TUCUMANN ENGENHARIA E SUZANO PAPEL E CELULOSE: CONHEÇA MAIS SOBRE A REALIZAÇÃO DAS OBRAS DO PROJETO CERRADO

 

A Tucumann Engenharia esteve presente em um dos maiores projetos industriais do Brasil: a grandiosa obra da fábrica de papel e celulose da empresa Suzano. Prestando serviços de terraplanagem, drenagem, tubulação e pavimentação, atendemos a todas as necessidades do cliente com excelência técnica e estratégica.

 Localizada na cidade de Ribas Padro, a 100 quilômetros da capital sul mato grossense, a obra foi batizada como Projeto Cerrado, fazendo uma referência ao maior bioma da região e a maior fábrica de celulose de linha única no mundo. Com investimentos totais de 22,2 bilhões de reais, estima-se que cerca de 10 mil empregos foram gerados durante o pico da construção. 

  Para dimensionarmos a grandiosidade deste projeto, é importante apresentarmos alguns dos números atingidos:  realizamos 4.858m de aduelas de concreto variando de 3mx3m até 1,5mx1,5m, aterro de uma área de 8.042.072,90m³, pavimentação com 435.046,96 toneladas de britas, drenagem de tubulações de 171.433,46m 

  A Tucumann se orgulha em fazer parte desse majestoso empreendimento. Isso mostra todo o preparo e know-how de nossas equipes. Por isso, podemos atribuir o sucesso desta realização, à qualidade técnica e intelectual do nosso quadro de funcionários que atuaram nesse projeto. 

  Tivemos a presença dos setores de recursos humanos, engenharia, segurança no trabalho e mais. Movimentamos um grande contingente de colaboradores para garantir o primor em cada detalhe de entrega. Foram 1706 funcionários dedicados, atuando em um terreno adverso, para assegurar resultados satisfatórios e de alto nível a esse tão importante cliente. 

 Nos orgulhamos também, de conquistar a marca de 2.500.000 horas trabalhadas sem acidentes com afastamento. Isso mostra o comprometimento da equipe e o nosso rigor nos processos de segurança no trabalho. Para nós, garantir a seguridade de cada membro é imprescindível. 

  A Tucumann Engenharia está consolidada no mercado de construção civil com obras de grande porte, utilizamos o conhecimento acumulado em anos de história para desenvolver projetos, como o da Suzano, e garantir que não só os clientes estejam satisfeitos, mas sim toda a nossa equipe. Acreditamos que a realização profissional dos nossos trabalhadores é o combustível para o nosso triunfo. 

 


Obras do Projeto Cerrado em Ribas do Rio Pardo-MS vai atingir pico de 10 mil trabalhadores agora em abril

A construção da fábrica foi iniciada em maio de 2021. A companhia investe R$ 19,3 bilhões para instalar uma planta com capacidade de produção de 2,550 milhões de toneladas por ano e que deve entrar em operação em 2024.

A construção da nova fábrica de celulose da Suzano, em Ribas do Rio Pardo, na região central de Mato Grosso do Sul, deve atingir neste mês de abril o pico da obra, concentrando 10 mil trabalhadores no canteiro. Atualmente, o projeto está na fase de montagem eletromecânica. A previsão é que a indústria esteja em operação no segundo semestre de 2024.

Em março, o canteiro já chegou a 9 mil pessoas. Quando atingir o auge, nos próximos dias, o número de operários no local representará um incremento de quase 40% na população do município, que é de aproximadamente 25,3 mil pessoas, segundo a mais recente estimativa do IBGE, feita em 2021.

Para tentar mitigar os efeitos dessa expansão populacional abrupta, ainda que temporária, no município, a empresa diz que segue a risca todas as normativas de segurança e oferece as melhores condições de trabalho, alojamento e assistência aos seus funcionários, bem como, exige o cumprimento das mesmas normas das prestadoras de serviço e terceirizadas.

O canteiro, por exemplo, conforme a companhia, tem um restaurante industrial que oferece alimentação elaborada por nutricionistas e com capacidade para atender, escalonadamente, todos os trabalhadores.

Também foi implantado no site da obra, um ambulatório completo de média complexidade, voltado para atender essa mão de obra e para não causar impactos na rede municipal de saúde. Essa unidade de saúde no canteiro conta com quadro médico e de bombeiros, disponível 24 horas, ambulância UTI e outra de remoção, em caso de necessidade.

O canteiro também conta com estrutura de apoio ao caminhoneiro e brigada de incêndio própria. Os colaboradores também têm à disposição no local um centro social para interação onde são feitas ações internas.

Além disso, a empresa está desenvolvendo uma série de ações voltadas para minimizar o impacto do empreendimento no município. No chamado Plano Básico Ambiental (PBA) estão sendo executadas 18 iniciativas.

Somente no Programa de Adequação de Infraestrutura estão sendo investidos pela companhia R$ 48 milhões nas áreas de saúde, educação, desenvolvimento social, habitação, segurança pública e segurança no trânsito do município.

Entre as várias ações implementadas estão apoio a projeto habitacional com a construção de cadas para famílias sem renda, construção de novas delegacia de Polícia Civil, nova base da PRF, melhoria da estrutura da PM, ampliação do hospital municipal para comportar 10 leitos de UTI e 20 novos leitos de enfermaria, apoio técnico a assentados para diversificar e ampliar a produção agrícola e pecuária, melhoria a qualidade do ensino público e apoio para o desenvolvimento territorial planejado.

O g1 entrou em contato com o prefeito de Ribas do Rio Pardo, João Alfredo (PSOL), para falar sobre o assunto, mas até a mais recente atualização desta matéria não obteve retorno.

O projeto

A construção da fábrica foi iniciada em maio de 2021. A companhia investe R$ 19,3 bilhões para instalar uma planta com capacidade de produção de 2,550 milhões de toneladas por ano – uma das maiores do mundo.

A previsão é que a indústria esteja em operação em 2024. Quando estiver produzindo, a fábrica vai empregar diretamente 3 mil colaboradores.

