerto de Paracas, lo cual se habría apalancado con el inicio de servicios directos a Norteamérica y Europa por parte de las navieras Mediterranean Shipping Company y Maersk.

“Propiciamos un trabajo conjunto entre todos los actores: nuestro puerto, agroexportadores y navieras, quienes llegaron a acuerdos a favor de la descentralización portuaria, superando incluso las expectativas previstas. Esto no beneficia a un solo sector, sino que es un hito para el comercio exterior en su conjunto, especialmente del sur del país”, comentó el presidente ejecutivo del Puerto de Paracas, Jorge Arce.

Asimismo, Arce dijo que de enero a diciembre de 2023, el Puerto de Paracas ha despachado un total de 6.000 contenedores de productos de agroexportación.

“Hemos embarcado uva, cebolla, arándanos y granada a los puertos más importantes del mundo permitiendo a las empresas de la agroindustria reducir sus costos logísticos y asegurar la competitividad de sus productos en el mercado extranjero”, comentó Arce.

El ejecutivo estimó que para los próximos dos años el crecimiento seguirá a buen ritmo con el objetivo de movilizar gran parte de la producción de frutas y otros perecibles de Ica, Arequipa, Ayacucho y Huancavelica, entre otras regiones peruanas.

Además, Arce añadió que en dos semanas entrará en operaciones la tercera grúa móvil del Puerto de Paracas, incrementando su capacidad instalada de descarga y embarque en 50%.

FONTE: https://portalportuario.cl/puerto-de-paracas-concentra-casi-un-tercio-de-los-contenedores-de-uva-exportados-por-peru/


Sustentabilidade

Recentemente, temos introduzido alguns conceitos, como integridade, risco e conduta, que estão também diretamente relacionados à postura que os colaboradores têm em relação à empresa em que trabalham.

Conforme já explicado anteriormente, este conjunto de conceitos compõem aquilo que chamamos de Compliance e são de grande importância para compreendermos os elementos e rotinas que integram qualquer Programa de Compliance.

Entretanto, antes de detalharmos o que delimita um Programa de Compliance, é necessário visualizar que essa dinâmica de atitudes e condutas compõe um universo muito mais abrangente e que reflete diretamente na maneira como a empresa é vista pela sociedade como um todo e os resultados que essa é capaz de gerar.

Mas em termos práticos, o que isso quer dizer?

Quando explicamos integridade, explicitamos que o conjunto de ações que praticamos no nosso cotidiano recebe o nome de conduta. Nascemos e crescemos em ambientes que nos fazem naturalmente assimilar esses valores mais universais, de acordo com a cultura e normas sociais. 

Esse coletivo de valores formam os princípios e a moral de uma determinada sociedade e é justamente o reflexo dessa conduta no coletivo que vamos abordar neste momento.

Este conjunto de condutas adotado pela Companhia, bem como a sua estratégia de negócio, possui elementos que vão muito além dos aspectos estritamente financeiros, cujos efeitos refletem na sociedade como um todo e, em muitos casos, de forma intergeracional. 

Nossa capacidade de viver harmonicamente em sociedade, com respeito a valores morais de comportamento, com destaque para preservação do meio-ambiente fazem parte do que se entende como correto e ético.  Portanto, essa interação entre as nossas condutas, o mundo e a maneira como impactamos o ambiente que nos cerca chamamos de sustentabilidade. 

Trata-se de um conceito complexo, por abranger um conjunto incalculável de variáveis que se relacionam entre si e que se integram com a preservação do meio ambiente e de recursos naturais, gerando assim ganhos sociais e econômicos. 

Diferentemente do que explicamos até agora com relação aos conceitos de Compliance, quando nos referimos à sustentabilidade, trazemos à tona não somente os riscos de uma determinada conduta, mas também as oportunidades que esta representa para o futuro e as consequentes transformações necessários para produzirmos os melhores resultados possíveis com o mínimo de impacto para a sociedade e as gerações futuras como um todo.

Além disso, quando incluímos sustentabilidade como pilar de atuação de uma empresa, as mais diversas demandas que a sociedade possui passam a integrar a tomada de decisão do corpo diretivo, o que gera credibilidade para todos aqueles que atuam em conjunto com a empresa.

Ao implementar uma estrutura sustentável, sendo ela mínima ou não, toda empresa passa a se relacionar diretamente com práticas de Sustentabilidade, Sociais e de Governança, as quais em inglês possuem a sigla ESG (Environmental, Social e Governance), cujas demais siglas também serão discutidas nos próximos textos.


Praia do Paraná supera Camboriú e faz maior alargamento de orla do país

MATINHOS (PR) e RIO DE JANEIRO

A maior obra de alargamento de praia em execução no país enfrentou contestações do Ministério Público, críticas sobre seu licenciamento e a areia utilizada, mas é uma das apostas da cidade para ampliar o turismo após décadas de erosão costeira.

Sem a fama de Balneário Camboriú (SC), a pequena cidade de Matinhos, no litoral do Paraná, realizou uma engorda em suas praias há um ano com 3,2 milhões de metros cúbicos de areia, o equivalente a 220 mil caminhões no cálculo do IAT (Instituto Água e Terra), órgão do governo estadual responsável pela gestão da obra.

Banhistas e pescadores na areia a orla no Pico de Matinhos tendo ao fundo o espigão e os tetrápodes (blocos de concreto projetados para proteger o litoral da erosão), parte da megaobra que incluiu alargamento da praia. - Karime Xavier/Folhapress

O volume de areia é superior ao depositado nas praias de Camboriú (2,7 milhões de m³), cuja ampliação foi concluída no final de 2021. A intervenção também conta com três enormes estruturas construídas para "segurar" os sedimentos na praia.

