São R$ 48 milhões de investimentos em melhorias na infraestrutura, segurança pública, saúde, educação e habitação em Ribas do Rio Pardo, no Mato Grosso do Sul. Ampliação do Hospital Municipal, construção de casas populares, implantação de uma nova delegacia e base da Polícia Rodoviária Federal, e a adequação viária do acesso à cidade, entre outras ações. Sobretudo, houve a geração de 10 mil empregos diretos no município, além dos indiretos. Essa extensa repercussão sócio-econômica está se processando através do Projeto Cerrado, que consiste na construção de uma fábrica de celulose de eucalipto da Suzano no município. Todas essas mudanças vêm acontecendo em Ribas do Rio Pardo que possui pouco mais de 20 mil habitantes, mas que espera uma ampla e duradoura transformação até o segundo semestre de 2024, quando as obras da megafábrica deverão ser concluídas. O Projeto Cerrado é um dos maiores investimentos privados em curso no Brasil e o maior empreendimento da história da Suzano. Serão mais de 19 bilhões de reais investidos na construção de uma fábrica com capacidade de 2,55 milhões de toneladas de celulose de eucalipto por ano. A fábrica de Ribas do Rio Pardo (MS) será a maior linha única de celulose de eucalipto do mundo e ampliará a capacidade de produção de celulose da empresa em aproximadamente 20%. A celulose é a matéria-prima utilizada na fabricação de papéis sanitários, embalagens, fraldas, máscaras e papéis de imprimir e escrever em geral, entre outros produtos essenciais para o dia a dia das pessoas.

REPERCUSSÃO SOCIAL A LONGO PRAZO

Conforme dados da Suzano, atualmente, a obra do Projeto Cerrado conta com mais de 8,5 mil trabalhadores. A previsão é que ao longo da execução do projeto serão criados 10 mil empregos diretos no pico da obra, gerando também milhares de empregos indiretos na região. E, após sua conclusão em 2024, quando entrar em operação, a nova fábrica terá 3 mil postos de trabalho, entre diretos e indiretos, atendendo as operações industrial e florestal da Suzano.

Entre os compromissos firmados com o município para a construção da fábrica está o Plano Básico Ambiental, com mais de 20 ações articuladas em conjunto e aprovadas pelo Conselho Municipal de Desenvolvimento Sustentável, formado por representantes dos poderes, Segurança Pública, e sociedade civil. Para executar essas ações a empresa investirá R$ 48 milhões na melhoria da infraestrutura, segurança pública, saúde, educação e habitação de Ribas do Rio Pardo. No pacote de projetos definidos pelo Conselho Municipal estão a ampliação do Hospital Municipal para comportar atendimentos de média complexidade (obra já em execução); o apoio a projeto habitacional com construção de casas populares para famílias sem renda inscritas no cadastro único do município; a adequação do trevo de acesso à cidade na BR-262; a implantação de uma nova delegacia da Polícia Civil e uma nova base para a Polícia Rodoviária Federal na BR-262; além de melhoria da estrutura física da Polícia Militar para comportar o aumento do efetivo, o que possibilitará a transformação do batalhão em companhia. Além das ações em contrapartida à construção da fábrica, a Suzano está investindo R$ 13,8 milhões em projetos para desenvolvimento social e geração de renda em Ribas do Rio Pardo. Esse investimento é uma ação voluntária da empresa, visando promover o desenvolvimento sustentável nas regiões onde atua. “Estamos dando a nossa contribuição e buscando proporcionar a toda a comunidade do município uma melhoria concreta na qualidade de vida por meio de investimentos robustos nas áreas de infraestrutura, segurança pública, saúde, educação e habitação. O sucesso do nosso negócio é fruto do desenvolvimento social e isso é um compromisso assumido e reafirmado com a construção da nossa nova fábrica neste município que tão bem nos acolheu”, afirma o diretor responsável pelas obras de implantação da nova fábrica de celulose, Maurício Miranda. Segundo Miranda, esse pacote social adicional será realizado de forma gradual e contempla 23 iniciativas sociais, que começaram a ser implantadas em 2022 e que seguirão até 2024, quando entra em operação a nova fábrica em Mato Grosso do Sul. “Ribas é um município que vai apresentar um dos maiores níveis de investimento do País nos próximos anos, sendo fundamental na geração de empregos. O Estado de Mato Grosso do Sul também tem a preocupação dos demais impactos, não só econômicos, por isso uma série de ações estão sendo tomadas, todas em curso dentro do cronograma”, afirmou Jaime Verruck, secretário da Semadesc (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação). Verruck destacou que entre as medidas do Estado no município estão as obras de infraestrutura urbana na cidade, na malha rodoviária, ações na segurança pública e na educação, com a ampliação da escola estadual e também cuidando das empresas locais, com orientação e assessoria para que elas tomem impulso nesta nova realidade. Outro foco é a qualificação profissional dos habitantes do município. “Serão geradas novas vagas de trabalho e queremos que as pessoas de Ribas consigam absorver estas vagas”.

Segundo o secretário, o impacto da nova fábrica vai representar 5% do crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) do Estado. “Por exemplo, a cidade no início da obra tinha 24 mil pessoas, depois quando terminar a fábrica vai chegar a 34 mil. A própria Suzano vai construir mil casas para os funcionários”, descreveu. As iniciativas sociais da Suzano, fora os compromissos em contrapartida à obra, também já estão em andamento desde o ano passado, tais como: Programa Suzano de Educação, Projeto SAF – Sistemas Agroflorestais, Banco de Reserva Alimentar, Programa Colmeias e Programa Agente do Bem. Para 2023, estão programados outros projetos visando a geração de renda em Ribas do Rio Pardo, tais como: o Projeto Pecuária, Economia Circular, Conselhos Comunitários, Projeto Empreendedorismo Jovem e Feminino, Viveiro de mudas nativas, artesanato e extrativismo, entre outros. “Para este ano está previsto ainda o principal aporte da empresa, quando serão investidos R$ 6,5 milhões em projetos e programas direcionados para a geração de trabalho e renda de comunidades vizinhas à fábrica em construção. Essa meta está em consonância com o nosso compromisso público de retirar 200 mil pessoas da linha da pobreza até 2030 em todas as regiões onde a Suzano mantém operações”, lembrou o diretor da nova fábrica, Maurício Miranda.

FONTE: https://revistaoe.com.br/projeto-cerrado-cria-novo-ciclo-economico-em-rio-pardo-ms/