Fonte: O Correio News

FONTE: https://www.maisfloresta.com.br/obras-do-projeto-cerrado-em-ribas-do-rio-pardo-ms-vai-atingir-pico-de-10-mil-trabalhadores-agora-em-abril/?utm_campaign=noticias_da_semana_-_15_04-23&utm_medium=email&utm_source=RD+Station


Projeto Cerrado cria novo ciclo econômico em Rio Pardo, MS

São R$ 48 milhões de investimentos em melhorias na infraestrutura, segurança pública, saúde, educação e habitação em Ribas do Rio Pardo, no Mato Grosso do Sul. Ampliação do Hospital Municipal, construção de casas populares, implantação de uma nova delegacia e base da Polícia Rodoviária Federal, e a adequação viária do acesso à cidade, entre outras ações. Sobretudo, houve a geração de 10 mil empregos diretos no município, além dos indiretos. Essa extensa repercussão sócio-econômica está se processando através do Projeto Cerrado, que consiste na construção de uma fábrica de celulose de eucalipto da Suzano no município. Todas essas mudanças vêm acontecendo em Ribas do Rio Pardo que possui pouco mais de 20 mil habitantes, mas que espera uma ampla e duradoura transformação até o segundo semestre de 2024, quando as obras da megafábrica deverão ser concluídas. O Projeto Cerrado é um dos maiores investimentos privados em curso no Brasil e o maior empreendimento da história da Suzano. Serão mais de 19 bilhões de reais investidos na construção de uma fábrica com capacidade de 2,55 milhões de toneladas de celulose de eucalipto por ano. A fábrica de Ribas do Rio Pardo (MS) será a maior linha única de celulose de eucalipto do mundo e ampliará a capacidade de produção de celulose da empresa em aproximadamente 20%. A celulose é a matéria-prima utilizada na fabricação de papéis sanitários, embalagens, fraldas, máscaras e papéis de imprimir e escrever em geral, entre outros produtos essenciais para o dia a dia das pessoas.

REPERCUSSÃO SOCIAL A LONGO PRAZO

Conforme dados da Suzano, atualmente, a obra do Projeto Cerrado conta com mais de 8,5 mil trabalhadores. A previsão é que ao longo da execução do projeto serão criados 10 mil empregos diretos no pico da obra, gerando também milhares de empregos indiretos na região. E, após sua conclusão em 2024, quando entrar em operação, a nova fábrica terá 3 mil postos de trabalho, entre diretos e indiretos, atendendo as operações industrial e florestal da Suzano.

Entre os compromissos firmados com o município para a construção da fábrica está o Plano Básico Ambiental, com mais de 20 ações articuladas em conjunto e aprovadas pelo Conselho Municipal de Desenvolvimento Sustentável, formado por representantes dos poderes, Segurança Pública, e sociedade civil. Para executar essas ações a empresa investirá R$ 48 milhões na melhoria da infraestrutura, segurança pública, saúde, educação e habitação de Ribas do Rio Pardo. No pacote de projetos definidos pelo Conselho Municipal estão a ampliação do Hospital Municipal para comportar atendimentos de média complexidade (obra já em execução); o apoio a projeto habitacional com construção de casas populares para famílias sem renda inscritas no cadastro único do município; a adequação do trevo de acesso à cidade na BR-262; a implantação de uma nova delegacia da Polícia Civil e uma nova base para a Polícia Rodoviária Federal na BR-262; além de melhoria da estrutura física da Polícia Militar para comportar o aumento do efetivo, o que possibilitará a transformação do batalhão em companhia. Além das ações em contrapartida à construção da fábrica, a Suzano está investindo R$ 13,8 milhões em projetos para desenvolvimento social e geração de renda em Ribas do Rio Pardo. Esse investimento é uma ação voluntária da empresa, visando promover o desenvolvimento sustentável nas regiões onde atua. “Estamos dando a nossa contribuição e buscando proporcionar a toda a comunidade do município uma melhoria concreta na qualidade de vida por meio de investimentos robustos nas áreas de infraestrutura, segurança pública, saúde, educação e habitação. O sucesso do nosso negócio é fruto do desenvolvimento social e isso é um compromisso assumido e reafirmado com a construção da nossa nova fábrica neste município que tão bem nos acolheu”, afirma o diretor responsável pelas obras de implantação da nova fábrica de celulose, Maurício Miranda. Segundo Miranda, esse pacote social adicional será realizado de forma gradual e contempla 23 iniciativas sociais, que começaram a ser implantadas em 2022 e que seguirão até 2024, quando entra em operação a nova fábrica em Mato Grosso do Sul. “Ribas é um município que vai apresentar um dos maiores níveis de investimento do País nos próximos anos, sendo fundamental na geração de empregos. O Estado de Mato Grosso do Sul também tem a preocupação dos demais impactos, não só econômicos, por isso uma série de ações estão sendo tomadas, todas em curso dentro do cronograma”, afirmou Jaime Verruck, secretário da Semadesc (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação). Verruck destacou que entre as medidas do Estado no município estão as obras de infraestrutura urbana na cidade, na malha rodoviária, ações na segurança pública e na educação, com a ampliação da escola estadual e também cuidando das empresas locais, com orientação e assessoria para que elas tomem impulso nesta nova realidade. Outro foco é a qualificação profissional dos habitantes do município. “Serão geradas novas vagas de trabalho e queremos que as pessoas de Ribas consigam absorver estas vagas”.

Segundo o secretário, o impacto da nova fábrica vai representar 5% do crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) do Estado. “Por exemplo, a cidade no início da obra tinha 24 mil pessoas, depois quando terminar a fábrica vai chegar a 34 mil. A própria Suzano vai construir mil casas para os funcionários”, descreveu. As iniciativas sociais da Suzano, fora os compromissos em contrapartida à obra, também já estão em andamento desde o ano passado, tais como: Programa Suzano de Educação, Projeto SAF – Sistemas Agroflorestais, Banco de Reserva Alimentar, Programa Colmeias e Programa Agente do Bem. Para 2023, estão programados outros projetos visando a geração de renda em Ribas do Rio Pardo, tais como: o Projeto Pecuária, Economia Circular, Conselhos Comunitários, Projeto Empreendedorismo Jovem e Feminino, Viveiro de mudas nativas, artesanato e extrativismo, entre outros. “Para este ano está previsto ainda o principal aporte da empresa, quando serão investidos R$ 6,5 milhões em projetos e programas direcionados para a geração de trabalho e renda de comunidades vizinhas à fábrica em construção. Essa meta está em consonância com o nosso compromisso público de retirar 200 mil pessoas da linha da pobreza até 2030 em todas as regiões onde a Suzano mantém operações”, lembrou o diretor da nova fábrica, Maurício Miranda.

