Nos últimos anos, os temas de meio-ambiente, responsabilidade social e governança (ESG) ganharam força significativa no mundo das finanças e investimentos. Mas o que exatamente vem a ser ESG? 

Originalmente, ESG se refere a um conjunto de critérios que os investidores consideram ao avaliar o impacto ambiental, social e de governança de um projeto, empresa ou organização. Ou seja, ESG vem a ser de grande importância na atualidade, com especial destaque para seu potencial para gerar mudanças positivas e criar um futuro sustentável para as próximas gerações. A estruturação de projetos de infraestrutura requer uma análise cada vez mais sofisticada sobre os impactos ao meio-ambiente, ao entorno social e qual o modelo de governança e controle será adotado, com o objetivo de trazer mais previsibilidade aos investidores e racionalidade na gestão de riscos associados ao projeto.

Fatores Ambientais:

O “E” em ESG representa a dimensão ambiental, que se concentra no impacto de uma empresa na natureza, no meio-ambiente que influencia. Como importantes fatores ambientais a serem considerados podemos destacar emissões de carbono, uso de recursos naturais, gerenciamento de resíduos e estratégias de mitigação das mudanças climáticas. Com a crescente conscientização sobre as mudanças climáticas e suas possíveis consequências, os investidores estão se preocupando mais com as práticas ambientais das empresas ao tomar suas decisões de investimento. Ao incorporar fatores ESG, os investidores podem apoiar ativamente empresas que adotam práticas sustentáveis, promovem energia renovável e implementam estratégias para reduzir a sua “pegada ambiental”. Isso, por sua vez, incentiva as empresas a se tornarem mais responsáveis ambientalmente e contribui para a transição para uma economia de baixo carbono.

Fatores sociais:

O “S” em ESG remete ao conjunto de fatores relacionados à responsabilidade social, que incluem o impacto de uma empresa na sociedade em está inserida, incluindo o tratamento de funcionários, relações com a comunidade, práticas de diversidade e inclusão, e respeito aos direitos do consumidor. Em um contexto em em que as questões sociais estão na vanguarda do discurso público, os investidores reconhecem a importância de apoiar empresas que defendem fortes valores sociais e contribuem positivamente para as comunidades em que operam. Ao considerar fatores sociais nas decisões de investimento, os investidores podem incentivar práticas trabalhistas justas, apoiar empresas que priorizam a diversidade e a inclusão e promovem uma cultura de cidadania corporativa responsável. Isso não apenas ajuda a criar uma sociedade mais equitativa, mas também aumenta a sustentabilidade dos negócios no longo prazo.

Fatores de Governança:

O “G” em ESG representa governança, que se concentra nas estruturas, políticas e práticas internas de uma empresa. A boa governança corporativa garante transparência, responsabilidade e tomada de decisão ética. Empresas com estruturas de governança sólidas têm maior probabilidade de tomar decisões adequadas e coerentes no longo prazo, mitigando riscos e protegendo os interesses dos acionistas, clientes, funcionários e fornecedores. A incorporação de fatores de governança na análise de investimentos promove a liderança responsável e desencoraja práticas antiéticas, como corrupção e fraude. Ao investir em empresas com estruturas de governança robustas, os investidores podem desempenhar um papel na formação do cenário de negócios para maior transparência e conduta ética.

author avatar
leonardo@bebarra.com.br