O alargamento integra uma megaobra que o governo estadual executa perto do mar. Além da ampliação da praia em uma extensão de 6,3 km, inclui novos calçamentos e ciclovias na orla, recuperação da restinga e drenagem, na tentativa de reduzir os recorrentes alagamentos na cidade.

Mas, no bojo das ações civis públicas envolvendo a orla de Matinhos, são apontados, por exemplo, plantio indevido de vegetação exótica em alguns pontos da área de restinga e falta de informação sobre eventuais danos ambientais gerados pela obra.

A participação do IAT ao emitir as licenças ambientais para a obra também foi contestada. Na visão do Ministério Público, isso deveria ter sido feito pelo Ibama, e não pelo órgão estadual que também é responsável pela gestão da obra, em uma espécie de "autolicenciamento" —comum em outras obras do tipo no país.

A Justiça Federal não anulou as licenças ambientais emitidas pelo IAT, como havia pedido o Ministério Público, mas determinou, em junho, que o Ibama passe a acompanhar de perto a obra, apontando as medidas compensatórias que entender necessárias.

A obra teve também, em seu início, questionamento sobre a indefinição da origem da areia que seria jogada na praia. Nota técnica da UFPR (Universidade Federal do Paraná) em 2020 apontou que a jazida descrita no projeto não tinha areia com a característica adequada nem volume suficiente para atender à demanda.

Matinhos (PR) tem a maior obra de alargamento do país, com uso de 3,2 milhões de m³ de areia; a megaobra também ergueu três enormes estruturas (um espigão e dois headland) construídas para "segurar" os sedimentos na praia. - Karime Xavier/Folhapress

"Quando estavam fazendo a engorda, a jazida não estava bem definida. Quando começaram a fazer o estudo e contratar a draga, pelos dados que eu via, não estava claro se tinha areia suficiente e se tinha qualidade necessária para fazer a alimentação", disse Rodolfo Angulo, professor de geologia da UFPR.

De acordo com o oceanógrafo Antônio Klein, da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), as falhas na identificação das jazidas são comuns no país.

"Sem jazida, não tem projeto. Não se sabe o investimento, nem qual será a forma da praia resultante. Como estes projetos são novos no Brasil, ainda há deficiências na busca da jazida", afirma.

O diretor de Saneamento Ambiental e Recursos Hídricos do IAT, José Luis Scroccaro, afirmou que foi identificada após a conclusão do projeto uma jazida adequada para a obra.

"O estudo para usar o material retirado da dragagem do canal da Galheta [ideia original] foi uma suposição, mas isso não prosperou. Foi usada uma jazida de grande porte, de 4.500 metros de distância da faixa de Matinhos, compatível com a areia da praia. Ficou uma areia limpa", disse ele.

Governo diz que quase 90% da obra em Matinhos (PR) está concluída e que o órgão estadual vai monitorar as mudanças na faixa de areia por mais três anos e meio - Karime Xavier/Folhapress

Segundo o IAT, quase 90% da obra está concluída. Scroccaro disse que o órgão estadual monitora as mudanças na faixa de areia por mais três anos e meio. Segundo ele, uma draga de pequeno porte pode ser eventualmente utilizada no período, para transferir areia de um lado para outro, se houver necessidade.

"O mar trabalha. Então tem período que ele tira areia da praia e leva para dentro do mar e depois repõe a areia de volta para a praia. Isso vai ser um movimento constante", diz ele.

A nova faixa de areia foi deixada entre 70 a 100 metros da largura. "Mas é o próprio mar que vai se encarregando de estabilizar. Estamos monitorando para saber o que pode acontecer", afirma ele.

OBRA ERA ESPERADA HÁ DÉCADAS POR MORADORES

Moradores, setor imobiliário, trabalhadores do comércio e da hotelaria já sentem o impacto da obra, que está custando R$ 314,9 milhões, bancado pelo governo estadual.

"Já fez bem para a autoestima do morador de Matinhos. Gente daqui voltou a frequentar a praia, comércio está investindo. Tem um movimento diferente", diz o secretário municipal do Turismo e Desenvolvimento Econômico, José Luís Leal.

Segundo ele, as quadras perto da orla foram valorizadas desde o fim do engordamento artificial. "Houve um aumento do valor dos imóveis em torno de 25%. E a gente já vê também as construtoras buscando terrenos", avalia ele.

"Principalmente na região do Flamingo, fez diferença. Estava todo mundo vendendo as casas ali a preço de banana. Isso mudou", diz o gerente de restaurante Vagno Santana, 51, morador de Matinhos.

Mais próximo da praia do Flamingo, o garçom Sinomar Vieira Gonçalves Filho, 28, conta que a água do mar batia na entrada do restaurante onde trabalha.

"Mudou o visual da cidade. E agora tem final de semana que bomba, mesmo fora de temporada, como em Camboriú", diz ele, apontando para as mesinhas do restaurante que agora ocupam uma parte da "areia nova".

O surfista paranaense Péricles Dimitri, 37, considera a obra positiva para Matinhos, mas afirma que as ondas foram afetadas.

"Continua tendo onda, está boa, mas deu uma leve prejudicada na onda lá atrás das pedras [do Pico de Matinhos], que era a seção mais importante que a gente tinha, que é onde rolavam os tubos", explica ele.

Matinhos é conhecida por formar atletas de surf.