FONTE: https://revistaoe.com.br/projeto-cerrado-cria-novo-ciclo-economico-em-rio-pardo-ms/


Sigma Lithium está construindo fábrica no Vale do Jequitinhonha

A empresa de lítio Sigma Lithium está construindo uma planta de operações nos municípios de Itinga e Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha, cidades onde o lítio bruto é extraído.

Essa fábrica fará o beneficiamento do mineral para torná-lo um insumo pré-químico com alto teor de pureza, o que faz com que o preço da tonelada seja multiplicado por 100 (de cerca de US$ 60 a tonelada, para um valor ao redor de US$ 6.000).

A empresa vai pagar royalties sob seu faturamento e 60% do valor arrecadado fica com as próprias cidades.

Operação da Sigma

A construção da fábrica da Sigma Lithium está em andamento e o início do comissionamento da fase 1 do empreendimento está previsto para dezembro.

Todo o financiamento necessário para a operação já está garantido.

A empresa é um dos principais ativos do fundo de private equity A10 Investimentos, co-fundado pela co-CEO da Sigma, Ana Cabral-Gardner.

A empresa é listada na Bolsa de Toronto, no Canadá, e no ano passado fez um IPO na Nasdaq, onde suas ações são negociadas.

Preservação

Na questão ambiental, a operação da Sigma tem decisões estratégicas voltadas à preservação.

A empresa é abastecida por energia hidrelétrica, o beneficiamento do lítio implica em baixas emissões de carbono.

A água usada no processo, que vem do Rio Jequitinhonha, é tratada em uma estação interna de esgoto e 100% reciclada.

Os rejeitos de lítio são acomodados pelo método de empilhamento a seco, o que retira a necessidade de construção de barragens.

FONTE: https://www.otempo.com.br/opiniao/minas-s-a/sigma-lithium-esta-construindo-fabrica-no-vale-do-jequitinhonha-1.2740808


Maltaria recruta mais de 400 trabalhadores

Das 545 vagas abertas para a construção da Maltaria Campos Gerais, em Ponta Grossa, mais de 400 delas já foram preenchidas. A informação foi confirmada pela Agência do Trabalhador de Ponta Grossa, que realizou a oferta das vagas e a captação dos candidatos. A construtora já fez a seleção desses candidatos, resultando no preenchimento de cerca de 80% das vagas ofertadas. Entre os trabalhadores que procuraram a Agência em busca dessas oportunidades, também cerca de 80% foram recrutados pela empresa. Agora, dentro das próximas semanas, novas oportunidades serão ofertadas na cidade. O início das obras está previsto para o próximo mês.

De acordo com Nilton Bahls, diretor da Agência do Trabalhador de Ponta Grossa, há o avanço nos trâmites para a contratação desses trabalhadores. “Eles já foram selecionados e estão indo para a fase final para a contratação, que são a realização dos exames e a entrega dos documentos necessários, para que, nas primeiras semanas de março, eles já estejam realizando as atividades”, explicou o representante da secretaria municipal de Indústria, Comércio e Qualificação Profissional. Entre as vagas ofertadas estiveram serventes de obras, pedreiro, carpinteiro, armador, montador de andaimes, mestre de obras e motorista de ônibus.

Contudo, essas oportunidades são apenas para o arrancar das obras, e dentro das próximas semanas, novas vagas serão disponibilizadas, explica Bahls. “No começo de março teremos mais vagas, conforme o início e o avançar das obras. Então serão anunciadas, para as próximas semanas, novas vagas da construtora, a qual está responsável por construir a maltaria em Ponta Grossa”, ressaltou.

O objetivo é que as obras da maltaria sejam realizadas em cerca de 18 meses, com previsão de inauguração, da primeira fase de investimento, para setembro de 2023, para a inauguração no aniversário de 200 anos da cidade de Ponta Grossa, no dia 15 de setembro de 2023. Neste primeiro momento, o investimento estimado é superior a R$ 1 bilhão, podendo chegar nos R$ 3 bilhões, com a execução da segunda fase das obras, quando poderá se tornar a maior maltaria da América Latina.

Projeto é do intercooperativismo

A indústria de processamento de malte de cevada será construída às margens da PR-151, ao lado da Unidade de Beneficiamento de Leite (UBL) da Unium, nas proximidades da divisa com o município de Carambeí. O projeto é o fruto da intercooperação das cooperativas Agrária (Guarapuava), Bom Jesus (Lapa), Capal (Arapoti), Castrolanda (Castro), Coopagrícola (Ponta Grossa) e a Frísia (Carambeí). Na primeira etapa, a previsão é que a planta produza 240 toneladas de malte ao ano, cerca de 15% do volume do consumo atual do país.

 

FONTE: https://d.arede.info/ponta-grossa/412501/maltaria-recruta-mais-de-400-trabalhadores


Obras de maltaria em PG terão início em março

Maltaria Campos Gerais abre 545 vagas de trabalho para a construção civil. Previsão de conclusão é setembro de 2023

As obras da Maltaria Campos Gerais, em Ponta Grossa, começarão a ser movimentadas dentro das próximas semanas. A construtora responsável pela obra começará a disponibilizar vagas de emprego, no setor da construção civil, a partir da próxima semana em Ponta Grossa. Neste primeiro momento, haverá a contratação de 545 profissionais, e o recrutamento será realizado através da Agência do Trabalhador do município. As obras estão previstas para serem iniciadas em março, com previsão de conclusão para o mês de setembro de 2023 – a meta é inaugurar a primeira fase da maltaria no aniversário de 200 anos da cidade. O investimento total no empreendimento pode chegar a R$ 3 bilhões.

