O que é um Programa de Compliance?

Em continuidade a nossa conversa sobre Compliance, é importante compreendermos os elementos e rotinas que integram qualquer Programa de Compliance.

Dos conceitos trazidos anteriormente, é possível deduzir então que o Programa de Compliance consiste em um sistema de prevenção de eventos que possam trazer impactos para o dia-a-dia da empresa, por meio da construção de um ambiente profissional pautado no bem-estar de todos e, acima de tudo, íntegro, sempre atuando de modo transparente e de acordo com a legislação e normas internas de ética e conduta.

Em nosso último texto, explicamos que a Tucumann possui uma Política de Conduta e Ética com a descrição de várias situações e procedimentos enfrentados no dia a dia e destacamos a importância de cada colaborador fazer amplo uso da Política de Conduta e Ética em qualquer situação que julgar necessária. 

Mas como estruturamos um Programa de Compliance? Como parte do programa, um dos temas mais sensíveis para a gestão é a avaliação de riscos relativos a toda atividade empresarial, especialmente aqueles relacionados à contratação de fornecedores, funcionários, clientes e parceiros. 

Especificadamente quanto aos nossos colaboradores – nossos funcionários, diretores e todos os demais terceirizados que contribuem para o sucesso empresarial da Tucumann -, é necessário destacar que quanto maior a responsabilidade e autonomia funcionais, mais detalhada deve ser esta análise de riscos, que consiste em levantamento de fatos pertinentes à vida profissional e pessoal do colaborador.

O objetivo de tal rotina, que em Compliance chamamos de background checking, é identificar possíveis problemas de conduta e potenciais conflitos de interesse na atuação de cada colaborador. Ou seja, como prevenção de riscos, Programa de Compliance busca antecipar problemas e evitar seus impactos na gestão de processos críticos da empresa.

Um bom exemplo de potencial conflito de interesse seria a contratação de profissional com participação em empresas concorrentes para cargos estratégicos, uma vez que eventual tomada de decisão empresarial pode ser contaminada por interesses empresariais oriundos de outras funções. A mesma lógica se aplica nas indicações de colaboradores com conexões de primeiro grau, como parentes e amigos íntimos.

Para tanto, o background checking, atividade fundamental e obrigatória em qualquer Programa de Compliance, prevê controles sobre seleção e contratação de colaboradores que representarão a empresa e tomarão decisões em seu nome, por meio da verificação de informações sobre seu passado profissional e pessoal que possam apontar para (i) potencial conflito de interesse profissional ou pessoal, ou ainda (ii) episódios de potencial envolvimento em problemas integridade empresarial (fraudes, lavagem de dinheiro, corrupção, improbidade etc.). 

Qualquer empresa íntegra e que busca uma atuação sólida no mercado, como a Tucumann, deve demonstrar que gerencia adequadamente o risco decorrente de relacionamentos com funcionários, fornecedores e parceiros não apenas por exigência regulatória, mas pela necessidade de demonstrar transparência na gestão de seus negócios, evidenciando foco em boa governança e previsibilidade de resultados.


Consórcio das obras de Matinhos coleta mudas de restinga; vegetação da praia será ampliada

Recuperação de vegetação nativa integra as obras de Recuperação da Orla de Matinhos. Momento atual é de coleta de material genético da vegetação nativa para produção de mudas. No futuro serão 100 mil metros quadrados de vegetação.

 

O Litoral do Paraná recebe mais uma atividade de preparação do canteiro das obras de Recuperação da Orla de Matinhos. Nesta quarta-feira (20), começou a ser coletado o material genético e mudas da restinga existente na praia. O projeto prevê a ampliação da área de restinga e a retirada de vegetação exótica, considerada danosa ao meio ambiente. Atualmente, são 34,7 mil metros quadrados de restinga plantados na cidade, sendo 15,9 mil metros quadrados de vegetação exótica. No futuro serão 100 mil metros quadrados de vegetação renovada.

As obras são financiadas do Governo do Paraná, via Instituo Água e Terra (IAT), e executadas pelo Consórcio Sambaqui, vencedor da licitação pública. O material genético das plantas será encaminhado ao viveiro construído pelo consórcio, em terreno doado pela Prefeitura de Matinhos.

No viveiro, as mudas serão cultivadas para a fase de recuperação e paisagismo do projeto. As obras, no valor de R$ 314,9 milhões, também contemplam a engorda da faixa de areia em até 100 metros de extensão ao longo de 6,3 km (do Morro do Boi ao Balneário Flórida), obras de micro e macrodrenagem, espigões, headlands e outras intervenções de infraestrutura e paisagismo.

O diretor de Saneamento Ambiental e Recursos Hídricos do IAT, José Luiz Scroccaro, afirma que este é o momento de cultivo.

“As mudas serão recolocadas na praia após as intervenções e quando a areia estiver estabilizada”, afirmou. “A restinga protege a praia da maré alta e das ressacas, dando estabilidade para a areia. Dessa forma, estamos ampliando a existência de restinga no nosso Litoral com a Recuperação da Orla de Matinhos”.

Segundo o coordenador de Saúde, Meio Ambiente e Segurança do Consórcio Sambaqui, Paulo Roberto Geraldo Filho, essa fase também integra o cronograma de preparação do canteiro de obras. A dragagem começará em julho. “Estamos seguindo o Plano Básico de meio ambiente, que integra o replantio dessa restinga. Essa primeira etapa integra a extração das sementes e das ramas, para que as mudas possam ser cultivadas no viveiro”, explicou.

VIVEIRO – O viveiro construído pelo Consórcio Sambaqui tem capacidade de produzir 650 mil mudas simultaneamente. O IAT também auxiliou no processo de cultivo das mudas, com a expertise que possui nos 19 viveiros florestais e dois laboratórios de sementes.

Hiago Adamoski Machado, engenheiro florestal e consultor do Consórcio Sambaqui, conta que a coleta do material genético da restinga é importante para garantir a característica da vegetação do litoral paranaense.

“A ideia é utilizar as espécies que já estão adaptadas ao ambiente costeiro, evitando trazer espécies de outras regiões. Estamos no processo de coleta que se chama germoplasma, então estamos removendo o material vegetativo e as sementes. Esse material deve ser feito antes da entrada das máquinas na areia”, disse.

O processo de coleta de material genético tem previsão de duração de duas semanas. As mudas serão preparadas para serem plantadas conforme as obras forem executadas, com previsão de acabar o processo em 2024.

EMPREGO – A produção de mudas de árvores nativas também mudou a vida de moradores do Litoral. Mãe de três filhos, Liliane Oliveira Regis, de 39 anos, vivia de emprego temporário e se preocupava em sustentar sozinha a casa. Hoje, ela ajuda na preparação das mudas de vegetação nativa no viveiro.

“Fiquei muito feliz, porque o emprego está difícil e sou mãe solteira. Hoje consigo ajudar meus filhos a estudar e pagar as contas de casa como água e luz, sem precisar buscar oportunidades para fazer faxina, o que não é garantido”, relatou.

OBRAS – As obras de Recuperação da Orla de Matinhos preveem, além da engorda da faixa de areia por meio de aterro hidráulico, estruturas marítimas semirrígidas, canais de macrodrenagem e redes de microdrenagem, e revitalização urbanística da orla marítima com o plantio de árvores nativas. Também serão realizadas melhorias na pavimentação asfáltica e a recuperação de vias.

O objetivo é minimizar os impactos gerados pela combinação do desequilíbrio de sedimentos, ocupações mal planejadas e ressacas no Litoral. Essa combinação vem destruindo e comprometendo boa parte da infraestrutura urbana, turística e de lazer no município.

 

FONTE: https://www.sedest.pr.gov.br/Noticia/Consorcio-das-obras-de-Matinhos-coleta-mudas-de-restinga-vegetacao-da-praia-sera-ampliada?fbclid=IwAR2Y5C9pchLm5wtQiBcJLtwaucjcIEDqso7Fx7YsPnj2T7ZRQXcGqIcGLdQ


O que é integridade?

Quando falamos de boas práticas e bem-estar em âmbitos gerais, constantemente nos deparamos com a palavra integridade. Mas você sabe o que é integridade e qual o impacto dessa expressão no seu dia a dia?

Se a resposta for negativa, não fique intimidado. Muitas são as dúvidas que pairam sobre o seu significado e aplicação prática deste conceito, porém, é o objetivo deste breve texto te ajudar a compreender.

A primeira ideia importante que precisamos ter para compreender claramente este tema é que quase impossível dissociar a palavra integridade de conduta, e o motivo para isso é quase intuitivo.

Toda vez que vamos praticar uma ação ou tomar uma decisão, a nossa mente involuntariamente traz valores, crenças e convicções à tona e que vão guiar maneira como nos comportamos. Na grande maioria dos casos, essas noções nós aprendemos com os exemplos que trazemos de nossas famílias e das pessoas que nos inspiraram na vida. 

A esse conjunto de ações que praticamos no nosso cotidiano damos o nome de conduta.  Nascemos e crescemos em ambientes nos fazem naturalmente assimilar esses valores mais universais, de acordo com a cultura e normas sociais. 

Esse coletivo de valores formam os princípios e a moral de uma determinada sociedade é por isso que não precisamos saber das leis brasileiras para agir corretamente. Temos a consciência que matar e roubar, dentre inúmeras outras ações, são condutas reprováveis.

Assim, quando as nossas condutas refletem os princípios e a moral que temos chamamos isso de integridade, ou seja, integridade é ser honesto, confiável, e fiel a seus princípios e valores morais, de modo que integridade pessoal é “fazer a coisa certa (através de seu discurso, ações e crenças) quando ninguém está olhando”. 

Entendemos que fazer a coisa certa requer coragem e grande disposição, pois muitas vezes essa “coisa certa” não é a opção mais fácil ou conveniente para cada um.

Mas, como saber se nossos princípios e valores estão alinhados com outras áreas além da pessoal? Como agir em determinadas situações em que nossos valores possam ser conflitantes?

Com o objetivo de esclarecer dúvidas e auxiliar a todos a identificar condutas alinhadas com os valores e princípios que norteiam qualquer empresa, a Tucumann possui uma Política de Conduta e Ética com a descrição de várias situações e procedimentos.

É de grande importância que todo colaborador se utilize da Política de Conduta e Ética em qualquer situação que julgar necessária para que possamos assim construir um ambiente profissional pautado no bem-estar de todos e, acima de tudo, íntegro.


Mão de obra pra revitalização da orla de Matinhos é selecionada por consórcio; veja como se candidatar

Os trabalhadores que atuarão na revitalização da Orla de Matinhos, no Litoral do Paraná, começarão a ser selecionados de 15 a 18 de março (terça a sexta-feira), pelo Consórcio Sambaqui, que venceu a licitação para executar a obra.

A informação é do gerente do projeto, Elvio Alves Torres Junior. Segundo ele, uma equipe do consórcio estará na cidade para iniciar o processo seletivo. Os interessados podem procurar, desde já, a Agência do Trabalhador de Matinhos, onde há mais detalhes sobre as vagas.  Alguns já estão se cadastrando. Os trabalhadores serão contratados pelo regime CLT.

“De acordo com informações que a Agência do Trabalhador nos passou, tem havido uma procura de cerca de cinco candidatos para cada vaga”, diz Torres. Segundo ele, será priorizada a mão de obra local e só em caso de necessidade serão buscados trabalhadores de fora do litoral, como de Curitiba e região metropolitana, por exemplo.

vagas para pedreiros, serventes, auxiliares, operadores de máquinas, carpinteiros, armadores e também para trabalhos administrativos. No total, devem ser contratadas 350 pessoas, das quais cerca de 70 para a área administrativa. A intenção, segundo o gerente do projeto, é montar um banco de trabalhadores e ir chamando de acordo com a demanda e as fases da obra.

“A obra terá diversas etapas e deve começar efetivamente em abril, com cerca de 50 trabalhadores. Aproximadamente seis meses após o início, deve-se atingir o pico, com todo o efetivo de 350 trabalhadores atuando”, prevê o gerente do projeto. Torres não adiantou se a condução da obra irá impactar o acesso dos veranistas aos balneários e nem se o alargamento da faixa de areia (a engorda) já poderá estar pronto na próxima temporada. “Em breve o IAT (Instituto Água e Terra, responsável pelo projeto), deverá divulgar um cronograma com essas informações”, informa. Paralelamente ao processo de seleção de pessoal, o Consórcio está instalando o escritório e o canteiro de obra.