"Na praia Brava, também era um local de treino, e a onda não tem mais a qualidade que tinha. Antes a gente conseguia fazer quatro manobras. Hoje a gente consegue fazer duas. A onda ficou curtinha", diz Dimitri, que dá aulas da modalidade na cidade.

Por outro lado, as mesmas estruturas marítimas também geraram outros "picos de ondas", criando novos locais para a prática de surf. "Teve benefício também", comenta ele.

O IAT afirma que a engorda artificial foi feita nos trechos onde a erosão era mais grave. Uma segunda obra está nos planos, entre os balneários Flórida e Saint Etienne, em um trecho de 1,7 quilômetro.

A prefeitura de Guaratuba, vizinha de Matinhos, também já tem estudos em andamento para engordar suas praias.


SÉRIE MOSTRA EFEITO DE OBRAS EM PRAIAS BRASILEIRAS

A série Praias Alteradas ouviu especialistas e autoridades envolvidas nas dezenas de obras realizadas nos últimos anos no litoral do país. As reportagens mostram quais os motivos que levaram aos investimentos, as falhas nos projetos e possíveis consequências futuras com a alteração da costa brasileira.

Os textos também vão apontar quais os impactos locais das intervenções e como muitas falhas se repetem em diferentes municípios do país, que não contam com uma integração regional ou nacional para combater a erosão costeira.

FONTE: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2024/01/praia-do-pr-supera-justica-faz-engorda-maior-do-que-camboriu-e-aposta-no-turismo.shtml


Matinhos prevê crescimento de 40% no comércio após revitalização da orla

Uma projeção da Associação Comercial e Empresarial de Matinhos (Acima) prevê um aumento de até 40% nas vendas da atual temporada de verão.

Parte do resultado positivo é atribuído à revitalização da orla. As obras, com investimentos de R$ 314,9 milhões pelo Governo do Paraná, estão 92,3% concluídas.

Estabelecimentos que trabalham em contato direto com os veranistas colhem os melhores resultados. É o caso de bares, restaurantes, lojas e pousadas.

“O turista que veio ano passado e voltou esse ano viu muita coisa mudando”, avalia o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Matinhos, Felipe Nascimento.

COMÉRCIO REGISTRA ALTA NAS VENDAS

As vendas também aumentaram no tradicional Mercado de Peixes de Matinhos.

Dados da Associação Amigos e Pescadores de Matinhos (APM) indicam que o número de funcionários trabalhando em cada um dos 24 boxes passou de dois para quatro.

mercado de peixes de matinhos, peixe, pescados, comércio, matinhos, litoral, paraná, Gabriel Rosa-AEN
Gabriel Rosa/AEN

REVITALIZAÇÃO DA ORLA DE MATINHOS

Segundo o Governo do Paraná, a fase inicial das obras de revitalização da orla de Matinhos, no litoral do Paraná, estão praticamente concluídas.

A primeira etapa, com orçamento de R$ 314,9 milhões, abrangeu a engorda da faixa de areia, canais de macrodrenagem e revitalização urbanística da orla.

Ao todo, as intervenções aconteceram em um trecho de 6,3 quilômetros entre o Morro do Boi e o Balneário Flórida.

Na segunda etapa, ainda sem previsão de início, as melhorias alcançam um trecho de 1,7 quilômetro entre os balneários Flórida e Saint Etienne.

Os locais receberão novos equipamentos urbanos, como ciclovia, pista de caminhada e corrida, pista de acessibilidade e calçada.

 

FONTE: https://www.paranaportal.com.br/negocios/matinhos-comercio-crescimento-apos-revitalizacao-orla/


Integridade, Compliance, Desempenho Financeiro e Mitigação de Riscos:

Os processos de compliance das diretrizes ESG garantem que as empresas adotem práticas de negócios sustentáveis que reduzam os impactos negativos e comprometam a sustentabilidade de suas operações. A conformidade com os padrões ESG leva a uma melhor gestão ambiental e contribui para um futuro mais sustentável. Adicionalmente, compliance com a dimensão social do ESG implica priorizar o bem-estar dos funcionários, clientes, comunidades e outras partes interessadas. As empresas que adotam práticas trabalhistas justas, iniciativas de diversidade e inclusão e priorizam o bem-estar dos funcionários constroem uma cultura corporativa positiva. Essas organizações promovem um ambiente de confiança, motivação e lealdade entre os funcionários, levando ao aumento da produtividade, redução da rotatividade e maior satisfação do cliente.

A conformidade com as práticas ESG ajuda as organizações a identificar e mitigar possíveis riscos financeiros e de reputação. Ao integrar fatores ESG em seus processos de tomada de decisão, as empresas podem avaliar e gerenciar riscos associados a mudanças climáticas, mudanças regulatórias, interrupções na cadeia de suprimentos e outras questões relacionadas à sustentabilidade. Essa abordagem proativa permite que as empresas se adaptem às tendências do mercado em evolução e minimizem os impactos negativos de eventos imprevistos, protegendo sua estabilidade financeira e reputação.

Ou seja, mais do que apenas um custo, a conformidade com os padrões ESG pode fornecer às organizações uma vantagem competitiva. Em uma era em que os consumidores estão cada vez mais conscientes da sustentabilidade e das práticas éticas, as empresas que demonstram comprometimento com os princípios ESG ganham uma percepção favorável do mercado. Os investidores também estão mais inclinados a apoiar empresas que priorizam a conformidade ESG, pois sinaliza uma gestão responsável e com visão de futuro. A conformidade com as práticas ESG pode atrair uma base de clientes mais ampla, aumentar o valor da marca e melhorar a lucratividade a longo prazo.