A Agência do Trabalhador já prepara um atendimento especial frente a isso, mas estará separando as seleções e limitando a quantidade de pessoas atendidas por dia, para evitar aglomerações neste momento de explosões de casos de covid. O secretário José Loureiro Neto relata que a seleção das vagas do setor da construção civil ocorrerá de forma fracionada por funções e por dias da semana. De segunda a quarta-feira (31/01 a 02/02) serão selecionadas, na sede da Agência do Trabalhador, as vagas para serventes de obra, para ambos os gêneros. “Trabalharemos no sistema de senhas limitadas a 300 pessoas por dia e todos os interessados nas vagas serão atendidos. Se necessário, aumentaremos os dias para cadastramento. Respeitaremos as medidas de saúde para o combate à covid-19, como o distanciamento entre as pessoas, o uso de máscara e álcool em gel”, destaca Loureiro.

Segundo informou o diretor da Agência do Trabalhador, Nilton Bahls, para estes três dias serão disponibilizadas 300 vagas para serventes de obras. “Depois, estaremos abrindo para as demais vagas na área da construção civil, nos próximos dias”, reforçou. Os trabalhadores selecionados deverão começar a trabalhar nas obras no início de março, logo após o Carnaval. Até lá, deverão ser realizadas as obras de terraplanagem no terreno, localizada às margens da PR-151, ao lado da Unidade de Beneficiamento de Leite da Unium, nas proximidades da fábrica da DAF. O investimento será executado pelas cooperativas Agrária, Frísia, Castrolanda, Capal, Bom Jesus e Coopagrícola, e, quando pronta, a fábrica estará apta para produzir 240 toneladas de malte por ano.

Prefeita exalta o aquecimento da economia municipal

Além desses postos de trabalho da maltaria, a Agência do Trabalhador está ofertando outras centenas de vagas para a próxima semana, totalizando mais de mil oportunidades de emprego. “Nesta segunda, o trabalho será redobrado: montamos uma equipe especial para atender estas mais de mil vagas. É um fato inédito para a Agência”, disse Bahls. Para a prefeita Elizabeth Schmidt estes números demonstram que o momento econômico de Ponta Grossa está em evolução mesmo em tempos duros de pandemia. “Este recorde é reflexo deste cenário diferenciado que vivemos, diferente de outras cidades do Paraná e do Brasil. Somos referência no interior do Paraná em recolhimento de ICMS, o que demonstra que a cidade está produzindo, empregando e gerando riquezas, mesmo com todas as dificuldades. Damos as boas-vindas para a Maltaria Campos Gerais que alavancou, já no início do ano, a oferta de trabalho em Ponta Grossa”, frisou. Entre essas oportunidades estão 355 vagas para diversas áreas, 30 vagas para o setor de produção, com disponibilidade de viagem e 75 vagas de estágio para cursistas de ensino técnico e ensino superior.

 

FONTE: https://d.arede.info/ponta-grossa/409911/obras-de-maltaria-em-pg-terao-inicio-em-marco


Estado entrega licença ambiental para primeira fase de construção da Maltaria Campos Gerais

O Governo do Estado entregou nesta sexta-feira (7) a licença ambiental de instalação para a primeira fase de construção da Maltaria Campos Gerais, durante a inauguração do Centro de Eventos da Cooperativa Agrária Agroindustrial, em Guarapuava, no Centro-Sul do Estado. O documento foi entregue ao presidente da cooperativa, Jorge Karl, pelo secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, representando o governador Carlos Massa Ratinho Junior — que não pôde comparecer por conta do diagnóstico de Covid-19.

O empreendimento será construído em um terreno de 395 mil metros quadrados, localizado no km 318 da PR-151, na cidade de Ponta Grossa (Campos Gerais), e o investimento estimado é de R$ 1,5 bilhão. “Quero entregar a licença de instalação para as novas estruturas que estão sendo montadas na Maltaria e agora a equipe do IAT entregará a futura licença em tempo recorde”, comemorou Sandro Alex.

A licença contempla uma série de requisitos exigidos para empreendimentos de grande porte, como plano de controle ambiental, outorga de lançamento e captação, entre outras exigências. “A elaboração da licença ambiental seguiu todos os ritos necessários e contempla a segurança técnica e jurídica para a instalação de empreendimentos de grande porte”, lembrou o diretor-presidente do Instituto Água e Terra (IAT), Everton Souza.

O documento é válido para a obra como um todo, já que, além da Agrária, o projeto de intercooperação reúne as cooperativas Bom Jesus (Lapa), Capal (Arapoti), Castrolanda (Castro), Coopagrícola (Ponta Grossa) e a Frísia (Carambeí). Na primeira etapa, a previsão é que a planta produza 240 toneladas de malte por ano, cerca de 15% do volume do consumo atual do País.

ETAPAS – A construção da maltaria será feita em duas etapas. A previsão é que a primeira fase seja concluída até 2028, e a segunda parte dos investimentos finalize em 2032. O empreendimento deve gerar cerca de 3 mil empregos diretos e indiretos, além de beneficiar aproximadamente 12 mil cooperados das seis entidades. As cooperativas envolvidas no projeto passaram a receber o acompanhamento dos técnicos da Invest Paraná para a concretização do investimento.

PRESENÇAS – Participaram do evento o prefeito de Guarapuava, Celso Góes; o vice-prefeito Samuel Ribas de Abreu; o secretário estadual do Planejamento, Valdemar Jorge; o diretor-presidente do IDR-Paraná, Natalino Avance de Souza; o presidente em exercício da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Manoel Luiz de Azevedo; a deputada federal Aline Sleutjes; o deputado federal Reinhold Stephanes Junior; os deputados estaduais Artagão de Mattos Leão e Cristina Silvestri; a gerente-geral da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Tânia Zanella; e demais autoridades, entre outras autoridades.

 

FONTE: https://www.aen.pr.gov.br/Noticia/Estado-entrega-licenca-ambiental-para-primeira-fase-de-construcao-da-Maltaria-Campos-Gerais


Ribas do Rio Pardo é o município campeão na geração de empregos em MS; confira o ranking

A geração de empregos formais — aqueles com carteira assinada — tem colocado o município de Ribas do Rio Pardo em destaque em Mato Grosso do Sul. Pelo critério tradicional, que leva em conta a diferença entre o número de admitidos e o de desligados, o município está em 5º lugar, atrás de Campo Grande, Dourados, Três Lagoas em Corumbá, mas já ultrapassou Ponta Porã.