Mão de obra especializada virá da Bélgica e da Holanda

Embora a prioridade seja por trabalhadores locais, parte da mão de obra é altamente especializada e terá que vir de outros países, segundo o gerente. “É uma obra que vai demandar muitas especialidades para operar determinados equipamentos”, diz.

“A draga, por exemplo, virá da Bélgica, demandando técnicos habilitados para operá-la, que deverão vir de lá também. Assim como os soldadores deverão vir da Holanda”, explica. Segundo Torres, parte dessa mão de obra trabalhará embarcada (de dentro do navio).  Mas, segundo o gerente, esses trabalhadores altamente especializados que virão de fora devem representar apenas cerca de 3% de todo o pessoal empregado no projeto. Todo o restante será mão de obra local, prioritariamente do Litoral e outras regiões do Paraná.

As obras de Recuperação da Orla de Matinhos compreendem os serviços de engordamento da faixa de praia, por meio de aterro hidráulico, estruturas marítimas semirrígidas, canais de macrodrenagem, redes de microdrenagem, revitalização urbanística da orla marítima, bem como a pavimentação e a recuperação de vias.

O prazo de conclusão de é de 32 meses após o início da obra, ou seja, final de 2024.

 

FONTE: https://tribunapr.uol.com.br/noticias/parana/mao-de-obra-pra-revitalizacao-da-orla-de-matinhos-e-selecionada-por-consorcio-veja-como-se-candidatar/


Previstas para início após o Carnaval, obras na orla de Matinhos devem demorar mais 30 dias para começar

A previsão do Governo do Paraná era anunciar o início das obras da revitalização da orla de Matinhos, no litoral paranaense, logo após o carnaval, mas terá que esperar, pelo menos, mais 30 dias.

O motivo é que esse tempo é o prazo para o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) emitir a autorização para o início das obras, a partir da análise de um relatório de risco enviado pelo Consórcio Sambaqui, vencedor da licitação para a realização das obras, uma obrigação legal para uma intervenção deste porte, necessário para o início das obras.

Por outro lado, o consórcio informou que está seguindo com todos os trâmites necessários para o início das atividades, como a instalação do escritório e do canteiro de obras, bem com a contratação de mão de obra e a cotação do material de contenção.

Conforme a Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Turismo (Sedest), responsável pelo projeto, esse é o período conhecido como mobilização de equipamentos, pessoal e materiais. Após essa fase é que a obra deve ser iniciada.

Ainda segundo a pasta, as empresas que fazem parte do consórcio vencedor já estão efetuando a contratação de profissionais na Agência do Trabalhador de Matinhos, para priorizar a geração de vagas dentre a população do município.

A previsão é de que devem ser 300 vagas temporárias diretas criadas pelas obras para pedreiro, servente e operador de máquina.

Somente após estas etapas é que o governo estadual pretende realizar uma solenidade oficial de lançamento das obras, ainda sem data definida.

O prazo para a conclusão das obras é de 32 meses a partir da contratação. Portanto, a previsão é que isso aconteça em outubro de 2024.

 

FONTE: https://cbncuritiba.com.br/materias/previstas-para-inicio-apos-o-carnaval-obras-na-orla-de-matinhos-devem-demorar-mais-30-dias-para-comecar/


Terminal Portuario Paracas: Se inició la temporada de cruceros

Juan Mendoza Uribe, alcalde de Pisco, y Maribel De la Cruz, alcaldesa de San Andrés, presenciaron la llegada del segundo crucero y dieron la bienvenida a los turistas.

Business Empresarial.- Terminal Portuario Paracas (TPParacas), concesionario del puerto General San Martin en Pisco, informó el inicio de la temporada de cruceros para el periodo 2019-2020. MS Zaandam, propiedad de la Holland American Line, con una eslora de 238 metros y  una manga de 32 metros, recaló el día de ayer en el puerto, trasladando a más de 2000 personas, proveniente del Puerto del Callao y con destino a Coquimbo, en Chile. Se trata de la segunda nave de la temporada; Le Soleal- embarcación de bandera francesa- fue el primer crucero en arribar, con 124 pasajeros.

Durante los meses de octubre 2019 a abril 2020, se estima que llegarán 29 cruceros, lo que representa un incremento de más del 100% respecto al año 2018 – 2019. Este tipo de embarcaciones turísticas generarán en promedio un flujo de 18000 pasajeros, lo que permitirá seguir dinamizando el turismo del distrito de Paracas y de la región.

Juan Mendoza Uribe, alcalde de Pisco, y Maribel De la Cruz, alcaldesa de San Andrés, presenciaron la llegada del segundo crucero y dieron la bienvenida a los turistas. Asimismo, realizaron un recorrido por los stands de los artesanos locales.

“Trabajamos en conjunto con la comunidad para brindar a los turistas una experiencia de bienvenida, con un espectáculo de danzas típicas y una feria de artesanías. Los artesanos del distrito de Paracas tienen acceso gratuito al terminal, en donde ofrecen sus productos a los visitantes, para lo cual se viene realizando un proceso de empadronamiento”, señaló Freddy Pareja, gerente Socioambiental de TPParacas.

Gracias a las visitas turísticas en la reserva nacional, varios sectores de la población se benefician con el consumo de la oferta de servicios que Paracas ofrece. Así, se pueden encontrar tours por las Islas Ballestas, paseos por las dunas, avistamiento de aves, rutas gastronómicas, compra de artesanías, entre otros. Paracas se ha convertido en un punto importante del turismo nacional, dinamizando la economía local.

Cabe resaltar que TPParacas viene implementando un programa de apoyo al desarrollo turístico de la zona. A través del programa “Potenciando Mypes en el chaco – Paracas”, se han realizado capacitaciones orientadas a la mejora del servicio turístico en micro y pequeñas empresas de la zona.

La modernización del puerto general de san Martín, con una inversión de más de 300 millones de dólares, ha permitirá que buques más grandes puedan recalar en Paracas, generando un mayor dinamismo comercial en la zona e impacto positivo del turismo.

FONTE: https://www.businessempresarial.com.pe/terminal-portuario-paracas-se-inicio-la-temporada-de-cruceros/


Orla de Matinhos terá projeto executado por 7 empresas; veja as vencedoras da licitação

Foram confirmadas na quinta-feira (4) as empresas vencedoras da licitação para executar o projeto de revitalização da orla de Matinhos. O Consórcio Sambaqui, formado pelas empresas Castilho, Tucumann, Jan de Nul, Codrasa, Dang, Serra da Prata e Soebe, foi oficializado como o vencedor do processo, e terá, a partir da assinatura da ordem de serviço, um prazo de 32 meses para concluir os trabalhos.

O consórcio ofereceu o menor preço para executar a obra: R$ 314,9 milhões, com um desconto de aproximadamente 17,5% em relação ao preço orçado pelo Instituto Água e Terra (IAT), que chegou a R$ 381,7 milhões.

O projeto de revitalização da Orla de Matinhos é alvo de denúncias do Ministério Público do Paraná (MPPR), que propôs ação civil pública e ação penal. O MPPR apontou irregularidades e falta de transparência nos processos de licenciamento ambiental e pediu a suspensão da licença, bem como do processo licitatório.

Detalhes do consórcio

Pela proposta enviada ao Instituto Água e Terra (IAT), às empresas Castilho, Tucumann, Codrasa, Dang, Serra da Prata e Soebe caberá os trabalhos de execução das estruturas marítimas semirrígidas e da construção dos canais de macrodrenagem e das redes de microdrenagem. Além disso, elas terão a responsabilidade de execução da revitalização urbanística da orla marítima e da pavimentação e recuperação das vias.

Já a empresa Jan de Nul será a única responsável pelo serviço de dragagem e bombeamento de material até a praia, além de também cuidar da supervisão e da coordenação do espalhamento da areia da praia. A remuneração para este serviço, segundo a proposta do consórcio, ainda será definida em um documento específico a ser elaborado pelas partes.

Quem são as empresas?

Castilho

A Castilho Engenharia e Empreendimentos S/A é uma empresa sediada em Curitiba e especializada em construções pesadas e serviços de engenharia. Fundada em 1958, a Castilho foi a escolhida como líder do consórcio. Em seu site oficial, a empresa contabiliza mais de 250 obras em todo o Brasil e também no Peru.

Entre seus clientes de obras anteriores, a Castilho apresenta nomes como Petrobrás, DNIT e Eletrobras/Eletrosul, além das prefeituras de Curitiba e Capanema. CCR Rodonorte e Cart-Concessionária Rio Teresópolis também figuram entre os clientes.

Tucumann

A Tucumann Engenharia e Empreendimentos Ltda. foi fundada em 1990 e é sediada em Curitiba. Especializada em obras de urbanização e construção marítima, a empresa cita em seu site oficial o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR) como um de seus principais clientes.

A empresa também cita parceria de sucesso com a concessionária Caminhos do Paraná, e os trabalhos executados no Lote 4 do Anel de Integração do Paraná – que corresponde aos trechos das BRs entre Balsa Nova e Guarapuava, Araucária e Lapa, Ponta Grossa e Prudentópolis e da PR entre Porto Amazonas e Lapa.

Jan de Nul

A Jan de Nul do Brasil Dragagem Ltda. é o braço brasileiro de uma empresa sediada na Bélgica cujas origens remontam ao ano de 1849. Especializada em serviços de dragagem, a Jan de Nul ostenta em seu site oficial mais de 140 projetos espalhados por todo o mundo. Um deles é a ilha artificial Palm Island II, onde foi construído um condomínio de luxo em Dubai – na obra foram movimentados mais de 200 milhões de metros cúbicos de areia.

Cinco desses projetos estão na América do Sul, nenhum deles no Brasil: a dragagem do canal de acesso ao porto de Guayaquil, no Equador; três obras na Argentina: a dragagem nos portos de Ushuaia e Quequén e a construção de um gasoduto em Veja Pleyade; e o Projeto Taurus, em Montevidéu, de construção de um novo terminal no porto da cidade – na ocasião, a empresa afirma ter movimentado 850 mil metros cúbicos de areia em menos de três meses.

Codrasa

Das empresas participantes do Consórcio Sambaqui, a Codrasa Construtora S/A é a que tem menos informações disponíveis publicamente. Em sua ficha de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, não há outros dados disponíveis além do ano de fundação, 2005, e do endereço da sede, no bairro de Pinheiros, em São Paulo.

O site oficial traz apenas o nome da empresa, e o e-mail de contato de seu responsável junto ao consórcio está registrado em um domínio de outra construtora, cujo site traz os mesmos dados fiscais da Codrasa. Não há também dados adicionais de contratos, de linhas de fornecimento e de outras licitaçõesdisputadas pela empresa no site oficial de compras do governo federal. A empresa não respondeu à tentativa de contato da reportagem.

Dang

A Dang Construtora de Obras Ltda. é outra empresa do consórcio sediada em Curitiba. Fundada em 1999, a Dang também é especializada em obras marítimas e de contenção. Entre as obras em execução em destaque em seu site oficial estão a elaboração do projeto executivo e a execução das obras de ampliação do aterro da faixa de pista de pouso e decolagem do aeroporto de Foz do Iguaçu.

Entre as obras já realizadas estão a contenção dos rios Bacacheri Mirim e a drenagem, perfilamento e implantação de galerias na bacia do Rio Pilarzinho, em Curitiba. Ainda há registros de serviços de revestimento de canal do Rio Jaguaribe, em Salvador; e a construção de barramento no Córrego Tanque Velho, em Ferraz de Vanconcelos, em São Paulo.

Serra da Prata

A Construtora Serra da Prata Ltda. é sediada em Paranaguá e foi fundada em 1990. Entre as especialidades da empresa está a construção de pontes e terraplenagem. Em seu site, a Serra da Prata destaca obras executadas em Santa Catarina, Bahia, Alagoas e Maranhão, além de ações nos portos de Antonina e Paranaguá.

Soebe

A Soebe Construção e Pavimentação S.A. é uma empresa paulista fundada em 1973 e sediada no bairro do Jaraguá, em São Paulo. Em seu site, a Soabe informa que oferece os serviços de terraplenagem, pavimentação, drenagem, saneamento, canalização, pontes e viadutos e obras civis.