Portanto, vários estudos mostraram uma correlação positiva entre a integração ESG e o desempenho financeiro das empresas. As empresas que priorizam os fatores ESG geralmente estão mais bem posicionadas para gerenciar riscos e capitalizar oportunidades em um mundo em rápida mudança. Por exemplo, as organizações que abordam proativamente os riscos relacionados às mudanças climáticas estão menos expostas a riscos regulatórios e físicos, garantindo a viabilidade a longo prazo. Além disso, as empresas que priorizam a responsabilidade social tendem a atrair e reter os melhores talentos, aprimorando a inovação e o desempenho geral.

Atualmente, as partes interessadas, incluindo investidores, funcionários, clientes e comunidades, esperam que as empresas operem de forma responsável e transparente. A conformidade com os princípios ESG ajuda as empresas a atender a essas expectativas, estabelecendo confiança e promovendo relacionamentos de longo prazo com as partes interessadas. Ao incorporar as contribuições das partes interessadas, mantendo os padrões éticos e sendo responsáveis por suas ações, as organizações podem construir parcerias mais fortes e garantir a sustentabilidade de suas operações.

O ESG representa uma abordagem transformadora de investimento que considera o impacto mais amplo dos negócios no meio ambiente, na sociedade e na governança. A adoção dos princípios ESG permite que os investidores alinhem suas metas financeiras com seus valores, impulsionando mudanças positivas e promovendo um futuro sustentável. Ao apoiar empresas que priorizam sustentabilidade, responsabilidade social e governança ética, os investidores têm o poder de moldar o comportamento corporativo e contribuir para uma economia global mais igualitária e resiliente. À medida que o ESG continua a ganhar impulso, ele tem o potencial de criar um mundo onde a lucratividade e as práticas de negócios responsáveis andam de mãos dadas, beneficiando tanto os investidores quanto a sociedade em geral.


Orla de Matinhos renovada: comerciantes comemoram o impulso econômico diante do crescente fluxo de veranistas

As obras de revitalização da orla de Matinhos, iniciadas em junho de 2022, estão transformando não apenas a paisagem da cidade, mas também impulsionando a economia local. Com um investimento de R$ 314,9 milhões por parte do Governo do Estado, a intervenção abrange a engorda da faixa de areia, estruturas marítimas semirrígidas, canais de macrodrenagem, redes de microdrenagem e revitalização urbanística, incluindo o plantio de árvores nativas.

Em dezembro de 2023, as obras atingiram 89% de conclusão, com previsão de término para o segundo semestre de 2024. Esta é a principal intervenção urbana da história do Litoral do Paraná, buscando minimizar os impactos causados pelo desequilíbrio de sedimentos, ocupações mal planejadas e ressacas na região.

Para o prefeito de Matinhos, José Carlos do Espírito Santo (Podemos), o Zé da Ecler, a revitalização da orla, somado aos esforços da Administração Municipal, não apenas transformou a paisagem, mas também injetou vida na economia local, proporcionando aos comerciantes e moradores locais uma perspectiva otimista para os próximos meses. “O sucesso da iniciativa ressalta a importância de investimentos em infraestrutura para impulsionar o turismo e o desenvolvimento econômico em Matinhos”, afirma.

Como destacado pelo prefeito, a transformação visual da praia já está refletindo positivamente na economia, com a cidade atraindo milhares de turistas nesta temporada de verão. Apenas na virada de 2023 para 2024, Matinhos recebeu 250 mil pessoas.

Aumento nas vendas

A mudança é percebida não apenas pelos visitantes, mas também pelos comerciantes locais. Aparecido Conceição, de 72 anos, tem um quiosque na orla, em Caiobá, há nove anos; ele compartilha seu entusiasmo ao JB Litoral.

Estamos neste novo quiosque desde agosto do ano passado, um período de muita chuva, e começou a melhorar apenas a partir de dezembro. Essa revitalização da orla trouxe um ânimo para nós, uma expectativa muito grande e, inclusive, valorizou até mesmo os imóveis“, diz.

Ele ainda destaca o impacto positivo nas vendas e na economia da cidade. “Muitos turistas que passam pelo quiosque comentam que estão muito satisfeitos com a cidade, que a orla está ficando maravilhosa. Nesta temporada de 2023/2024, temos visto uma quantidade muito maior de veranistas, o que tem dado um up no comércio e na economia“, comenta.

A temporada promete ser um respiro para os comerciantes, após dois anos de desafios impostos pela pandemia. “Apesar de a temporada estar apenas começando, já dá para notar uma maior venda e o comércio bem aquecido. Essa revitalização nos traz bastante expectativa, nos deixa esperançosos e alegres, pois viemos de dois anos de uma pandemia que dificultou muito as nossas vidas“, finaliza.

Seu Aparecido Conceição tem um quiosque na orla de Caiobá há nove anos, ele está animado com a temporada de 2023/2024. Foto: Rafael Pinheiro/JB Litoral

Expectativa altas para os próximos meses

Ambulantes também comemoram os resultados positivos. Ricardo dos Santos, ambulante na orla, participa de sua primeira temporada em Matinhos.

A gente vem trabalhando desde novembro na areia e cada dia as vendas estão melhorando mais. A expectativa para o decorrer da temporada é ainda melhor, especialmente durante o Carnaval. Por ser nossa primeira temporada, estamos muito felizes com os resultados“, afirma.