Uma análise com os números do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho) com outros fatores que compõem esse conjunto de informações, coloca Ribas do Rio Pardo em primeiro lugar. Isso porque o município tem a maior Variação Relativa (VR) do Estado, com 25,29%. A VR toma como referência o estoque de empregos do mês atual e compara com o mesmo mês do ano anterior. Como a análise foi feita em cima dos doze meses de 2021 e 2020, Ribas do Rio Pardo tem estoque, que, neste caso, é a quantidade de vínculos celetistas ativos, ou seja, outros trabalhadores que já estão com a carteira de trabalho assinada, levando-se em consideração o tamanho da população.

Em uma análise quantitativa, os dez maiores municípios de Mato Grosso do Sul em termos de geração de empregos pelo saldo acumulado — diferença entre contratações e demissões — de 2021 são: Campo Grande, com 13.369 empregos formais, seguido por Dourados (4.038), Três Lagoas (2.590), Corumbá (1.767), Ribas do Rio Pardo (1.215), Ponta Porã (1.189), Aparecida do Taboado (902), Maracaju (754), Rio Brilhante (638) e Naviraí (631).

Partindo para a Variação Relativa, o estoque de empregos com carteira assinada e o tamanho da população atual, o ranking de Mato Grosso do Sul muda completamente. Neste caso, Ribas do Rio Pardo aparece em primeiro lugar com uma VR de 25,29% e um estoque de empregos celetistas de 6.019, seguido por Selvíria (18,76% e 1.779); Terenos (17,64% e 3.121); Tacuru (14,31% e 607); Antônio João (13,92% e 761); Bodoquena (13,39% e 991); Taquarussu (13,28% e 290); Água Clara (13,08% e 5.127); Aparecida do Taboado (12,97% e 7.856) e Douradinha (12,53% e 458).

A celulose que vem transformando Ribas do Rio Pardo

O prefeito de Ribas do Rio Pardo, João Alfredo Danieze, destacou que esses números vêm da instalação de uma fábrica de celulose. O investimento é da Suzano, por meio do Projeto Cerrado, que vai exigir uma soma de recursos na ordem de R$ 14,7 bilhões. “É um projeto de grande magnitude que se iniciou em maio de 2021. Hoje, são 2.500 trabalhadores na construção da fábrica. Em julho serão 5 mil. Há dois canteiros de obras: uma na fábrica e outro na cidade. Em fevereiro de 2023, serão 10 mil trabalhadores. Nos próximos cinco anos, a cidade vai precisar de 5 mil trabalhadores na construção civil e em 2026 Ribas do Rio Pardo terá 12 mil novos habitantes”, detalhou o prefeito João Alfredo Danieze, que reconheceu a falta de mão de obra qualificada e que o município vive um problema de especulação imobiliária.

FONTE: https://midiamax.uol.com.br/cotidiano/economia/2022/ribas-do-rio-pardo-e-o-municipio-campeao-na-geracao-de-empregos-em-ms


Orla de Matinhos terá projeto executado por 7 empresas; veja as vencedoras da licitação

Foram confirmadas na quinta-feira (4) as empresas vencedoras da licitação para executar o projeto de revitalização da orla de Matinhos. O Consórcio Sambaqui, formado pelas empresas Castilho, Tucumann, Jan de Nul, Codrasa, Dang, Serra da Prata e Soebe, foi oficializado como o vencedor do processo, e terá, a partir da assinatura da ordem de serviço, um prazo de 32 meses para concluir os trabalhos.

O consórcio ofereceu o menor preço para executar a obra: R$ 314,9 milhões, com um desconto de aproximadamente 17,5% em relação ao preço orçado pelo Instituto Água e Terra (IAT), que chegou a R$ 381,7 milhões.

O projeto de revitalização da Orla de Matinhos é alvo de denúncias do Ministério Público do Paraná (MPPR), que propôs ação civil pública e ação penal. O MPPR apontou irregularidades e falta de transparência nos processos de licenciamento ambiental e pediu a suspensão da licença, bem como do processo licitatório.

Detalhes do consórcio

Pela proposta enviada ao Instituto Água e Terra (IAT), às empresas Castilho, Tucumann, Codrasa, Dang, Serra da Prata e Soebe caberá os trabalhos de execução das estruturas marítimas semirrígidas e da construção dos canais de macrodrenagem e das redes de microdrenagem. Além disso, elas terão a responsabilidade de execução da revitalização urbanística da orla marítima e da pavimentação e recuperação das vias.

Já a empresa Jan de Nul será a única responsável pelo serviço de dragagem e bombeamento de material até a praia, além de também cuidar da supervisão e da coordenação do espalhamento da areia da praia. A remuneração para este serviço, segundo a proposta do consórcio, ainda será definida em um documento específico a ser elaborado pelas partes.

Quem são as empresas?

Castilho

A Castilho Engenharia e Empreendimentos S/A é uma empresa sediada em Curitiba e especializada em construções pesadas e serviços de engenharia. Fundada em 1958, a Castilho foi a escolhida como líder do consórcio. Em seu site oficial, a empresa contabiliza mais de 250 obras em todo o Brasil e também no Peru.

Entre seus clientes de obras anteriores, a Castilho apresenta nomes como Petrobrás, DNIT e Eletrobras/Eletrosul, além das prefeituras de Curitiba e Capanema. CCR Rodonorte e Cart-Concessionária Rio Teresópolis também figuram entre os clientes.

Tucumann

A Tucumann Engenharia e Empreendimentos Ltda. foi fundada em 1990 e é sediada em Curitiba. Especializada em obras de urbanização e construção marítima, a empresa cita em seu site oficial o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR) como um de seus principais clientes.

A empresa também cita parceria de sucesso com a concessionária Caminhos do Paraná, e os trabalhos executados no Lote 4 do Anel de Integração do Paraná – que corresponde aos trechos das BRs entre Balsa Nova e Guarapuava, Araucária e Lapa, Ponta Grossa e Prudentópolis e da PR entre Porto Amazonas e Lapa.

Jan de Nul

A Jan de Nul do Brasil Dragagem Ltda. é o braço brasileiro de uma empresa sediada na Bélgica cujas origens remontam ao ano de 1849. Especializada em serviços de dragagem, a Jan de Nul ostenta em seu site oficial mais de 140 projetos espalhados por todo o mundo. Um deles é a ilha artificial Palm Island II, onde foi construído um condomínio de luxo em Dubai – na obra foram movimentados mais de 200 milhões de metros cúbicos de areia.