Em suas redes sociais, a empresa destaca a atuação em obras como o recape em um trecho da Marginal Pinheiros, uma das vias mais movimentadas da capital paulista. Há também a citação à participação em um consórcio com o Departamento de Águas e Energia Elétrica do estado de São Paulo (DAEE), que prevê serviços de operação de reservatórios de retenção de cheias, manutenção e limpeza nas bacias hidrográficas do alto do Tamanduateí, Pirajuçara e Ribeirão Vermelho.


Pisco, con su Segundo Buque Más Grande

Hace dos días arribó al iqueño puerto de Pisco el Maersk Virginia, buque portacontenedores de 292 metros de eslora y 32 de manga.

No es el más grande llegado allí, pues ese record lo tiene (ver aquí) el Valiant, de 300 de largo y 48 de ancho, llegado en marzo del año 2021.

Pero es importante saber que el puerto sureño comienza a recibir naves de buen tamaño, a las que por ahora atiende con sus dos versátiles grúas móviles, y próximamente podrá atender mejor con la grúa pórtico de muelle (para 24 filas de contenedores) que tiene prevista.

Luego de efectuar allí su carga y descarga, el buque partió rumbo a Paita, otro puerto nacional que ya recibe (con una regularidad -mucho mayor) embarcaciones de muy respetables dimensiones.

 

FONTE: http://desarrolloperuano.blogspot.com/2022/03/pisco-con-su-segundo-buque-mas-grande.html


Solidariedade S/A: Empresas da comunidade portuária doam R$ 2,5 milhões para o Hospital Regional do Litoral

Um grupo de 30 empresas da comunidade portuária do Paraná se uniu e doou R$ 2,5 milhões para equipar o Hospital Regional de Paranaguá, no litoral do do estado.

O grupo inclui companhias privadas, sindicatos patronais e cooperativas

Cerca de R$ 1,3 milhão já foram aplicados no pagamento de serviços e na compra de aparelhos e suprimentos, como oxigênio para a ala de pacientes com a Covid-19.

Fernando Fiorucci, porta-voz da comunidade portuária, destacou a importância da iniciativa das empresas.

"Acho que é uma forma das empresas se mostrarem responsáveis nas sociedades onde eles atuam e valorizando o que a gente mais importa, que é a vida, vida do cidadão, a nossa vida, que é o maior valor", comentou.

Veja, abaixo, a lista das empresas participantes das doações para o hospital de Paranaguá:

  • Bunge Alimentos S/A
  • Cargill Agrícola S/A
  • Cattalini Terminais Marítimos S/A
  • Cimbessul S/A
  • Centro Sul Serviços Marítimos LTDA
  • Copadubo de Transportes e Logística S/A
  • Coperativa de Transportes de Cargas e Anexos LTDA
  • Sindicato da Indústria e Adubos e Corretivos Agrícolas no Estado do Paraná
  • Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de bens de Paranaguá
  • Cotriguaçu Cooperativa Central
  • Fertipar Fertilizantes do Paraná LTDA
  • Fortesolo Serviços Integrados
  • Fospar
  • Gransol Granéis Sólidos LTDA
  • Harbor Operadora Portuária LTDA
  • Interalli/CBL
  • Klabin
  • Marcon
  • Mosaic Fertilizantes
  • Multitrans Transportes e Armazéns Gerais LTDA
  • OGMO – Órgão de Gestão de Mão de Obra do Trabalhador Portuário e Avulso do Porto Organizado de Paranaguá
  • PASA – Paraná Operações Portuárias S/A
  • Sindicato dos Práticos dos Portos e Terminais Marítimos do Estado do Paraná
  • Rocha Terminais Portuários e Logística S/A
  • Rumo Logística
  • Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado do Paraná (SINDAPAR)
  • Sindicato dos Operadores Portuários do Estado do Paraná (SINDOP)
  • TCP
  • Terin
  • Tibagi Serviços Marítimos Eireli

Ajuda em Foz do Iguaçu

Na região oeste do estado, o Grupo Cataratas, fundado há 21 anos, administra o Parque Nacional do Iguaçu e o Marco das Três Fronteiras, em Foz do Iguaçu.

A empresa doou R$ 400 mil para a compra de alimentos e cestas básicas destinadas a trabalhadores informais, como guias de turismo autônomos, que ficaram sem atividade neste período de isolamento social, e também a famílias em situação de vulnerabilidade social na cidade.

"Nós precisamos, neste momento, de humanidade, de solidariedade e de união. O momento não é de olhar para si, mas de olhar para o lado e ver quem está precisando e estender a mão", ressalta Adélio Demeterko, diretor da Cataratas S/A.

FONTE: https://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2020/04/30/solidariedade-sa-empresas-da-comunidade-portuaria-doam-r-25-milhoes-para-o-hospital-regional-do-litoral.ghtml


Maltaria recruta mais de 400 trabalhadores

Das 545 vagas abertas para a construção da Maltaria Campos Gerais, em Ponta Grossa, mais de 400 delas já foram preenchidas. A informação foi confirmada pela Agência do Trabalhador de Ponta Grossa, que realizou a oferta das vagas e a captação dos candidatos. A construtora já fez a seleção desses candidatos, resultando no preenchimento de cerca de 80% das vagas ofertadas. Entre os trabalhadores que procuraram a Agência em busca dessas oportunidades, também cerca de 80% foram recrutados pela empresa. Agora, dentro das próximas semanas, novas oportunidades serão ofertadas na cidade. O início das obras está previsto para o próximo mês.

De acordo com Nilton Bahls, diretor da Agência do Trabalhador de Ponta Grossa, há o avanço nos trâmites para a contratação desses trabalhadores. “Eles já foram selecionados e estão indo para a fase final para a contratação, que são a realização dos exames e a entrega dos documentos necessários, para que, nas primeiras semanas de março, eles já estejam realizando as atividades”, explicou o representante da secretaria municipal de Indústria, Comércio e Qualificação Profissional. Entre as vagas ofertadas estiveram serventes de obras, pedreiro, carpinteiro, armador, montador de andaimes, mestre de obras e motorista de ônibus.

Contudo, essas oportunidades são apenas para o arrancar das obras, e dentro das próximas semanas, novas vagas serão disponibilizadas, explica Bahls. “No começo de março teremos mais vagas, conforme o início e o avançar das obras. Então serão anunciadas, para as próximas semanas, novas vagas da construtora, a qual está responsável por construir a maltaria em Ponta Grossa”, ressaltou.

O objetivo é que as obras da maltaria sejam realizadas em cerca de 18 meses, com previsão de inauguração, da primeira fase de investimento, para setembro de 2023, para a inauguração no aniversário de 200 anos da cidade de Ponta Grossa, no dia 15 de setembro de 2023. Neste primeiro momento, o investimento estimado é superior a R$ 1 bilhão, podendo chegar nos R$ 3 bilhões, com a execução da segunda fase das obras, quando poderá se tornar a maior maltaria da América Latina.

Projeto é do intercooperativismo

A indústria de processamento de malte de cevada será construída às margens da PR-151, ao lado da Unidade de Beneficiamento de Leite (UBL) da Unium, nas proximidades da divisa com o município de Carambeí. O projeto é o fruto da intercooperação das cooperativas Agrária (Guarapuava), Bom Jesus (Lapa), Capal (Arapoti), Castrolanda (Castro), Coopagrícola (Ponta Grossa) e a Frísia (Carambeí). Na primeira etapa, a previsão é que a planta produza 240 toneladas de malte ao ano, cerca de 15% do volume do consumo atual do país.

 

FONTE: https://d.arede.info/ponta-grossa/412501/maltaria-recruta-mais-de-400-trabalhadores


Obras de maltaria em PG terão início em março

Maltaria Campos Gerais abre 545 vagas de trabalho para a construção civil. Previsão de conclusão é setembro de 2023

As obras da Maltaria Campos Gerais, em Ponta Grossa, começarão a ser movimentadas dentro das próximas semanas. A construtora responsável pela obra começará a disponibilizar vagas de emprego, no setor da construção civil, a partir da próxima semana em Ponta Grossa. Neste primeiro momento, haverá a contratação de 545 profissionais, e o recrutamento será realizado através da Agência do Trabalhador do município. As obras estão previstas para serem iniciadas em março, com previsão de conclusão para o mês de setembro de 2023 – a meta é inaugurar a primeira fase da maltaria no aniversário de 200 anos da cidade. O investimento total no empreendimento pode chegar a R$ 3 bilhões.

A Agência do Trabalhador já prepara um atendimento especial frente a isso, mas estará separando as seleções e limitando a quantidade de pessoas atendidas por dia, para evitar aglomerações neste momento de explosões de casos de covid. O secretário José Loureiro Neto relata que a seleção das vagas do setor da construção civil ocorrerá de forma fracionada por funções e por dias da semana. De segunda a quarta-feira (31/01 a 02/02) serão selecionadas, na sede da Agência do Trabalhador, as vagas para serventes de obra, para ambos os gêneros. “Trabalharemos no sistema de senhas limitadas a 300 pessoas por dia e todos os interessados nas vagas serão atendidos. Se necessário, aumentaremos os dias para cadastramento. Respeitaremos as medidas de saúde para o combate à covid-19, como o distanciamento entre as pessoas, o uso de máscara e álcool em gel”, destaca Loureiro.

Segundo informou o diretor da Agência do Trabalhador, Nilton Bahls, para estes três dias serão disponibilizadas 300 vagas para serventes de obras. “Depois, estaremos abrindo para as demais vagas na área da construção civil, nos próximos dias”, reforçou. Os trabalhadores selecionados deverão começar a trabalhar nas obras no início de março, logo após o Carnaval. Até lá, deverão ser realizadas as obras de terraplanagem no terreno, localizada às margens da PR-151, ao lado da Unidade de Beneficiamento de Leite da Unium, nas proximidades da fábrica da DAF. O investimento será executado pelas cooperativas Agrária, Frísia, Castrolanda, Capal, Bom Jesus e Coopagrícola, e, quando pronta, a fábrica estará apta para produzir 240 toneladas de malte por ano.

Prefeita exalta o aquecimento da economia municipal

Além desses postos de trabalho da maltaria, a Agência do Trabalhador está ofertando outras centenas de vagas para a próxima semana, totalizando mais de mil oportunidades de emprego. “Nesta segunda, o trabalho será redobrado: montamos uma equipe especial para atender estas mais de mil vagas. É um fato inédito para a Agência”, disse Bahls. Para a prefeita Elizabeth Schmidt estes números demonstram que o momento econômico de Ponta Grossa está em evolução mesmo em tempos duros de pandemia. “Este recorde é reflexo deste cenário diferenciado que vivemos, diferente de outras cidades do Paraná e do Brasil. Somos referência no interior do Paraná em recolhimento de ICMS, o que demonstra que a cidade está produzindo, empregando e gerando riquezas, mesmo com todas as dificuldades. Damos as boas-vindas para a Maltaria Campos Gerais que alavancou, já no início do ano, a oferta de trabalho em Ponta Grossa”, frisou. Entre essas oportunidades estão 355 vagas para diversas áreas, 30 vagas para o setor de produção, com disponibilidade de viagem e 75 vagas de estágio para cursistas de ensino técnico e ensino superior.

 

FONTE: https://d.arede.info/ponta-grossa/409911/obras-de-maltaria-em-pg-terao-inicio-em-marco


Estado entrega licença ambiental para primeira fase de construção da Maltaria Campos Gerais

O Governo do Estado entregou nesta sexta-feira (7) a licença ambiental de instalação para a primeira fase de construção da Maltaria Campos Gerais, durante a inauguração do Centro de Eventos da Cooperativa Agrária Agroindustrial, em Guarapuava, no Centro-Sul do Estado. O documento foi entregue ao presidente da cooperativa, Jorge Karl, pelo secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, representando o governador Carlos Massa Ratinho Junior — que não pôde comparecer por conta do diagnóstico de Covid-19.

O empreendimento será construído em um terreno de 395 mil metros quadrados, localizado no km 318 da PR-151, na cidade de Ponta Grossa (Campos Gerais), e o investimento estimado é de R$ 1,5 bilhão. “Quero entregar a licença de instalação para as novas estruturas que estão sendo montadas na Maltaria e agora a equipe do IAT entregará a futura licença em tempo recorde”, comemorou Sandro Alex.