Ricardo dos Santos, ambulante na orla, participa de sua primeira temporada em Matinhos e está contente com os resultados das vendas. Foto: Rafael Pinheiro/JB Litoral

Já Lucas Rodolfo Pereira, vendedor de sorvete nas areias das praias de Matinhos há cinco anos, destaca a melhoria na faixa de areia e o aumento do movimento. “Essa temporada está sendo a melhor dos últimos anos. Aumentou a faixa de areia e, consequentemente, o número de pessoas na praia, que consomem bastante. Meus colegas também têm comentado que essa tem sido a melhor das últimas temporadas“, comemora.

Ele observa um aumento significativo nas vendas em comparação com o ano passado. “Com relação à temporada de 2022/2023, minhas vendas aumentaram cerca de 20%, e a expectativa para esse verão que acabou de começar é muito boa. Tem muito chão ainda, até depois do Carnaval, também tem muitos shows que atraem milhares de pessoas para cá“, diz animado.

O ambulante Lucas Rodolfo conta que suas vendas já aumentaram 20% em relação ao mesmo período da temporada passada. Foto: Rafael Pinheiro/JB Litoral

Turistas retornando ao Litoral

Os comerciantes da Feira Expoverão de Matinhos também compartilham a empolgação. Cleusa de Souza Passos, vendedora há mais de 50 anos e há 10 na feirinha, ressalta a surpresa positiva nesta temporada.

Essa temporada tem sido uma surpresa boa para nós. Tem muitos turistas em Matinhos por conta dos shows gratuitos e também da revitalização da orla, que ficou maravilhosa“, avalia.

Cleusa Passos, vendedora há 10 anos na feirinha, ressalta a surpresa positiva nesta temporada. Foto: Rafael Pinheiro/JB Litoral

Ela percebe um aumento nas vendas, indicando que a cidade está reconquistando turistas que antes optavam por destinos vizinhos. “Com tantas pessoas vindos para cá, as vendas também melhoraram. Acredito que as pessoas que nos últimos anos estavam preferindo ir para as praias de Santa Catarina, agora estão retornando para o Litoral. A expectativa é ainda melhor para os próximos meses“, diz.

Noeli Ouriques, vendedora na feira há 24 anos, destaca os benefícios da temporada de 2023/2024. “Esta temporada está sendo ótima tanto em função do calor quanto da revitalização da orla, que tem atraído muitos turistas. As vendas aumentaram com relação ao ano passado, ainda não fiz o cálculo, mas é perceptível o aumento“, conclui.

Noeli Ouriques tem um estande na feira há 24 anos e conta que já percebeu um aumento nas vendas. Foto: Rafael Pinheiro/JB Litoral

 

Por Luiza Rampelotti

FONTE: https://jblitoral.com.br/orla-de-matinhos-renovada-comerciantes-comemoram-o-impulso-economico-diante-do-crescente-fluxo-de-veranistas/

 


Récord en las exportaciones desde el puerto de Pisco

El puerto de Pisco, oficialmente el Terminal Portuario General San Martín, está estableciendo récords en 2023. En la semana 48 del presente año, el puerto realizó despachos por 5.445 toneladas, lo que representa un aumento del 138% en comparación con el mismo período de 2022. Este volumen superó el récord anterior, también establecido en 2023, cuando se movilizaron al extranjero un total de 4.048 toneladas.

El producto más exportado por este puerto fue la cebolla. Sin embargo, durante la semana de análisis, se observó un aumento en los envíos de uva, que representaron el 38% de la participación, lo que contribuyó al incremento de los despachos.

En los últimos años, los despachos semanales de productos agrícolas peruanos hacia el mercado exterior han tenido como principal puerto de embarque al Terminal Portuario del Callao, dejando a los puertos de Paita y Pisco en segundo y tercer lugar, respectivamente. Sin embargo, en la última semana, los envíos por Pisco han sido los más altos registrados en este período.

Además, en la semana 48 de 2023, se registró la salida de dos barcos por este puerto, lo cual fue poco habitual dado que, en los últimos años, solo ha salido un barco en cada envío semanal. Estos navíos que salieron del Puerto de Pisco fueron el MSC Cassandre, encargado de distribuir uva, cebolla y arándano; y el Jeppesen Maersk, tan solo llevando cebolla.

La cantidad de destinos a los que se dirigen estos buques aumentó considerablemente en esta semana, pasando de solo 2 en 2022 a 10 en este año. De estos, los principales fueron los Estados Unidos, con el 80% de participación; seguido por España, con el 7%; y Países Bajos, con 5%.

 

FONTE: https://noticiaslogisticaytransporte.com/logistica/12/12/2023/record-en-las-exportaciones-desde-el-puerto-de-pisco/187737.html


Grupo Cataratas anuncia início da construção do AquaFoz

 

FOZ DO IGUAÇU (PR) - Um novo atrativo vai enriquecer a oferta turística da paranaense Foz do Iguaçu nos próximos anos. Aconteceu hoje (1), com a presença do governador do Paraná, Ratinho Júnior, e da ministra do Turismo, Daniela Carneiro, o lançamento das obras do AquaFoz, o Aquário de Foz do Iguaçu. O complexo é idealizado pelo Grupo Cataratas, que prevê investir R$ 100 milhões no desenvolvimento com 300 empregos diretos gerados.

Segundo explicaram os desenvolvedores, a emissão da Licença de Instalação foi concluída pelo Instituto Água e Terra (IAT) em maio e foi entregue pelo governador à diretoria do Grupo Cataratas. O licenciamento permite que o grupo que vai gerir e administrar o aquário inicie as obras e, na sequência, as atividades comerciais.

A previsão é que o AquaFoz seja inaugurado em dois anos, no primeiro semestre de 2025.