Cinco desses projetos estão na América do Sul, nenhum deles no Brasil: a dragagem do canal de acesso ao porto de Guayaquil, no Equador; três obras na Argentina: a dragagem nos portos de Ushuaia e Quequén e a construção de um gasoduto em Veja Pleyade; e o Projeto Taurus, em Montevidéu, de construção de um novo terminal no porto da cidade – na ocasião, a empresa afirma ter movimentado 850 mil metros cúbicos de areia em menos de três meses.

Codrasa

Das empresas participantes do Consórcio Sambaqui, a Codrasa Construtora S/A é a que tem menos informações disponíveis publicamente. Em sua ficha de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, não há outros dados disponíveis além do ano de fundação, 2005, e do endereço da sede, no bairro de Pinheiros, em São Paulo.

O site oficial traz apenas o nome da empresa, e o e-mail de contato de seu responsável junto ao consórcio está registrado em um domínio de outra construtora, cujo site traz os mesmos dados fiscais da Codrasa. Não há também dados adicionais de contratos, de linhas de fornecimento e de outras licitaçõesdisputadas pela empresa no site oficial de compras do governo federal. A empresa não respondeu à tentativa de contato da reportagem.

Dang

A Dang Construtora de Obras Ltda. é outra empresa do consórcio sediada em Curitiba. Fundada em 1999, a Dang também é especializada em obras marítimas e de contenção. Entre as obras em execução em destaque em seu site oficial estão a elaboração do projeto executivo e a execução das obras de ampliação do aterro da faixa de pista de pouso e decolagem do aeroporto de Foz do Iguaçu.

Entre as obras já realizadas estão a contenção dos rios Bacacheri Mirim e a drenagem, perfilamento e implantação de galerias na bacia do Rio Pilarzinho, em Curitiba. Ainda há registros de serviços de revestimento de canal do Rio Jaguaribe, em Salvador; e a construção de barramento no Córrego Tanque Velho, em Ferraz de Vanconcelos, em São Paulo.

Serra da Prata

A Construtora Serra da Prata Ltda. é sediada em Paranaguá e foi fundada em 1990. Entre as especialidades da empresa está a construção de pontes e terraplenagem. Em seu site, a Serra da Prata destaca obras executadas em Santa Catarina, Bahia, Alagoas e Maranhão, além de ações nos portos de Antonina e Paranaguá.

Soebe

A Soebe Construção e Pavimentação S.A. é uma empresa paulista fundada em 1973 e sediada no bairro do Jaraguá, em São Paulo. Em seu site, a Soabe informa que oferece os serviços de terraplenagem, pavimentação, drenagem, saneamento, canalização, pontes e viadutos e obras civis.

Em suas redes sociais, a empresa destaca a atuação em obras como o recape em um trecho da Marginal Pinheiros, uma das vias mais movimentadas da capital paulista. Há também a citação à participação em um consórcio com o Departamento de Águas e Energia Elétrica do estado de São Paulo (DAEE), que prevê serviços de operação de reservatórios de retenção de cheias, manutenção e limpeza nas bacias hidrográficas do alto do Tamanduateí, Pirajuçara e Ribeirão Vermelho.

FONTE: https://tribunapr.uol.com.br/noticias/parana/orla-de-matinhos-tera-projeto-feito-por-sete-empresas-veja-as-vencedoras-da-licitacao/


Obras da engorda de Matinhos começam após o Carnaval, informa consórcio responsável

A obra de engorda na orla de Matinhos cidade foi pauta de duas reuniões que aconteceram nesta quarta-feira (23) no gabinete provisório do prefeito Zé da Ecler. Primeiramente, o prefeito recebeu os representantes da empresa Jan de Nul, que será responsável pela dragagem na orla. Entre os que foram até o gabinete, estava o diretor da empresa, o belga Dieter Dupuis.

Na sequência, o prefeito esteve com os representantes do Consórcio Sambaqui –  formado pelas empresas Castilho, Codrasa, Tucumann, Jan de Nul, Dang, Serra da Prata e Soebe –, que irá tocar as obras, e do Instituto Água e Terra, órgão do Governo Estadual que realizou a licitação.

Nos encontros, foram tratados do início dos trabalhos e os locais utilizados para a armazenagem de equipamentos.

A obra começa logo após o Carnaval, partindo dos balneários até chegar ao Centro. Isso porque, conforme explicaram os representantes do comércio, são necessários três quilômetros para a extensão dos tubos que serão usados. O material vem de Santa Catarina e do Espírito Santo e será armazenado no balneário Flórida e na região da rotatória da avenida Curitiba.

Uma parte do antigo Fetiep, onde funciona a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, será cedida para a instalação do escritório do Consórcio Sambaqui.

Durante a conversa com o prefeito Zé da Ecler, o gerente do consórcio, Elvio Torres, afirmou que o serviço na orla vai gerar pelo menos 350 empregos diretos – e por volta de 1.400 empregos indiretos. O prefeito Zé da Ecler reforçou a importância da utilização de mão de obra matinhense nos trabalhos. Ainda segundo Zé, a Administração Municipal se prontifica a ajudar no que for possível para o andamento da obra.

Como será a obra

De acordo com o Governo do Estado, as obras de recuperação da orla de Matinhos preveem investimentos de mais de R$ 500 milhões. Serão duas etapas, com a primeira fechada em quase R$ 315 milhões. Segundo o IAT, o objetivo da obra é minimizar os impactos gerados pela combinação do desequilíbrio de sedimentos, ocupações mal planejadas e as ressacas.

O Consórcio Sambaqui deve realizar serviços de engorda da faixa de areia por meio de aterro hidráulico; estruturas marítimas semirrígidas; canais de macrodrenagem e redes de microdrenagem; e revitalização urbanística da orla marítima com o plantio de árvores nativas. Também serão realizadas melhorias na pavimentação asfáltica e a recuperação de vias.

Nos primeiros 6,3 quilômetros, do balneário Flórida até a Avenida Paraná, serão instalados ainda dois guias correntes, dois headlands e um espigão.