A licença contempla uma série de requisitos exigidos para empreendimentos de grande porte, como plano de controle ambiental, outorga de lançamento e captação, entre outras exigências. “A elaboração da licença ambiental seguiu todos os ritos necessários e contempla a segurança técnica e jurídica para a instalação de empreendimentos de grande porte”, lembrou o diretor-presidente do Instituto Água e Terra (IAT), Everton Souza.

O documento é válido para a obra como um todo, já que, além da Agrária, o projeto de intercooperação reúne as cooperativas Bom Jesus (Lapa), Capal (Arapoti), Castrolanda (Castro), Coopagrícola (Ponta Grossa) e a Frísia (Carambeí). Na primeira etapa, a previsão é que a planta produza 240 toneladas de malte por ano, cerca de 15% do volume do consumo atual do País.

ETAPAS – A construção da maltaria será feita em duas etapas. A previsão é que a primeira fase seja concluída até 2028, e a segunda parte dos investimentos finalize em 2032. O empreendimento deve gerar cerca de 3 mil empregos diretos e indiretos, além de beneficiar aproximadamente 12 mil cooperados das seis entidades. As cooperativas envolvidas no projeto passaram a receber o acompanhamento dos técnicos da Invest Paraná para a concretização do investimento.

PRESENÇAS – Participaram do evento o prefeito de Guarapuava, Celso Góes; o vice-prefeito Samuel Ribas de Abreu; o secretário estadual do Planejamento, Valdemar Jorge; o diretor-presidente do IDR-Paraná, Natalino Avance de Souza; o presidente em exercício da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Manoel Luiz de Azevedo; a deputada federal Aline Sleutjes; o deputado federal Reinhold Stephanes Junior; os deputados estaduais Artagão de Mattos Leão e Cristina Silvestri; a gerente-geral da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Tânia Zanella; e demais autoridades, entre outras autoridades.

 

FONTE: https://www.aen.pr.gov.br/Noticia/Estado-entrega-licenca-ambiental-para-primeira-fase-de-construcao-da-Maltaria-Campos-Gerais


Ribas do Rio Pardo é o município campeão na geração de empregos em MS; confira o ranking

A geração de empregos formais — aqueles com carteira assinada — tem colocado o município de Ribas do Rio Pardo em destaque em Mato Grosso do Sul. Pelo critério tradicional, que leva em conta a diferença entre o número de admitidos e o de desligados, o município está em 5º lugar, atrás de Campo Grande, Dourados, Três Lagoas em Corumbá, mas já ultrapassou Ponta Porã.

Uma análise com os números do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho) com outros fatores que compõem esse conjunto de informações, coloca Ribas do Rio Pardo em primeiro lugar. Isso porque o município tem a maior Variação Relativa (VR) do Estado, com 25,29%. A VR toma como referência o estoque de empregos do mês atual e compara com o mesmo mês do ano anterior. Como a análise foi feita em cima dos doze meses de 2021 e 2020, Ribas do Rio Pardo tem estoque, que, neste caso, é a quantidade de vínculos celetistas ativos, ou seja, outros trabalhadores que já estão com a carteira de trabalho assinada, levando-se em consideração o tamanho da população.

Em uma análise quantitativa, os dez maiores municípios de Mato Grosso do Sul em termos de geração de empregos pelo saldo acumulado — diferença entre contratações e demissões — de 2021 são: Campo Grande, com 13.369 empregos formais, seguido por Dourados (4.038), Três Lagoas (2.590), Corumbá (1.767), Ribas do Rio Pardo (1.215), Ponta Porã (1.189), Aparecida do Taboado (902), Maracaju (754), Rio Brilhante (638) e Naviraí (631).

Partindo para a Variação Relativa, o estoque de empregos com carteira assinada e o tamanho da população atual, o ranking de Mato Grosso do Sul muda completamente. Neste caso, Ribas do Rio Pardo aparece em primeiro lugar com uma VR de 25,29% e um estoque de empregos celetistas de 6.019, seguido por Selvíria (18,76% e 1.779); Terenos (17,64% e 3.121); Tacuru (14,31% e 607); Antônio João (13,92% e 761); Bodoquena (13,39% e 991); Taquarussu (13,28% e 290); Água Clara (13,08% e 5.127); Aparecida do Taboado (12,97% e 7.856) e Douradinha (12,53% e 458).

A celulose que vem transformando Ribas do Rio Pardo

O prefeito de Ribas do Rio Pardo, João Alfredo Danieze, destacou que esses números vêm da instalação de uma fábrica de celulose. O investimento é da Suzano, por meio do Projeto Cerrado, que vai exigir uma soma de recursos na ordem de R$ 14,7 bilhões. “É um projeto de grande magnitude que se iniciou em maio de 2021. Hoje, são 2.500 trabalhadores na construção da fábrica. Em julho serão 5 mil. Há dois canteiros de obras: uma na fábrica e outro na cidade. Em fevereiro de 2023, serão 10 mil trabalhadores. Nos próximos cinco anos, a cidade vai precisar de 5 mil trabalhadores na construção civil e em 2026 Ribas do Rio Pardo terá 12 mil novos habitantes”, detalhou o prefeito João Alfredo Danieze, que reconheceu a falta de mão de obra qualificada e que o município vive um problema de especulação imobiliária.

FONTE: https://midiamax.uol.com.br/cotidiano/economia/2022/ribas-do-rio-pardo-e-o-municipio-campeao-na-geracao-de-empregos-em-ms


Orla de Matinhos terá projeto executado por 7 empresas; veja as vencedoras da licitação

Foram confirmadas na quinta-feira (4) as empresas vencedoras da licitação para executar o projeto de revitalização da orla de Matinhos. O Consórcio Sambaqui, formado pelas empresas Castilho, Tucumann, Jan de Nul, Codrasa, Dang, Serra da Prata e Soebe, foi oficializado como o vencedor do processo, e terá, a partir da assinatura da ordem de serviço, um prazo de 32 meses para concluir os trabalhos.

O consórcio ofereceu o menor preço para executar a obra: R$ 314,9 milhões, com um desconto de aproximadamente 17,5% em relação ao preço orçado pelo Instituto Água e Terra (IAT), que chegou a R$ 381,7 milhões.

O projeto de revitalização da Orla de Matinhos é alvo de denúncias do Ministério Público do Paraná (MPPR), que propôs ação civil pública e ação penal. O MPPR apontou irregularidades e falta de transparência nos processos de licenciamento ambiental e pediu a suspensão da licença, bem como do processo licitatório.

Detalhes do consórcio

Pela proposta enviada ao Instituto Água e Terra (IAT), às empresas Castilho, Tucumann, Codrasa, Dang, Serra da Prata e Soebe caberá os trabalhos de execução das estruturas marítimas semirrígidas e da construção dos canais de macrodrenagem e das redes de microdrenagem. Além disso, elas terão a responsabilidade de execução da revitalização urbanística da orla marítima e da pavimentação e recuperação das vias.

Já a empresa Jan de Nul será a única responsável pelo serviço de dragagem e bombeamento de material até a praia, além de também cuidar da supervisão e da coordenação do espalhamento da areia da praia. A remuneração para este serviço, segundo a proposta do consórcio, ainda será definida em um documento específico a ser elaborado pelas partes.

Quem são as empresas?

Castilho

A Castilho Engenharia e Empreendimentos S/A é uma empresa sediada em Curitiba e especializada em construções pesadas e serviços de engenharia. Fundada em 1958, a Castilho foi a escolhida como líder do consórcio. Em seu site oficial, a empresa contabiliza mais de 250 obras em todo o Brasil e também no Peru.

Entre seus clientes de obras anteriores, a Castilho apresenta nomes como Petrobrás, DNIT e Eletrobras/Eletrosul, além das prefeituras de Curitiba e Capanema. CCR Rodonorte e Cart-Concessionária Rio Teresópolis também figuram entre os clientes.

Tucumann

A Tucumann Engenharia e Empreendimentos Ltda. foi fundada em 1990 e é sediada em Curitiba. Especializada em obras de urbanização e construção marítima, a empresa cita em seu site oficial o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR) como um de seus principais clientes.

A empresa também cita parceria de sucesso com a concessionária Caminhos do Paraná, e os trabalhos executados no Lote 4 do Anel de Integração do Paraná – que corresponde aos trechos das BRs entre Balsa Nova e Guarapuava, Araucária e Lapa, Ponta Grossa e Prudentópolis e da PR entre Porto Amazonas e Lapa.

Jan de Nul

A Jan de Nul do Brasil Dragagem Ltda. é o braço brasileiro de uma empresa sediada na Bélgica cujas origens remontam ao ano de 1849. Especializada em serviços de dragagem, a Jan de Nul ostenta em seu site oficial mais de 140 projetos espalhados por todo o mundo. Um deles é a ilha artificial Palm Island II, onde foi construído um condomínio de luxo em Dubai – na obra foram movimentados mais de 200 milhões de metros cúbicos de areia.

Cinco desses projetos estão na América do Sul, nenhum deles no Brasil: a dragagem do canal de acesso ao porto de Guayaquil, no Equador; três obras na Argentina: a dragagem nos portos de Ushuaia e Quequén e a construção de um gasoduto em Veja Pleyade; e o Projeto Taurus, em Montevidéu, de construção de um novo terminal no porto da cidade – na ocasião, a empresa afirma ter movimentado 850 mil metros cúbicos de areia em menos de três meses.

Codrasa

Das empresas participantes do Consórcio Sambaqui, a Codrasa Construtora S/A é a que tem menos informações disponíveis publicamente. Em sua ficha de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, não há outros dados disponíveis além do ano de fundação, 2005, e do endereço da sede, no bairro de Pinheiros, em São Paulo.

O site oficial traz apenas o nome da empresa, e o e-mail de contato de seu responsável junto ao consórcio está registrado em um domínio de outra construtora, cujo site traz os mesmos dados fiscais da Codrasa. Não há também dados adicionais de contratos, de linhas de fornecimento e de outras licitaçõesdisputadas pela empresa no site oficial de compras do governo federal. A empresa não respondeu à tentativa de contato da reportagem.

Dang

A Dang Construtora de Obras Ltda. é outra empresa do consórcio sediada em Curitiba. Fundada em 1999, a Dang também é especializada em obras marítimas e de contenção. Entre as obras em execução em destaque em seu site oficial estão a elaboração do projeto executivo e a execução das obras de ampliação do aterro da faixa de pista de pouso e decolagem do aeroporto de Foz do Iguaçu.

Entre as obras já realizadas estão a contenção dos rios Bacacheri Mirim e a drenagem, perfilamento e implantação de galerias na bacia do Rio Pilarzinho, em Curitiba. Ainda há registros de serviços de revestimento de canal do Rio Jaguaribe, em Salvador; e a construção de barramento no Córrego Tanque Velho, em Ferraz de Vanconcelos, em São Paulo.

Serra da Prata

A Construtora Serra da Prata Ltda. é sediada em Paranaguá e foi fundada em 1990. Entre as especialidades da empresa está a construção de pontes e terraplenagem. Em seu site, a Serra da Prata destaca obras executadas em Santa Catarina, Bahia, Alagoas e Maranhão, além de ações nos portos de Antonina e Paranaguá.

Soebe

A Soebe Construção e Pavimentação S.A. é uma empresa paulista fundada em 1973 e sediada no bairro do Jaraguá, em São Paulo. Em seu site, a Soabe informa que oferece os serviços de terraplenagem, pavimentação, drenagem, saneamento, canalização, pontes e viadutos e obras civis.

Em suas redes sociais, a empresa destaca a atuação em obras como o recape em um trecho da Marginal Pinheiros, uma das vias mais movimentadas da capital paulista. Há também a citação à participação em um consórcio com o Departamento de Águas e Energia Elétrica do estado de São Paulo (DAEE), que prevê serviços de operação de reservatórios de retenção de cheias, manutenção e limpeza nas bacias hidrográficas do alto do Tamanduateí, Pirajuçara e Ribeirão Vermelho.