“Este é mais um grande investimento para Foz do Iguaçu, feito por um grupo com expertise no setor turístico e que já tem um case de sucesso com o Aquário do Rio de Janeiro. Além de gerar cerca de 300 empregos, esse projeto vai se tornar mais um atrativo turístico para a cidade, fazendo com que os turistas permaneçam mais tempo na cidade e gastem mais no comércio local.”

Ratinho Júnior

“Além do AquaFoz, temos encaminhada a instalação do Museu Pompidou na cidade, que está entre os cinco maiores do planeta, e estamos buscando parcerias para que outros museus venham para cá, porque o Turismo de museu movimenta bilhões em recursos todos os anos”, acrescentou o governador.

O lançamento do aquário aproveita a realização da edição 2023 do Festival das Cataratas, que acontece até amanhã (2) na cidade.

A ATRAÇÃO
O AquaFoz será construído em uma área particular, de 23 mil metros quadrados, na entrada do Parque Nacional do Iguaçu, ao lado do Centro de Visitantes, na BR-469. O espaço contará com diversos tanques com espécies de água doce e de ecossistemas marinhos que somam um volume total de aproximadamente 3,5 milhões de litros de água.

 

FONTE: https://www.panrotas.com.br/destinos/parques-tematicos/2023/06/grupo-cataratas-anuncia-inicio-da-construcao-do-aquafoz_197137.html

Porto de Paracas: uma referência em sustentabilidade e inovação

O Terminal Portuário San Martín, no Peru, é um porto polivalente que existe desde 1969, hoje conhecido como Porto de Paracas.  As obras de construção e revitalização passaram por grandes desafios. Por isso, todas as empresas envolvidas se dedicaram para que esse projeto impulsionasse a economia do país, gerasse empregos e claro, promovesse o  crescimento sustentável da região central e do Peru.

Atualmente o porto conta com 750 metros de cais, operando carga geral e contêineres com mais de 1.000 conexões para contêineres frigoríficos.

Foi a associação da Tucumann com empresas nacionais e internacionais em 2014, que resultou na recuperação e revitalização desse importante terminal portuário. Com investimentos previstos de US$ 230 milhões, o porto tem capacidade de movimentação de 2,5 milhões de ton/ano de carga geral, além da capacidade de 300.000 de TEUs/ano.

E o sucesso deste projeto não se dá apenas pelos números conquistados ao longo da história dessa obra. Este ano, o PdP (O Porto de Paracas) venceu o prêmio Green Port Award System 2023, que é atribuído aos portos dos países que fazem parte do Fórum de Cooperação Económica Ásia-Pacífico (Apec). Essa premiação   reconhece as melhores práticas ambientais desenvolvidas nos últimos três anos. 

A Tucumann Engenharia se orgulha de investir recursos em um empreendimento que tem os valores e missões alinhados aos nossos.


Perú: Puerto de Paracas recibe escala inaugural del servicio CLX de Maersk

El primer portacontenedores del servicio CLX de Maerskarribó al Puerto de Paracas y embarcó un total de 3 mil toneladas de agro productos.

Cabe recordar que fue recientemente anunciada la incorporación del Puerto de Pisco -donde opera el Terminal Portuario Paracas– a las escalas programadas en la prestación de la naviera danesa.

En concreto, con la recalada inaugural del SC Montreux se dio el inicio formal al enlace directo desde Puerto de Paracas a Europa, el que también fija rutas a Estados Unidos y Asia.

La nave, registrada bajo el pabellón de Islas Marshall y con capacidad para movilizar 4.132 TEU, cargó principalmente uvas y cebollas, además de otros productos de la agroindustria peruana.

De acuerdo con lo informado por el operador peruano, el servicio CLX establece rutas “competitivas con menores tiempos de tránsito” a Rotterdam (20 días), Amberes (19 días), Hamburgo (24 días), Filadelfia (14 días), Savannah (18 días), Port Everglades (15 días), entre otros destinos.

La rotación de la prestación de Maersk cuenta con escalas programadas en Callao (Perú), Valparaíso (Chile), Balboa(Panamá), Manzanillo (México), Amberes (Bélgica), Rotterdam (Países Bajos) y Hamburgo (Alemania), a lo cual ahora se le suma el Puerto de Paracas (Pisco, Perú).

Finalmente, cabe mencionar que se proyectan años con cifras récords de despachos de agro productos desde el Puerto de Pisco, lo que ya sería una tendencia latente a lo largo de 2023.

 

FONTE: https://portalportuario.cl/peru-puerto-de-paracas-recibe-escala-inaugural-del-servicio-clx-de-maersk/


Perú: Proyectan años récord en despachos de agro productos en el Puerto de Pisco

El Puerto de Pisco, oficialmente el Terminal Portuario General San Martín, se encuentra estableciendo rendimientos y cifras récords en 2023, un escenario que proyectan se mantenga en los años venideros, según señaló FreshFruit.

De esta forma, la empresa especializada en inteligencia comercial para el sector agroexportador peruano dio cuenta que en la semana 48 del presente año, el recinto portuario de pisco realizó despachos por 5.445 toneladas, siendo esto 138% más que en igual marco temporal de 2022.

Lo tratado implicó superar el anterior récord, el que también se impuso en 2023. En aquella ocasión se llegaron a movilizar al extranjero un total de 4.048 toneladas.

Por su parte, el producto que más se exportó por este puerto fue la cebolla; sin embargo, en la semana de análisis se vieron envíos adelantados de uva (38% de participación), lo cual fue uno de los principales motivos del incremento de los despachos.