Em uma segunda etapa, será recuperado trecho de 1,7 quilômetro entre os balneários Flórida e Saint Etienne. Também serão instalados novos equipamentos urbanos: ciclovia, pista de caminhada e corrida, pista de acessibilidade e calçada.

Presenças – Ainda estiveram no gabinete do prefeito nesta quarta para falar sobre a orla o diretor de Saneamento e Recursos Hídricos do IAT, José Luiz Scroccaro; e o gerente de Saneamento do instituto, Carlos Roberto Galerani. Pela gestão municipal, estavam a primeira-dama, Regina Viana; o chefe de Gabinete, Carlos Valderi; o secretário de Meio Ambiente, Ari Nomax; e o diretor da Secretaria de Obras e Planejamento Urbano, Maurício Piazzetta.

Representando o Legislativo, estavam os vereadores Nando (Pode) e Lucas Pesco (PSC). A reunião também foi acompanhada pelo empresário Luciano Chamano.

 

FONTE: https://www.correiodolitoral.com/48612/noticias/reportagem/obras-da-engorda-de-matinhos-comecam-apos-o-carnaval-informa-consorcio-responsavel/


Heineken estuda cidades para receber sua fábrica de R$ 1,8 bilhão no Brasil

Cidades mineiras candidatas para receber a primeira fábrica da Heineken construída no Brasil estão sendo avaliadas pela holandesa

Editado em 21/02/2022
A Heineken, segundo maior grupo cervejeiro presente no Brasil, está evoluindo nas análises de qual cidade mineira irá receber sua nova fábrica no Brasil, a primeira construída pela gigante no país.

A multinacional desmentiu que anunciará um lista mais restrita dos municípios que estariam numa na reta final da disputa. O local da fábrica em Minas deverá ser decidido até o final de abril, de acordo com a empresa.

A corrida para receber a nova fábrica da Heineken tem sido acirrada no último mês com mais de 200 cidades mineiras se candidatando para receber o projeto que contará com aporte de cerca de 1,8 bilhão de reais da multinacional.

Todo este movimento ocorreu após a desistência da Heineken no início deste ano de um projeto de fábrica na cidade de Pedro Leopoldo, na região metropolitana de Belo Horizonte, devido a problemas de viabilidade ambiental. A Heineken, porém, manteve o compromisso de permanecer com o investimento dentro do estado de Minas Gerais.

De acordo com o jornal O Tempo, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, externou sua preferência de que a cidade escolhida fosse a de Uberaba, que já possui a fábrica de uma gigante do mercado nacional em seu município. Porém o governante reiterou que a decisão da empresa será estritamente técnica.

Segundo fontes, a Heineken exige três fatores para instalar sua fábrica em Minas Gerais. O terreno para instalação necessita ter ao menos 50 hectares, ser plano e ter água corrente para a produção da cerveja e de preferência pertencer a iniciativa privada. Facilidade logística para distribuição é também um ponto importante para a tomada de decisão.

A fábrica será o primeiro investimento na construção de uma unidade de produção no Brasil da holandesa. Todas as cervejarias da Heineken presentes no país são oriundas de sua série de aquisições implementadas no mercado nacional, onde a mais importante foi a compra da Brasil Kirin em 2017. Atualmente, o Brasil é o maior mercado do mundo da Heineken.

Disputa das cidades por fábrica em Minas Gerais da Heineken tem alguns destaques

Entre as cidades que estão no páreo para receber o projeto estão Juiz de Fora, cidade-polo da Zona da Mata, as cidades históricas Mariana e Ouro Preto, Pirapora, situada às margens Rio São Francisco, na região norte de Minas e Frutal, Patrocínio e Uberaba, no Triângulo mineiro.

De acordo com o jornal O Tempo, a cidade de Ouro Preto, por exemplo, levantou diversas áreas com potencial para apresentar à cervejaria que se adequam as exigências realizadas pela empresa e, além disso, expôs um plano de marketing com o turismo da cidade.

O jornal mineiro mencionou ainda o retorno da cidade de Pedro Leopoldo a disputa, dentre os encontros que têm acontecido dentro da corrida da cidade para receber a instalação da fábrica.

A nova cervejaria deverá contar com capacidade de produção de 760 milhões de litros por ano e ajudará a compor o volume destinado a vendas crescentes no sudeste dentro do portfólio da Heineken.

 

FONTE: https://catalisi.com.br/heineken-cidades-finalistas-para-receber-sua-fabrica-minas/


Heineken vai anunciar 'cidades finalistas' para sediar nova fábrica

Mais de 210 cidades mineiras entraram na disputa para abrigar a nova fábrica da Heineken, já que a empresa desistiu de instalar uma unidade de produção em Pedro Leopoldo, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), no fim do ano passado. Com a “corrida”,  criou-se muita expectativa para saber qual será o município escolhido para receber a nova instalação da cervejaria. O suspense está próximo do seu final.

Até o fim de fevereiro, a Heineken deverá anunciar o local escolhido em Minas Gerais para receber a nova fábrica, que terá investimentos de R$ 1,8 bilhão,  com uma produção prevista de 760 milhões de litros por ano, com capacidade para atender toda a região Sudeste. Embora mais de duas centenas de cidades tenham entrado na “corrida”, nos próximos 15 dias a lista deverá ficar menor, com os municípios classificados para a “reta final” da disputa pela indústria.