FONTE: https://tribunapr.uol.com.br/noticias/parana/orla-de-matinhos-tera-projeto-feito-por-sete-empresas-veja-as-vencedoras-da-licitacao/


Obras da engorda de Matinhos começam após o Carnaval, informa consórcio responsável

A obra de engorda na orla de Matinhos cidade foi pauta de duas reuniões que aconteceram nesta quarta-feira (23) no gabinete provisório do prefeito Zé da Ecler. Primeiramente, o prefeito recebeu os representantes da empresa Jan de Nul, que será responsável pela dragagem na orla. Entre os que foram até o gabinete, estava o diretor da empresa, o belga Dieter Dupuis.

Na sequência, o prefeito esteve com os representantes do Consórcio Sambaqui –  formado pelas empresas Castilho, Codrasa, Tucumann, Jan de Nul, Dang, Serra da Prata e Soebe –, que irá tocar as obras, e do Instituto Água e Terra, órgão do Governo Estadual que realizou a licitação.

Nos encontros, foram tratados do início dos trabalhos e os locais utilizados para a armazenagem de equipamentos.

A obra começa logo após o Carnaval, partindo dos balneários até chegar ao Centro. Isso porque, conforme explicaram os representantes do comércio, são necessários três quilômetros para a extensão dos tubos que serão usados. O material vem de Santa Catarina e do Espírito Santo e será armazenado no balneário Flórida e na região da rotatória da avenida Curitiba.

Uma parte do antigo Fetiep, onde funciona a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, será cedida para a instalação do escritório do Consórcio Sambaqui.

Durante a conversa com o prefeito Zé da Ecler, o gerente do consórcio, Elvio Torres, afirmou que o serviço na orla vai gerar pelo menos 350 empregos diretos – e por volta de 1.400 empregos indiretos. O prefeito Zé da Ecler reforçou a importância da utilização de mão de obra matinhense nos trabalhos. Ainda segundo Zé, a Administração Municipal se prontifica a ajudar no que for possível para o andamento da obra.

Como será a obra

De acordo com o Governo do Estado, as obras de recuperação da orla de Matinhos preveem investimentos de mais de R$ 500 milhões. Serão duas etapas, com a primeira fechada em quase R$ 315 milhões. Segundo o IAT, o objetivo da obra é minimizar os impactos gerados pela combinação do desequilíbrio de sedimentos, ocupações mal planejadas e as ressacas.

O Consórcio Sambaqui deve realizar serviços de engorda da faixa de areia por meio de aterro hidráulico; estruturas marítimas semirrígidas; canais de macrodrenagem e redes de microdrenagem; e revitalização urbanística da orla marítima com o plantio de árvores nativas. Também serão realizadas melhorias na pavimentação asfáltica e a recuperação de vias.

Nos primeiros 6,3 quilômetros, do balneário Flórida até a Avenida Paraná, serão instalados ainda dois guias correntes, dois headlands e um espigão.

Em uma segunda etapa, será recuperado trecho de 1,7 quilômetro entre os balneários Flórida e Saint Etienne. Também serão instalados novos equipamentos urbanos: ciclovia, pista de caminhada e corrida, pista de acessibilidade e calçada.

Presenças – Ainda estiveram no gabinete do prefeito nesta quarta para falar sobre a orla o diretor de Saneamento e Recursos Hídricos do IAT, José Luiz Scroccaro; e o gerente de Saneamento do instituto, Carlos Roberto Galerani. Pela gestão municipal, estavam a primeira-dama, Regina Viana; o chefe de Gabinete, Carlos Valderi; o secretário de Meio Ambiente, Ari Nomax; e o diretor da Secretaria de Obras e Planejamento Urbano, Maurício Piazzetta.

Representando o Legislativo, estavam os vereadores Nando (Pode) e Lucas Pesco (PSC). A reunião também foi acompanhada pelo empresário Luciano Chamano.

 

FONTE: https://www.correiodolitoral.com/48612/noticias/reportagem/obras-da-engorda-de-matinhos-comecam-apos-o-carnaval-informa-consorcio-responsavel/


Heineken estuda cidades para receber sua fábrica de R$ 1,8 bilhão no Brasil

Cidades mineiras candidatas para receber a primeira fábrica da Heineken construída no Brasil estão sendo avaliadas pela holandesa

Editado em 21/02/2022
A Heineken, segundo maior grupo cervejeiro presente no Brasil, está evoluindo nas análises de qual cidade mineira irá receber sua nova fábrica no Brasil, a primeira construída pela gigante no país.

A multinacional desmentiu que anunciará um lista mais restrita dos municípios que estariam numa na reta final da disputa. O local da fábrica em Minas deverá ser decidido até o final de abril, de acordo com a empresa.

A corrida para receber a nova fábrica da Heineken tem sido acirrada no último mês com mais de 200 cidades mineiras se candidatando para receber o projeto que contará com aporte de cerca de 1,8 bilhão de reais da multinacional.

Todo este movimento ocorreu após a desistência da Heineken no início deste ano de um projeto de fábrica na cidade de Pedro Leopoldo, na região metropolitana de Belo Horizonte, devido a problemas de viabilidade ambiental. A Heineken, porém, manteve o compromisso de permanecer com o investimento dentro do estado de Minas Gerais.

De acordo com o jornal O Tempo, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, externou sua preferência de que a cidade escolhida fosse a de Uberaba, que já possui a fábrica de uma gigante do mercado nacional em seu município. Porém o governante reiterou que a decisão da empresa será estritamente técnica.

Segundo fontes, a Heineken exige três fatores para instalar sua fábrica em Minas Gerais. O terreno para instalação necessita ter ao menos 50 hectares, ser plano e ter água corrente para a produção da cerveja e de preferência pertencer a iniciativa privada. Facilidade logística para distribuição é também um ponto importante para a tomada de decisão.

A fábrica será o primeiro investimento na construção de uma unidade de produção no Brasil da holandesa. Todas as cervejarias da Heineken presentes no país são oriundas de sua série de aquisições implementadas no mercado nacional, onde a mais importante foi a compra da Brasil Kirin em 2017. Atualmente, o Brasil é o maior mercado do mundo da Heineken.

Disputa das cidades por fábrica em Minas Gerais da Heineken tem alguns destaques

Entre as cidades que estão no páreo para receber o projeto estão Juiz de Fora, cidade-polo da Zona da Mata, as cidades históricas Mariana e Ouro Preto, Pirapora, situada às margens Rio São Francisco, na região norte de Minas e Frutal, Patrocínio e Uberaba, no Triângulo mineiro.

De acordo com o jornal O Tempo, a cidade de Ouro Preto, por exemplo, levantou diversas áreas com potencial para apresentar à cervejaria que se adequam as exigências realizadas pela empresa e, além disso, expôs um plano de marketing com o turismo da cidade.

O jornal mineiro mencionou ainda o retorno da cidade de Pedro Leopoldo a disputa, dentre os encontros que têm acontecido dentro da corrida da cidade para receber a instalação da fábrica.

A nova cervejaria deverá contar com capacidade de produção de 760 milhões de litros por ano e ajudará a compor o volume destinado a vendas crescentes no sudeste dentro do portfólio da Heineken.

 

FONTE: https://catalisi.com.br/heineken-cidades-finalistas-para-receber-sua-fabrica-minas/


Heineken vai anunciar 'cidades finalistas' para sediar nova fábrica

Mais de 210 cidades mineiras entraram na disputa para abrigar a nova fábrica da Heineken, já que a empresa desistiu de instalar uma unidade de produção em Pedro Leopoldo, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), no fim do ano passado. Com a “corrida”,  criou-se muita expectativa para saber qual será o município escolhido para receber a nova instalação da cervejaria. O suspense está próximo do seu final.

Até o fim de fevereiro, a Heineken deverá anunciar o local escolhido em Minas Gerais para receber a nova fábrica, que terá investimentos de R$ 1,8 bilhão,  com uma produção prevista de 760 milhões de litros por ano, com capacidade para atender toda a região Sudeste. Embora mais de duas centenas de cidades tenham entrado na “corrida”, nos próximos 15 dias a lista deverá ficar menor, com os municípios classificados para a “reta final” da disputa pela indústria.

A informação foi divulgada nesta sexta-feira (28/01) pelo secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, em Montes Claros, no Norte de Minas, ao participar de um encontro com empresários do “Clube de Permuta” da cidade. Ele ministrou uma palestra sobre os investimentos em Minas Gerais e as medidas adotadas pelo Governo Estadual para atração de novos empreendimentos, principalmente no tocante à eliminação da burocracia e à agilização de licenças ambientais.
Passalio confirmou que mais de 210 cidades mineiras se candidataram para receber o novo empreendimento, lembrando também que a cervejaria fez o compromisso de manter o investimento no estado.
“Estamos auxiliando a empresa na captação de propostas e no envio delas para que a empresa possa ter a liberdade, dentro dos critérios técnicos por ela definidos, (de escolher) onde ela vai fazer (instalar) nova planta”, afirmou o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico. “O anúncio  deve ser feito até o fim de fevereiro”, revelou Passalio.
Entre as mais de 210 cidades que entraram no páreo da disputa pela nova planta da Heineken, estão municípios das diversas regiões mineiras, entre as quais Juiz de Fora, cidade-polo da Zona da Mata, as históricas Mariana e Ouro Preto (Região Central), Pirapora, situada às margens Rio São Francisco, no Norte de Minas; Santa Rita do Sapucaí, no Sul do estado; Frutal, Patrocínio e Uberaba, no Triângulo.
Mas quais são as cidades que mais têm chances de vencer a disputa pela nova indústria? Por enquanto, essa informação é guardada a sete chaves. Os  representantes do Governo do Estado evitam fazer qualquer divulgação ou comentário sobre quais municípios têm mais possibilidades de sediar a cervejaria. Eles alegam que o Governo Estadual apenas encaminhou as informações fornecidas pelos municípios interessados à Heineken, e que somente a empresa dará a palavra final sobre a escolha.
Por outro lado, o secretário Fernando Passalio deixou escapar que, dentro dos próximos 15 dias, deverá ser divulgada uma “lista menor dos municípios que estão na reta final”, após uma primeira triagem entre as mais de 210 cidades que entraram na corrida pelo empreendimento.
Passalio disse que a Heineken definiu alguns critérios para os municípios se candidatarem ao recebimento da nova fábrica de cerveja, entre os quais: disponibilidade de um terreno com área  mínima 150 hectares, “ter um rio próximo com uma vazão mínima que eles (a empresa) determinarem” e ainda aspectos relacionados à logística e à mão-de-obra. "São vários fatores que eles colocaram que vão servir e vão pesar na escolha”, afirmou o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico.

A Heineken anunciou a desistência da instalação da nova indústria em Pedro Leopoldo em dezembro, depois de enfrentar problemas de ordem ambiental. O projeto da cervejaria no município gerou polêmica, porque as instalações ficariam em uma região próxima ao sítio arqueológico onde foi encontrado o crânio de ‘Luzia’, mais antigo fóssil humano das Américas.
Ao  anunciar o cancelamento dos planos para Pedro Leopoldo, o diretor de Assuntos Corporativos do grupo no Brasil, Mauro Homem, garantiu que a empresa iria manter o projeto de uma nova planta em Minas Gerais.
FONTES: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2022/01/28/interna_gerais,1341093/heineken-vai-anunciar-cidades-finalistas-para-sediar-nova-fabrica.shtml

 


Projeto de lítio da Sigma avança no Jequitinhonha

As obras de implantação da unidade de produção e beneficiamento de lítio da Sigma Mineração, no Vale do Jequitinhonha, seguem a todo vapor. Cerca de R$ 650 milhões do montante de R$ 1,2 bilhão que compreende a primeira fase, já foram investidos na preparação da área, incluindo a terraplanagem que já está 67% concluída, a fundação e parte da compra de equipamentos. O restante (R$ 550 milhões) será destinado às obras civis, que terão início até meados de abril, bem como à finalização da compra e montagem dos equipamentos e abertura da mina para extração do minério.

As informações são da Co-CEO da Sigma, Ana Gardner. Segundo ela, o complexo, denominado Grota do Cirilo, que está sendo implantado em duas fases nos municípios de Itinga e Araçuaí, vai produzir 440 mil toneladas de concentrado de lítio grau bateria de alta pureza ao ano. A primeira etapa deverá entrar em operação até o fim de 2022 e a segunda, que deverá consumir mais R$ 1 bilhão em investimentos, em 2023.