“Durante los dos últimos años, los despachos semanales de productos agrícolas peruanos hacia el mercado exterior usualmente han tenido como principal puerto de embarque al Terminal Portuario del Callao, dejando a los puertos de Paita y Pisco en segundo y tercer lugar, respectivamente. Sin embargo, en esta última semana, los envíos por Pisco han sido los más altos registrados en este periodo”, argumentó FreshFruit.

Cabe resaltar que en la semana 48 de 2023 se registró el zarpe de dos barcos por este puerto, “lo cual fue poco habitual dado que, en los últimos años, solo ha salido un barco en cada envío semanal. Estos navíos que salieron del Puerto de Pisco fueron el MSC Cassandre, encargado de distribuir uva, cebolla y arándano; y el Jeppesen Maersk, tan solo llevando cebolla”, acotó la entidad.

Finalmente, la cantidad de destinos a los cuales se dirigen estos buques aumentó “considerablemente en esta semana”, pasando de tan solo 2 en el 2022 a 10 en este año. De estos, los principales fueron los Estados Unidos, con el 80% de participación; seguido por España, con el 7%; y Países Bajos, con 5%.

 

FONTE: https://portalportuario.cl/peru-proyectan-anos-record-en-despachos-de-agro-productos-en-el-puerto-de-pisco/


Puerto de Paracas suma servicio de Maersk con conectividad a Estados Unidos, Europa y Asia

A partir del 26 de noviembre de 2023, la naviera Maersk iniciará un servicio directo desde el Puerto de Paracas, Perú, hacia Europa; estableciendo también rutas a Estados Unidos y Asia.

“Este paso estratégico responde al potencial exportador del sur del Perú y a la eficiencia del puerto en infraestructura y capacidad operativa”, señaló la empresa prestadora en el Terminal Portuario General San Martín.

De acuerdo con lo informado por el operador, la prestación de la compañía de transporte marítimo establece rutas “competitivas con menores tiempos de tránsito” a Rotterdam (20 días), Amberes (19 días), Hamburgo (24 días), Filadelfia (14 días), Savannah (18 días), Port Everglades (15 días), entre otros destinos de la exportación peruana.

“Con Maersk y Mediterranean Shipping Company (MSC) operando en el puerto, se ofrecen servicios diseñados para los exportadores del sur, con tres naves semanales partiendo hacia destinos globales. Puerto de Paracas: operaciones portuarias impecables a favor del desarrollo del sur del país”, sumó la entidad.

Por su parte, Rabí Vilela, subgerente comercial de Puerto de Paracas, comentó que “llegar a estos mercados en un menor tiempo es especialmente importante en la logística de productos perecibles, como las frutas. Además de una mayor eficiencia en costos, llegar antes contribuye con la calidad de la fruta en el punto de venta, y por lo tanto a un mayor valor del producto”.

Hitos en el servicio directo de MSC

De otro lado, Vilela indicó que los tres primeros embarques del servicio directo, que desde el 9 de noviembre brinda la naviera MSC hacia Estados Unidos y Europa, alcanzaron las 13 mil toneladas de productos de agroexportación.

“El mercado ha respondido positivamente a este servicio de MSC desde el Puerto del Paracas. Hemos finalizado el embarque de 280 contenedores en la nave Cape Sounio, siendo esta nave la de mayor eslora que ha arribado a nuestro puerto“, concluyó el ejecutivo”.

 

FONTE: https://portalportuario.cl/puerto-de-paracas-suma-servicio-de-maersk-con-conectividad-a-estados-unidos-europa-y-asia/


Portos do Paraná inicia obras de seis novos trapiches para comunidades do Litoral

A Portos do Paraná deu início a mais uma etapa de construção dos trapiches nas ilhas e comunidades pesqueiras do entorno. Nesta fase, as obras começam por Eufrasina e Piaçaguera, em Paranaguá, e Vila Maciel, em Pontal do Paraná, no Litoral. Além dessas, Amparo, Europinha e Teixeira também ganharão novas estruturas. O investimento nos seis trapiches é de cerca de R$ 19 milhões.

Além desses seis, mais um está em fase de contratação do projeto e será construído em Pontal do Paraná, próximo ao mercado do peixe. Com os outros sete já finalizados serão, no total 14, novos trapiches construídos pela empresa pública nas comunidades do litoral paranaense.

“Já finalizamos sete trapiches no primeiro lote, nos quais investimos mais de R$ 27 milhões”, afirma o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Na primeira etapa, foram dois atracadouros construídos na Ilha do Mel (Brasília e Encantadas), entregues no final de 2021, e outros cinco finalizados no início deste ano: dois na Ilha dos Valadares; um no Santuário do Rocio; e dois em Antonina – na Ponta da Pita e no Portinho.

Segundo Garcia, a ação faz parte do programa de compensação da atividade pesqueira e foi uma condicionante da Licença Ambiental 1144/2016, emitida pelo Ibama para autorizar a dragagem de aprofundamento dos portos de Paranaguá e Antonina, realizada em 2017.

“É uma contrapartida do porto pelas obras de infraestrutura marítima e que atende uma demanda e necessidade antiga da população. Quando pensamos em desenvolver o porto queremos, junto, desenvolver a comunidade local”, acrescenta.

A gestão e manutenção dos equipamentos construídos e reformados pela Portos do Paraná serão responsabilidade dos municípios – Paranaguá, Antonina e Pontal do Paraná.TRAPICHES – Os seis novos trapiches estão sendo construídos pelo Consórcio AJM-Tucumann, ganhador da licitação. De acordo com o diretor de Engenharia e Manutenção da Portos do Paraná, Victor Kengo, a principal exigência é que os trapiches garantam à população acessibilidade, conforto e segurança. “Para isso, exigimos que os materiais aplicados sejam de qualidade, para que tenhamos garantido, também, mais durabilidade e menor manutenção”, diz.