“Trata-se da primeira unidade greentech do setor mineral no mundo, incluindo emissão mínima de gás carbônico. É um marco para a região do Vale do Jequitinhonha e para o mercado de baterias avançadas. A próxima fase de investimento avançará à medida em que o projeto for se desenvolvendo. Mas estamos falando de um segmento de alto valor agregado e que cresce 25% ao ano”, destaca.

Outra importante etapa do processo diz respeito ao embarque de concentrado de lítio para os clientes, uma vez que o material produzido pela companhia será praticamente todo exportado, já que não existem fabricantes nacionais de baterias de lítio, comumente usadas na fabricação de smartphones, tablets e veículos elétricos. Então, a empresa vai beneficiar quimicamente o lítio extraído em terras mineiras e repassar aos fabricantes de baterias – processo que é feito hoje, quase que totalmente, na Ásia.

Conforme Ana Gardner, a intenção é iniciar a comercialização também ainda em 2022. Para isso, o processo para obtenção da licença operacional, junto ao governo do Estado, já foi iniciado.

Contratos

Paralelamente, a Sigma segue trabalhando na parte comercial e financeira do complexo. Vale dizer que a produção da primeira fase já está toda contratada. Em junho de 2020, o DIÁRIO DO COMÉRCIO noticiou que a Sigma havia fechado contrato de US$ 27 milhões pela venda antecipada para a japonesa Mistui por cinco anos. Além disso, a companhia também já tem contrato firmado com a LG Energy – segundo maior produtor de baterias avançadas do mundo e fornece para Volkswagen, GM, Stellantis, Porsche e Audi.

Outro ponto destacado pela Co-CEO da Sigma é que a planta será a maior unidade tecnológica do mundo no setor mineral produtora de lítio com grau de bateria de alta pureza, recirculação de água em 100% e empilhamento a seco de 100% dos rejeitos. “A fábrica já nasce sustentável com valores da ESG, preocupação sustentável e ambiental, além de fornecer os insumos para as maiores fabricantes de baterias do mundo que ficam na Europa e nos Estados Unidos. Isso faz com que o Vale do Jequitinhonha tenha mais visibilidade e consiga mais investimentos para o setor”, conclui.

FONTES: https://diariodocomercio.com.br/economia/projeto-de-litio-da-sigma-avanca-no-jequitinhonha/


Sigma inicia construção de planta de produção

A Sigma Lithium Corporation iniciou a construção da fundação e a instalação de infraestrutura em sua planta de produção de separação em meio denso, em sua propriedade integral do projeto Grota do Cirilo. A empresa anunciou também que garantiu 38 itens críticos de longo prazo necessários para o projeto e os ordenou para os respectivos fornecedores, colocando-os em depósitos para preservá-los.

A conclusão dessa etapa das obras civis de construção está prevista para até três meses, quando a empresa brasileira de subconstrução Promon Engenharia Ltda. deverá ter concluído a terraplanagem e canais de drenagem da planta de concreto. Esta etapa segue com sucesso e mobilizou cerca de 180 trabalhadores no último mês. A fim de financiar a construção, a Sigma possui os fundos para atender aos requisitos de financiamento de capital sob sua proposta de empréstimo bancário de construção. A Companhia assinou termo de compromisso para dívida e project finance junto ao Banco de Fomento do Estado de Minas Gerais (BDMG) e um banco comercial. O fechamento dessas transações de dívida está pendente da conclusão da devida diligência habitual e documentação definitiva.

Calvyn Gardner, co-CEO da Sigma e engenheiro-chefe no local da construção, comentou que “este é um marco para a empresa, que inicia a construção da Planta de Produção, após a conclusão bem-sucedida das áreas de engenharia e design e a mobilização dos funcionários”.

A Fase 1 da Planta de Produção foi projetada para produzir até 220.000 toneladas por ano de concentrado de lítio de grau de bateria de 6% de alta pureza, equivalente a aproximadamente 33.000 toneladas por ano de carbonato de lítio equivalente (LCE). Ana Cabral-Gardner, co-CEO e principal diretora comercial, explicou: “Ao avançar o cronograma da Fase 1 de construção conforme planejado, a Sigma Lithium está em posição de entregar potencialmente grandes quantidades de lítio verde e sustentável de grau de bateria em uma conjuntura crítica de fornecimento para o mercado de lítio e a indústria de baterias”. A executiva continuou dizendo que a demanda do cliente está além das quantidades planejadas para serem produzidas pela Fase 1, conforme indicado pelo termo de compromisso com a LG Energy Solution, bem como pelo acordo da Sigma com a Mitsui. “Nosso prospecto final recém-aprovado e o registro relacionado irão fornecer à Sigma flexibilidade financeira para fazer ofertas de dívida ou ações de forma mais eficiente para financiar nossos planos de crescimento acelerado para atender à demanda significativa que a Sigma tem experimentado por seus produtores de lítio de classe de bateria verde e sustentável focados em sustentabilidade em suas cadeias de abastecimento”.

A Empresa concluiu uma avaliação econômica preliminar e atualmente está conduzindo um estudo de viabilidade preliminar para uma segunda fase de produção prospectiva contemplando a adição de uma linha de processamento com capacidade semelhante à Fase 1 com mais 220.000 toneladas por ano de Lítio bateria de Grau Verde e Sustentável. Se garantido e validado pelo estudo de viabilidade em andamento, a Sigma poderia potencialmente dobrar a capacidade total do Projeto para 440.000 toneladas por ano (66.000 toneladas por ano de LCE). O estudo de viabilidade preliminar está previsto para ser concluído no primeiro trimestre de 2022. Calvyn Gardner disse: “Ao atingir o marco de iniciar a construção, provamos as capacidades de nosso projeto altamente experiente e equipes técnicas para avançar significativamente as operações de uma planta de demonstração para uma planta comercial em grande escala”.

O Conselho de Administração da Sigma aprovou um total de US$ 9,4 milhões de construção a serem financiados inteiramente com a conta de poupança de construção da Empresa que tinha um saldo de US$ 23 milhões no início de dezembro. As aprovações incluem US$ 4,7 milhões para a Promon e sua subcontratada brasileira para a execução de obras civis de terraplanagem, movimentação para fundações, adaptação do terreno e drenagem protetora do canteiro de obras e da planta de produção. Outros US$ 1,5 milhão para Promon e Primero Group Ltd. para a continuidade de determinados serviços de engenharia relacionados à construção durante o primeiro trimestre de 2022 e outros US$ 3,5 milhões em depósitos não reembolsáveis para solicitar 38 itens de longo prazo, protegendo seus respectivos slots de fabricação. Esses itens de longo prazo incluem, entre outros: subestação HV (incluindo energia

transformadores, salas de distribuição de usinas, linha de transmissão; britadores (primário / secundário / terciário); transportadores; classificadores de refluxo; rejeitos de empilhamento a seco equipamentos ambientais (incluindo espessador de rejeitos, filtro de correia de rejeitos, empilhadeiras, estações de tratamento de água), ciclones, separadores magnéticos úmidos, sistema de controle hardware.

FONTE: https://www.brasilmineral.com.br/noticias/sigma-inicia-construcao-de-planta-de-producao


Movimiento de carga de puertos concesionados se incrementó en 18,6 %

Alrededor de 36,3 millones de toneladas de carga se movilizaron por los puertos concesionados a nivel nacional entre enero y agosto de este año, lo que representó un incremento de 18,6 % respecto del mismo período del 2020, según las estadísticas registradas por los concesionarios portuarios ante el Organismo Supervisor de la Inversión en Infraestructura de Transporte de Uso Público (Ositrán).
El Puerto del Callao concentró el mayor movimiento de la carga total a través de sus tres terminales: Terminal Norte Multipropósito (13,4 millones de TM), administrado por la empresa APM Terminals S. A.; Nuevo Terminal de Contenedores-Zona Sur (11,3 millones de TM), operado por DP World S. R. L.; y el Terminal de Embarque de Concentrados de Minerales (2 millones de TM), operado por Transportadora Callao S. A.
Por su parte, el Terminal Portuario de Matarani (Arequipa), operado por la empresa Terminal Internacional del Sur S. A., movilizó 4,2 millones de TM; el Terminal Portuario Multipropósito de Salaverry (La Libertad), operado por Salaverry Terminal Internacional S. A., 2,3 millones de TM; el Terminal Portuario de Paita (Piura), operado por Terminales Portuarios Euroandinos Paita S. A., 1,9 millones de TM; el Terminal Portuario General San Martín-Pisco (Ica), operado por Terminal Portuario Paracas S. A., 1,3 millones de TM; y el Nuevo Terminal Portuario de Yurimaguas-Nueva Reforma (Loreto), operado por Concesionaria Puerto Amazonas S. A., 12 475 TM.
En tanto el tráfico de contenedores en las infraestructuras portuarias concesionadas alcanzó 1,9 millones de TEU entre enero y agosto del presente año, equivalente a un aumento de 18,2 % en comparación al mismo período del 2020.
El mayor movimiento de contenedores correspondió al Nuevo Terminal de Contenedores-Zona Sur (1 millón de TEU), seguido por el Terminal Norte Multipropósito (642 736 TEU), el Terminal Portuario de Paita (192 453 TEU), Terminal Portuario General San Martín-Pisco (10 417 TEU), el Terminal Portuario de Matarani (8670 TEU), el Nuevo Terminal Portuario de Yurimaguas-Nueva Reforma (218 TEU) y el Terminal Portuario Multipropósito de Salaverry (22 TEU).
Asimismo, en el período analizado, el tráfico marítimo de naves en los puertos bajo el ámbito del Ositrán alcanzó un total de 2646 unidades, superior en 2,7 % a lo registrado entre enero y agosto del año pasado.
Cabe señalar que las cifras reportadas no incluyen reestibas.

FONTE: https://www.gob.pe/institucion/ositran/noticias/552202-movimiento-de-carga-de-puertos-concesionados-se-incremento-en-18-6


Terminal Portuario Multipropósito de Salaverry de Perú concluirá este mes obras de las Etapas 3 y 4

El Terminal Portuario Multipropósito de Salaverry, en La Libertad, Perú, culminará las obras de las Etapas 3 y 4 durante noviembre, contando con inversiones de más de US$13,5 millones. La modernización comprende la ampliación de silos para maíz y trigo, y los almacenes de soya y fertilizantes, de acuerdo con el cronograma de ejecución de obras establecido con la empresa concesionaria Salaverry Terminal Internacional S.A. (STI).

En la Etapa 3, los nuevos silos de 30.000 toneladas de capacidad permitirán duplicar el almacenamiento de granel limpio, en beneficio de más de 5,5 millones de habitantes, que podrán tener un puerto más eficiente para el traslado de trigo, maíz, harina de pescado, fertilizantes, entre otros productos.

Cabe mencionar que el Terminal Portuario Multipropósito de Salaverry realizó la entrega a la Autoridad Portuaria Nacional (APN) de las obras del Muelle 2, las que se encontraban pendientes de concluir como parte de la Etapa 1 de esta modernización. En detalles, la obra del citado muelle de tipo espigón, contó con una inversión de US$7 millones y tiene una extensión de 230 metros de largo por 30 metros de ancho.

Además, cuenta con dos bandas de amarre para naves, que han sido reforzadas con una plataforma de concreto y la rehabilitación de los pilotes. De esta manera, se amplió la capacidad del muelle para atender naves de mayor tamaño y contará con dos grúas móviles para brindar mejores servicios.

Para el próximo año, solamente queda pendiente la modernización del Muelle 1 de tipo espigón, que se rehabilitará y ensanchará como parte de las obras del Lado Mar de la Etapa 2.

En conjunto, esta Iniciativa Privada Autofinanciada tiene un compromiso de inversión de US$270,1 millones durante los 30 años de concesión, en los cuales se desarrollarán cinco etapas, en función a la demanda, y una etapa final denominada “Nueva dársena”.

FONTE: https://www.mundomaritimo.cl/noticias/terminal-portuario-multiproposito-de-salaverry-de-peru-concluira-este-mes-obras-de-las-etapas-3-y-4


Puerto Salaverry: obras de etapas 3 y 4 culminarán este mes

La modernización y ampliación de capacidad operativa del Terminal Portuario Multipropósito de Salaverry, en La Libertad, sigue en marcha.