Os novos trapiches terão estrutura de concreto armado, passarelas articuladas e coberturas metálicas, atracadouro flutuante com estruturas para proteção e amarração das embarcações, além de iluminação.

 

FONTE: https://www.aen.pr.gov.br/Noticia/Portos-do-Parana-inicia-obras-de-seis-novos-trapiches-para-comunidades-do-Litoral


Terminal Portuario General San Martín recibe nave portacontenedores más grande en su historia

En el día en el que se conmemora el 383° aniversario de fundación de la ciudad de Pisco, el Terminal Portuario General San Martín, operado por Puerto de Paracas, marcó hoy un nuevo hito histórico en la región Ica con el arribo de la nave portacontenedores de mayor eslora y capacidad en su historia.

La moderna infraestructura y equipamiento del terminal permitió el arribo de la nave de bandera maltesa ‘MSC CAPE SOUNIO’, proveniente del Terminal Portuario del Callao, la misma que cuenta con 330 metros de eslora, una capacidad máxima de 11 mil TEU’s y 135 mil TM.

La nave inició el embarque de productos peruanos de agroexportación como uvas de mesa, arándanos, cebollas, entre otros. Ello, como parte del nuevo servicio naviero premium de MSC Mediterranean Shipping que brinda conexión directa del terminal portuario con Norteamérica y Europa.

Este competitivo servicio partirá desde el terminal portuario con rutas directas a Rotterdam y Amberes, así como a Filadelfia, Savannah, Los Ángeles, Manzanillo (México) y Vancouver, entre otros, con conexión previa en Rodman (Panamá), representando una gran oportunidad para las empresas agroexportadoras del sur del país, promoviendo la descentralización logística en beneficio del comercio exterior.

El Terminal Portuario General San Martin se ha convertido en un punto importante en la cadena de exportación e importación de la región sur del Perú y un actor clave en el comercio internacional de productos provenientes de Lima, Pisco, Ica, Nazca, Ayacucho, Huancavelica, Apurímac, Arequipa, Moquegua, entre otros.
FONTE: https://www.gob.pe/institucion/apn/noticias/871620-terminal-portuario-general-san-martin-recibe-nave-portacontenedores-mas-grande-en-su-historia

Ética e Conduta por Compliance Tucumann

Área da filosofia que lida com princípios morais, valores e padrões de comportamento. Em resumo, estuda como separamos o certo do errado em nossas decisões pessoais e profissionais. A ética é a base de nossa sociedade, influenciando a maneira como interagimos uns com os outros e moldando nossas escolhas individuais e coletivas. Ela também é responsável por proporcionar um modelo para que indivíduos tomem decisões informadas, tanto no campo pessoal como profissional.

Cada pessoa é responsável pelos seus atos e o impacto sobre os outros.  E é a ética que obriga os indivíduos a reconhecerem seus deveres para com a sociedade e a agirem de maneira que contribua positivamente para o bem comum.

Já no âmbito profissional, a ética desempenha um papel crítico na manutenção da integridade, confiança e credibilidade. Nos negócios, por exemplo, orienta as organizações a tomar decisões que sejam não apenas lucrativas, mas também socialmente responsáveis. As empresas estão cada vez mais sendo requeridas a considerar o impacto ambiental de suas operações, a manter práticas trabalhistas justas e a priorizar a transparência e o bem-estar do consumidor.

A Tucumann Engenharia, em suas operações, trabalha com os mais elevados padrões de conduta ética empresarial, no relacionamento com colaboradores, clientes, parceiros e fornecedores. Para que esses padrões sejam atingidos, é fundamental que cada pessoa envolvida conduza seu trabalho com honestidade e transparência, sempre escalando o problema para a gestão ou ao canal de compliance em caso de qualquer dúvida.
A manutenção dos princípios éticos pode contribuir para um futuro mais justo, compassivo e sustentável para todos.


Perú: Puerto de Paracas logra hito en desembarque de contenedores vacíos

El Puerto de Paracas logró establecer un nuevo hito al desembarcar la mayor cantidad de contenedores vacíos en su historia, lo que aconteció tras atender un portacontenedores de la naviera Mediterranean Shipping Company (MSC).

Lo anterior fue conseguido en el marco de las operaciones de la nave MSC Japan, registrada bajo el pabellón de Panamá, desde la cual se bajaron un total de 1.159 reefers en el concesionario del Terminal Portuario General San Martín.

Lo tratado se da al alero de los preparativos para comenzar la temporada de agroexportaciones peruanas, por lo que una serie de navíos se encuentran posicionando los recipientes de carga refrigerados que serán utilizados para exportar variados productos perecibles.

Bajo este contexto, desde Puerto de Paracas se señaló que “esta semana recibimos al buque MSC Japan: un portacontenedores de 242 metros de eslora. Esta nave de bandera panameña descargó 1.159 contenedores, la mayor descarga de contenedores vacíos en la historia del Puerto de Paracas”.

“Estos contenedores serán distribuidos entre los agroexportadores de la región sur del país para ser cargados con productos peruanos que brillarán en los mercados de Europa y Estados Unidos”, complementó.

Los reefers serán almacenas en los patios de acopio del Puerto de Paracas.

El MSC Japan fue construido en 1996 y cuenta con la capacidad para movilizar 3.424 TEU.

 

FONTE: https://portalportuario.cl/peru-puerto-de-paracas-logra-hito-en-desembarque-de-contenedores-vacios/