Recientemente, la Autoridad Portuaria Nacional (APN), adscrita al Ministerio de Transportes y Comunicaciones (MTC), recibió el Muelle 2, última obra que se encontraba pendiente de concluir como parte de la etapa 1 de esta modernización que demanda una inversión de más de US$ 34.9 millones.

La obra del citado muelle, de tipo espigón, demandó una inversión de US$ 7 millones y tiene una extensión de 230 metros de largo por 30 metros de ancho.

Además, cuenta con dos bandas de amarre para naves, que han sido reforzadas con una plataforma de concreto y la rehabilitación de los pilotes. De esta manera, este muelle tendrá una mayor capacidad para atender naves de mayor tamaño y contará con dos grúas móviles para brindar mejores servicios.

De acuerdo al cronograma de ejecución de obras establecido con la empresa concesionaria Salaverry Terminal Internacional (STI), en este mes también se culminará con las obras de las etapas 3 y 4 con inversiones de más de US$ 13.5 millones que fueron adelantadas y comprenden la ampliación de silos para maíz y trigo, y los almacenes de soya y fertilizantes.

En la Etapa 3, los nuevos silos de 30,000 toneladas de capacidad permitirán duplicar el almacenamiento de granel limpio, en beneficio de más de 5.5 millones de habitantes, que podrán tener un puerto más eficiente para el traslado de trigo, maíz, harina de pescado, fertilizantes, entre otros productos.

Para el próximo año, solo queda pendiente la modernización del Muelle 1 de tipo espigón, que se rehabilitará y ensanchará como parte de las obras del Lado Mar de la etapa 2.

En conjunto, esta iniciativa privada autofinanciada tiene un compromiso de inversión de US$ 270.1 millones durante los 30 años de concesión, en los cuales se desarrollarán cinco etapas, en función a la demanda, y una etapa final denominada ‘Nueva dársena’.

La modernización de esta infraestructura mejorará la eficiencia y productividad del terminal, aumentará las operaciones logísticas, impulsará la economía local y generará empleos directos e indirectos en la región.

FONTE: https://gestion.pe/economia/mtc-puerto-salaverry-obras-de-etapas-3-y-4-culminaran-este-mes-noticia/


Muelle reforzado en el Terminal Portuario Multipropósito de Salaverry recibió su primera nave comercial

Gracias a las importantes mejoras en infraestructura y equipamiento que se vienen realizando en el Terminal Portuario Multipropósito de Salaverry, ubicado en la región La Libertad, este último viernes 8 de octubre, arribó al Muelle N° 2B, la primera nave comercial Ocean Rainbow, procedente del puerto de Antofagasta, Chile; un muelle recientemente reforzado y recibido por la Autoridad Portuaria Nacional (APN), entidad adscrita al Ministerio de Transportes y Comunicaciones (MTC), con la supervisión del Organismo Supervisor de la Inversión en Infraestructura de Transporte de Uso Público (Ositran).
Esta nave inició, a las 18:42 horas de ayer, el embarque de 11,000 toneladas métricas (TM) de concentrado de cobre, mediante el uso de una faja hermética móvil (shiploader) de la empresa Goldfield, garantizando así una correcta y eficiente operación del mineral.
El Muelle N° 2B, recibido por la APN el 7 de octubre y que demandó una inversión de más de US$ 7 millones (US$ 7’218,477.32), forma parte de los compromisos asumidos en el contrato de concesión con la empresa Salaverry Terminal Internacional S.A. (STI). Esta obra, de tipo espigón, de 230 metros de largo y 30 metros de ancho, y con dos bandas de amarre para naves, ha sido reforzada en su totalidad (cambio de la plataforma de concreto y rehabilitación de pilotes) con el objeto de dotarla de una mayor capacidad para la atención de las naves de mayor tamaño.
Además de las mejoras en infraestructura, dicho muelle contará con dos grúas móviles, las cuales le permitirán al terminal portuario mejorar la calidad en la prestación de sus servicios, lo cual impactará positivamente en el sector agroexportador de la región y en la economía nacional.
FONTE: https://www.gob.pe/institucion/apn/noticias/543534-muelle-reforzado-en-el-terminal-portuario-multiproposito-de-salaverry-recibio-su-primera-nave-comercial

COLUNA MG: Rede de Notícias do Sindijori MG - 28 de agosto

COLUNA MG
Rede de Notícias do Sindijori MG
www.sindijorimg.com.br

Safra mineira promete bons vinhos

A uva Syrah, casta de uva tinta da família Vitis vinifera, está cada vez mais em alta no mercado de vinhos finos de Minas Gerais. A uva se adequou muito bem à dupla poda, técnica adaptada pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) que inverte o ciclo natural das videiras, feito que permite colheitas e produção de vinhos de inverno. Neste ano, a colheita da uva Syrah em vinhedos do Sul de Minas começou no início do mês de agosto. No vinhedo institucional da Epamig, localizado no município de São Sebastião do Paraíso, a safra de 2021 se destacou por ser a mais produtiva desde o plantio das videiras, em 2011. (Diário do Comércio – Belo Horizonte)

Obras da fábrica da Heineken começam

A empresa curitibana Tucumann Engenharia será responsável pelas obras na construção da nova fábrica da Heineken na cidade de Pedro Leopoldo, na região metropolitana de Belo Horizonte. A construtora já iniciou a contratação de pessoal para a obra. Os investimentos para a fábrica na cidade são estimados em R$ 1,8 bilhão. O Grupo Heineken conta, ao todo, com 15 unidades produtivas no País, sendo 12 cervejarias. Dos 29 centros de distribuição (CDs) no Brasil, dois estão em Minas Gerais – um em Poços de Caldas e outro em Contagem. (Sete Dias – Sete Lagoas)

Sindicato contra fechamento de agências

O Sindicato dos Servidores da Tributação, Fiscalização e Arrecadação do Estado de Minas Gerais lançou uma campanha contra o fechamento de AFs – Administrações Fazendárias em 14 cidades: Sabará, Lagoa Santa, Abaeté, Bom Despacho, Januária, Salinas, São Francisco, Várzea da Palma, Ibiá, Carmo do Paranaíba, Camanducaia, Jacutinga, Muzambinho e Paraisópolis. De acordo com o presidente do Sinfazfisco/MG, Hugo René, o fechamento já começou. “O esvaziamento é uma forma de fechamento. Quando não tiver um responsável, um chefe respondendo pela unidade, ela já não funciona como uma administração fazendária, pois ela vai depender do trabalho de outra unidade. No caso, a Superintendência”, disse. (Folha de Sabará)

Aumento nas tarifas de pedágio

Quem trafega pela BR-050 terá que desembolsar um pouco mais nas praças de pedágio. A partir de zero hora de domingo, 29, as tarifas do pedágio estarão mais caras, segundo informado pela concessionária que administra a rodovia. O valor passará da tarifa média atual de R$5,50 para R$5,78 para a categoria 1 de veículo, uma variação de 5%. Dessa forma, para automóveis, caminhonetes e furgões, os novos preços do pedágio ficaram assim: praça Ipameri (R$6,60 para R$6,90); praça Campo Alegre de Goiás (R$7,20 para R$7,40); praça de pedágio Araguari 1 – sentido Catalão (R$5,30 para R$5,60); praça Araguari 2 –sentido Uberlândia (R$4,00 para R$4,30); praça Uberaba (R$5,80 para R$6,10); praça Delta (R$4,10 para R$4,40). (Gazeta do Triângulo – Araguari)

Leilão de veículos em GV

Esta sexta-feira, 26, é o último dia de visitação nos pátios credenciados da Polícia Civil para o leilão de veículos em Governador Valadares. O leilão se iniciará no dia 31 de agosto e se encerrará no dia 3 de setembro. De acordo com a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), são mais de 1.400 lotes disponíveis, entre automóveis e motocicletas, em condições de recuperados ou sucatas. Os pátios de visitação estão localizados nos bairros Capim e Penha. O edital contendo todas as informações está disponível no site www.detran.mg.gov.br e também na Delegacia de Trânsito. A PCMG indica que o período de visitação nos pátios credenciados participantes teve início nesta sexta, 27, na parte da manhã, das 9h às 11h, enquanto no período da tarde será entre 14h30 e 17 horas. (Diário do Rio Doce – Governador Valadares)

Liberação de cirurgias eletivas

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) liberou para a próxima semana as cirurgias eletivas. O Governo Municipal apurou que a Taxa de Ocupação de Leitos, fechada nessa quinta-feira, na semana de 20 a 26 de agosto, ficou em 54%. O índice baliza a retomada ou não das cirurgias eletivas. A aferição tem início na sexta-feira da semana anterior, com fechamento previsto para toda quinta-feira. Conforme explicação da SMS, o primeiro requisito para a retomada das cirurgias eletivas, a Taxa de Ocupação de Leitos de UTI-Covid, tem que ficar abaixo de 60%, considerando a capacidade total de leitos UTI-Covid que o Município possui (103 leitos). (Jornal da Manhã – Uberaba)

Interdição de Lar de Idosos

O Instituição de Longa Permanência para Idosos (ILPI) Lar Lição de Vida, em Uberaba, está interditada devido a um surto de covid-19. De acordo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), entre os contaminados estão 44 idosos e 6 funcionários, sendo um da cozinha e cinco cuidadoras. A Prefeitura informou que adotou medidas de contenção dos casos registrados no local. Segundo o Município, a direção da instituição acionou o Departamento de Epidemiologia da SMS e informou sobre um funcionário afastado por suspeita da doença, e um interno encaminhado para uma das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). A equipe de Atenção Básica e a assistência deu início aos atendimentos, que continuam nesta semana. (Jornal de Uberaba)

 

FONTE: http://www.jornalcorreiodacidade.com.br/colunas/2788-coluna-mg-rede-de-noticias-do-sindijori-mg-28-de-agosto


Operador del Terminal Portuario General San Martín

Operador del Terminal Portuario General San Martín  @TPParacas, a través de su Fondo Social, financiará la construcción de dos comedores populares para las HH.UU. de Kuelap y José de San Martín, los que beneficiarán a más de 300 familias.

 

FONTE: https://twitter.com/APN_PuertosPeru/status/1427634217501052944/photo/1


Empresa de engenharia contrata para obra da fábrica da Heineken em Minas Gerais

Com um investimento de R$ 1,8 bilhão, a cervejaria Heineken iniciará às obras para a instalação de uma fábrica na cidade de Pedro Leopoldo, na região metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com informações do Diário do Comércio, as contratações para trabalho no canteiro de obras já forma iniciadas.

A empresa curitibana Tucumann Engenharia será responsável pelas obras. A empresa está recebendo currículos para vagas na execução de terraplanagem e drenagem do terreno. Confira a relação de vagas:

  • Engenheiro de Segurança
  • Técnico de Segurança
  • Técnico de Meio Ambiente
  • Auxiliar Técnico
  • Topógrafo
  • Auxiliar de Topografia
  • Técnico de Qualidade
  • Laboratorista
  • Auxiliar de Laboratório
  • Auxiliar Administrativo
  • Compras
  • Auxiliar de RH
  • Almoxarife
  • Faxineira
  • Supervisor de Mecânico
  • Mecânico
  • Auxiliar de Mecânica
  • Mecânico
  • Borracheiro

E não para por aí! A empresa de engenharia também está recebendo currículos para vagas nas áreas de elétrica e operação de equipamentos. Confira:

  • Eletricista de Equipamentos Pesados
  • Lubrificador
  • Auxiliar de Lubrificação
  • Abastecedor
  • Encarregado de Frente – Terraplanagem
  • Encarregado de Frente – Drenagem
  • Feitor – Drenagem
  • Greidista
  • Apontador
  • Auxiliar de Obras
  • Motorista de Caminhão Comboio
  • Motorista de Ônibus
  • Motorista de Caminhão Basculante
  • Motorista de caminhão Pipa
  • Motorista de Caminhão Munck
  • Motorista de Caminhão Prancha
  • Motorista de Veículo Leve
  • Operador de Equipamentos de Pequeno Porte
  • Operador de Escavadeira Hidráulica
  • Operador de Retroescavadeira
  • Operador de Trator de Esteira
  • Operadora de Trator Agrícola
  • Operador de Rolo Compactador
  • Operador de Motoniveladora

Como se candidatar

Os interessados em alguma das vagas devem enviar currículo para o e-mail vagas.tucumann@gmail.com.

Com 30 anos de atuação, a Tucumann Engenharia está consolidada no mercado de construção civil com obras de grande porte na América Latina e utiliza o conhecimento acumulado em anos de história para desenvolver projetos para os mais diversos setores.

FONTE: https://maisminas.org/oportunidades/2021/07/20/empresa-de-engenharia-contrata-para-obra-da-fabrica-da-heineken-em-minas-gerais/


Cervejaria Heineken irá iniciar obras de construção da nova fábrica, no estado de Minas Gerais

A nova fábrica da Heineken será construída em Pedro Leopoldo, localizada na região metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais

As obras para a construção da nova fábrica da Heineken, em Pedro Leopoldo, no estado de Minas Gerais, estão prestes a começar. Seis meses após o anúncio oficial da instalação de uma fábrica da Heineken no estado, a empresa está no aguardo da emissão de licenças por parte da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais. Veja ainda: Nova fábrica de carros elétricos será construída em Minas Gerais, com investimentos de 25 bilhões de reais e haverá geração de 10 mil empregos.

Detalhes sobre a execução das obras da nova fábrica da Heineken, em Minas Gerais

A empresa Tucumann Engenharia, da cidade de Curitiba, no Paraná, irá executar as obras e já disponibiliza vagas para a execução de atividades de terraplanagem e drenagem no terreno que receberá a fábrica. O novo empreendimento da Heineken já recebeu aportes de R$ 1,8 bilhão e será a 16ª fábrica do grupo no Brasil.

Em maio, foi noticiado que a cervejaria Heineken já havia adquirido um terreno do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), teria comprado uma área da Precon Engenharia, e negociava outras ao redor. Na época, a empresa não comentou o assunto, mas a reportagem teve acesso a documentos e informações que indicam que a construção será nas proximidades de onde seria o empreendimento. Uma fonte relacionada às negociações, que pediu para não ser identificada, detalhou que a instalação da cervejaria ocorrerá em uma junção de quatro terrenos.

A Heineken desta vez divulgou que, em breve, dará início à terraplanagem do terreno de sua futura fábrica em Pedro Leopoldo e que a empresa contratada está recrutando profissionais para esse trabalho. A empresa ressaltou que está aguardando a licença ser emitida pelo órgão responsável do estado de Minas Gerais.

Estado de Minas Gerais com grandes unidades do ramo de cervejaria

Com a chegada da Heineken, o estado de Minas Gerais passa a abrigar fábricas de grandes marcas com operações no Brasil, como Ambev e Grupo Petrópolis. Vale dizer que a informação da escolha do Estado para a implantação da unidade foi antecipada em fevereiro do ano passado. Em dezembro, o governador Romeu Zema (Novo) anunciou oficialmente o aporte, por meio de um vídeo publicado nas redes sociais.

Veja ainda: Com investimento bilionário, estado de Minas Gerais irá receber 3 fábricas de latas de alumínio

A Abralatas (Associação Brasileira de Fabricantes de Latas) divulgou que três projetos de fabricantes de latas estão em andamento para instalação de novas fábricas dentro do estado de Minas Gerais, fortalecendo a oferta de latas de alumínio no Brasil. As empresas Crown Embalagens, a Ball e a Ardagh Group, irão realizar investimentos de R$ 3 bilhões até o final do triênio 2020-2022 em três novas unidades de produção de latas de alumínio, espalhadas no estado mineiro.

A multinacional Crown Embalagens, uma das mais importantes fabricantes de latas de alumínio para cerveja, refrigerantes, sucos e chás, do Brasil, anunciou investimento em Minas Gerais para instalação de nova fábrica em 2022 para a produção de 2,4 bilhões de latinhas, e promete gerar muitas vagas de emprego na região.

Já a empresa norte-americana Ball Corporation irá investir R$ 504 milhões em nova fábrica de embalagens de alumínio em Frutal, no estado de Minas Gerais. Com o investimento, essa fábrica será a maior sede de embalagens de alumínio para bebidas. 100 novos empregos podem ser gerados.

FONTE: https://clickpetroleoegas.com.br/cervejaria-heineken-ira-iniciar-obras-de-construcao-da-nova-fabrica-no-estado-de-minas-gerais/


Em Minas Gerais, a Log Commercial irá realizar investimento de R$ 2,5 bilhões e tem projetos para a construção de novos empreendimentos

Além de Minas Gerais, a empresa especializada em aluguel de galpões e condomínios logísticos, tem planos de construção em outros estados

A Log Commercial Properties, acaba de rever, mais uma vez, seu plano de expansão. Lançado em 2019, o plano da empresa especializada em aluguel de galpões e condomínios logísticos, que tem os donos da MRV como principais acionistas, previa investimentos de R$ 1,5 bilhão entre 2020 e 2024, para a construção de 1 milhão de metros quadrados. Agora, a estratégia prevê aportes de R$ 2,5 bilhões e a construção de 1,5 milhão de metros quadrados. Veja ainda: Estado de Minas Gerais deverá abrir mais de 200 mil empregos com investimentos de mineradora, indústria, e-commerce e mais.

Anúncio dos investimentos a serem realizados

O CEO da Log, Sérgio Fischer, disse anteriormente que embora ainda fosse cedo para entender como a demanda iria se comportar no restante do ano, a empresa já prospectava terrenos em novas regiões para construção de galpões para além dos 1 milhão de metros quadrados de Área Bruta Locável (ABL) previstos. Ele citou a expansão do plano em 50% ou até em dobro, o que significaria aportes de R$ 3 bilhões.

Sérgio Fischer diz que “Esta já é a segunda revisão de um plano lançado pouco antes do enfrentamento à pandemia. E seguimos negociando novos negócios. A demanda por galpões logísticos por empresas do varejo está bastante aquecida diante do boom do e-commerce desde meados do ano passado. Temos a maior carteira de clientes do setor e muitos deles buscam locais em outras regiões. Isso nos levou, no último trimestre, a mais algumas capitais e hoje estamos em Minas Gerais e mais 16 estados do Brasil”.

Construção em uma área em Betim, estado de Minas Gerais

Nos últimos três meses, a empresa assinou contrato de BTS de 95,7 mil metros quadrados de ABL no Parque Industrial de Betim (RMBH), para atividade de e-commerce, com início de construção das obras previstas para os próximos meses. “Tamanha velocidade de execução do plano de expansão que metade do plano será entregue até o fim do ano que vem. Isso significa que até o fim de 2022 teremos 750 mil metros quadrados de ABL já locados“, revela.

Veja ainda: Cervejaria Heineken irá iniciar obras de construção da nova fábrica, no estado de Minas Gerais

As obras para a construção da nova fábrica da Heineken, em Pedro Leopoldo, no estado de Minas Gerais, estão prestes a começar. Seis meses após o anúncio oficial da instalação de uma fábrica da Heineken no estado, a empresa está no aguardo da emissão de licenças por parte da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais.

A empresa Tucumann Engenharia, da cidade de Curitiba, no Paraná, irá executar as obras e já disponibiliza vagas para a execução de atividades de terraplanagem e drenagem no terreno que receberá a fábrica. O novo empreendimento da Heineken em Minas Gerais já recebeu aportes de R$ 1,8 bilhão e será a 16ª fábrica do grupo no Brasil.

Em maio, foi noticiado que a cervejaria Heineken já havia adquirido um terreno do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), teria comprado uma área da Precon Engenharia, e negociava outras ao redor. Na época, a empresa não comentou o assunto, mas a reportagem teve acesso a documentos e informações que indicam que a construção será nas proximidades de onde seria o empreendimento. Uma fonte relacionada às negociações, que pediu para não ser identificada, detalhou que a instalação da cervejaria ocorrerá em uma junção de quatro terrenos.

FONTE: https://clickpetroleoegas.com.br/em-minas-gerais-a-log-commercial-ira-realizar-investimento-de-r-25-bilhoes-e-tem-projetos-para-a-construcao-de-novos-empreendimentos/amp/


Iniciada duplicação da PR-092 em Siqueira Campos

O governo do Estado iniciou nesta semana a execução do projeto de duplicação de um trecho de 4 quilômetros de extensão no perímetro urbano de Siqueira Campos da PR-092. A empresa responsável pela obra faz as primeiras terraplanagens no local.A duplicação será entre o km 279 e o km 283 e sai do papel com investimentos de R$ 42,1 milhões dos cofres do governo do Paraná. O prazo para a conclusão da obra é de 14 meses.

A empresa que executa o projeto é a Tucumann Engenharia e Empreendimentos.Além das novas pistas, também serão implantadas avenidas marginais no trecho em questão e a remodelagem dos trevos com a PR-424 (sentido Tomazina) e à PR-272 (sentido Salto do Itararé), além do acesso ao bairro rural do Saltinho.

Outro acesso de extrema importância na obra é ao distrito industrial de Siqueira Campos, onde diariamente milhares de pessoas fazem a conversão da PR-092 para chegar ao local de trabalho – e que já registrou inúmeros acidentes com trabalhadores. RODOVIAO governo do Estado também deve iniciar em breve outra importante – e aguardada – obra de infraestrutura na PR-092, no trecho entre Santo Antônio da Platina e Jaguariaíva: a implantação de terceiras pistas.

A medida, que visa ampliar a capacidade e dar mais segurança à rodovia, será responsável pela implantação de 15,4 quilômetros de terceiras faixas em 16 pontos considerados críticos. São locais com rampas ascendentes, onde são registrados mais acidentes devido a ultrapassagens, e afundamento de trilho de roda devido à aceleração e frenagem dos veículos.

Para executar este projeto, serão investidos cerca de R$ 40 milhões. A obra já foi licitada pelo governo do Estado e deve começar nas próximas semanas, devendo ser executada em 12 meses após o início. Vale citar ainda que a PR-092 entre Santo Antônio da Platina e Jaguariaíva entrará no novo lote de concessões da rodovia paranaenses à iniciativa privada. A partir daí, todo este trecho será pedagiado (a princípio a nova praça de pedágio será em Siqueira Campos) e duplicado.


Iniciada duplicação da PR-092 em Siqueira Campos

O governo do Estado iniciou nesta semana a execução do projeto de duplicação de um trecho de 4 quilômetros de extensão no perímetro urbano de Siqueira Campos da PR-092. A empresa responsável pela obra faz as primeiras terraplanagens no local.A duplicação será entre o km 279 e o km 283 e sai do papel com investimentos de R$ 42,1 milhões dos cofres do governo do Paraná. O prazo para a conclusão da obra é de 14 meses.

A empresa que executa o projeto é a Tucumann Engenharia e Empreendimentos.Além das novas pistas, também serão implantadas avenidas marginais no trecho em questão e a remodelagem dos trevos com a PR-424 (sentido Tomazina) e à PR-272 (sentido Salto do Itararé), além do acesso ao bairro rural do Saltinho.

Outro acesso de extrema importância na obra é ao distrito industrial de Siqueira Campos, onde diariamente milhares de pessoas fazem a conversão da PR-092 para chegar ao local de trabalho – e que já registrou inúmeros acidentes com trabalhadores. RODOVIAO governo do Estado também deve iniciar em breve outra importante – e aguardada – obra de infraestrutura na PR-092, no trecho entre Santo Antônio da Platina e Jaguariaíva: a implantação de terceiras pistas.

A medida, que visa ampliar a capacidade e dar mais segurança à rodovia, será responsável pela implantação de 15,4 quilômetros de terceiras faixas em 16 pontos considerados críticos. São locais com rampas ascendentes, onde são registrados mais acidentes devido a ultrapassagens, e afundamento de trilho de roda devido à aceleração e frenagem dos veículos.

Para executar este projeto, serão investidos cerca de R$ 40 milhões. A obra já foi licitada pelo governo do Estado e deve começar nas próximas semanas, devendo ser executada em 12 meses após o início. Vale citar ainda que a PR-092 entre Santo Antônio da Platina e Jaguariaíva entrará no novo lote de concessões da rodovia paranaenses à iniciativa privada. A partir daí, todo este trecho será pedagiado (a princípio a nova praça de pedágio será em Siqueira Campos) e duplicado.

 

FONTE: https://tribunadovale.com.br/iniciada-duplicacao-da-pr-092-em-siqueira-campos/