A informação foi divulgada nesta sexta-feira (28/01) pelo secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, em Montes Claros, no Norte de Minas, ao participar de um encontro com empresários do “Clube de Permuta” da cidade. Ele ministrou uma palestra sobre os investimentos em Minas Gerais e as medidas adotadas pelo Governo Estadual para atração de novos empreendimentos, principalmente no tocante à eliminação da burocracia e à agilização de licenças ambientais.
Passalio confirmou que mais de 210 cidades mineiras se candidataram para receber o novo empreendimento, lembrando também que a cervejaria fez o compromisso de manter o investimento no estado.
“Estamos auxiliando a empresa na captação de propostas e no envio delas para que a empresa possa ter a liberdade, dentro dos critérios técnicos por ela definidos, (de escolher) onde ela vai fazer (instalar) nova planta”, afirmou o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico. “O anúncio  deve ser feito até o fim de fevereiro”, revelou Passalio.
Entre as mais de 210 cidades que entraram no páreo da disputa pela nova planta da Heineken, estão municípios das diversas regiões mineiras, entre as quais Juiz de Fora, cidade-polo da Zona da Mata, as históricas Mariana e Ouro Preto (Região Central), Pirapora, situada às margens Rio São Francisco, no Norte de Minas; Santa Rita do Sapucaí, no Sul do estado; Frutal, Patrocínio e Uberaba, no Triângulo.
Mas quais são as cidades que mais têm chances de vencer a disputa pela nova indústria? Por enquanto, essa informação é guardada a sete chaves. Os  representantes do Governo do Estado evitam fazer qualquer divulgação ou comentário sobre quais municípios têm mais possibilidades de sediar a cervejaria. Eles alegam que o Governo Estadual apenas encaminhou as informações fornecidas pelos municípios interessados à Heineken, e que somente a empresa dará a palavra final sobre a escolha.
Por outro lado, o secretário Fernando Passalio deixou escapar que, dentro dos próximos 15 dias, deverá ser divulgada uma “lista menor dos municípios que estão na reta final”, após uma primeira triagem entre as mais de 210 cidades que entraram na corrida pelo empreendimento.

Passalio disse que a Heineken definiu alguns critérios para os municípios se candidatarem ao recebimento da nova fábrica de cerveja, entre os quais: disponibilidade de um terreno com área  mínima 150 hectares, “ter um rio próximo com uma vazão mínima que eles (a empresa) determinarem” e ainda aspectos relacionados à logística e à mão-de-obra. "São vários fatores que eles colocaram que vão servir e vão pesar na escolha”, afirmou o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico.

A Heineken anunciou a desistência da instalação da nova indústria em Pedro Leopoldo em dezembro, depois de enfrentar problemas de ordem ambiental. O projeto da cervejaria no município gerou polêmica, porque as instalações ficariam em uma região próxima ao sítio arqueológico onde foi encontrado o crânio de ‘Luzia’, mais antigo fóssil humano das Américas.
Ao  anunciar o cancelamento dos planos para Pedro Leopoldo, o diretor de Assuntos Corporativos do grupo no Brasil, Mauro Homem, garantiu que a empresa iria manter o projeto de uma nova planta em Minas Gerais.
FONTES: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2022/01/28/interna_gerais,1341093/heineken-vai-anunciar-cidades-finalistas-para-sediar-nova-fabrica.shtml

 


Projeto de lítio da Sigma avança no Jequitinhonha

As obras de implantação da unidade de produção e beneficiamento de lítio da Sigma Mineração, no Vale do Jequitinhonha, seguem a todo vapor. Cerca de R$ 650 milhões do montante de R$ 1,2 bilhão que compreende a primeira fase, já foram investidos na preparação da área, incluindo a terraplanagem que já está 67% concluída, a fundação e parte da compra de equipamentos. O restante (R$ 550 milhões) será destinado às obras civis, que terão início até meados de abril, bem como à finalização da compra e montagem dos equipamentos e abertura da mina para extração do minério.

As informações são da Co-CEO da Sigma, Ana Gardner. Segundo ela, o complexo, denominado Grota do Cirilo, que está sendo implantado em duas fases nos municípios de Itinga e Araçuaí, vai produzir 440 mil toneladas de concentrado de lítio grau bateria de alta pureza ao ano. A primeira etapa deverá entrar em operação até o fim de 2022 e a segunda, que deverá consumir mais R$ 1 bilhão em investimentos, em 2023.

“Trata-se da primeira unidade greentech do setor mineral no mundo, incluindo emissão mínima de gás carbônico. É um marco para a região do Vale do Jequitinhonha e para o mercado de baterias avançadas. A próxima fase de investimento avançará à medida em que o projeto for se desenvolvendo. Mas estamos falando de um segmento de alto valor agregado e que cresce 25% ao ano”, destaca.

Outra importante etapa do processo diz respeito ao embarque de concentrado de lítio para os clientes, uma vez que o material produzido pela companhia será praticamente todo exportado, já que não existem fabricantes nacionais de baterias de lítio, comumente usadas na fabricação de smartphones, tablets e veículos elétricos. Então, a empresa vai beneficiar quimicamente o lítio extraído em terras mineiras e repassar aos fabricantes de baterias – processo que é feito hoje, quase que totalmente, na Ásia.

Conforme Ana Gardner, a intenção é iniciar a comercialização também ainda em 2022. Para isso, o processo para obtenção da licença operacional, junto ao governo do Estado, já foi iniciado.

Contratos

Paralelamente, a Sigma segue trabalhando na parte comercial e financeira do complexo. Vale dizer que a produção da primeira fase já está toda contratada. Em junho de 2020, o DIÁRIO DO COMÉRCIO noticiou que a Sigma havia fechado contrato de US$ 27 milhões pela venda antecipada para a japonesa Mistui por cinco anos. Além disso, a companhia também já tem contrato firmado com a LG Energy – segundo maior produtor de baterias avançadas do mundo e fornece para Volkswagen, GM, Stellantis, Porsche e Audi.

Outro ponto destacado pela Co-CEO da Sigma é que a planta será a maior unidade tecnológica do mundo no setor mineral produtora de lítio com grau de bateria de alta pureza, recirculação de água em 100% e empilhamento a seco de 100% dos rejeitos. “A fábrica já nasce sustentável com valores da ESG, preocupação sustentável e ambiental, além de fornecer os insumos para as maiores fabricantes de baterias do mundo que ficam na Europa e nos Estados Unidos. Isso faz com que o Vale do Jequitinhonha tenha mais visibilidade e consiga mais investimentos para o setor”, conclui.

FONTES: https://diariodocomercio.com.br/economia/projeto-de-litio-da-sigma-avanca-no-jequitinhonha/


Empresa de engenharia contrata para obra da fábrica da Heineken em Minas Gerais

Com um investimento de R$ 1,8 bilhão, a cervejaria Heineken iniciará às obras para a instalação de uma fábrica na cidade de Pedro Leopoldo, na região metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com informações do Diário do Comércio, as contratações para trabalho no canteiro de obras já forma iniciadas.

A empresa curitibana Tucumann Engenharia será responsável pelas obras. A empresa está recebendo currículos para vagas na execução de terraplanagem e drenagem do terreno. Confira a relação de vagas:

  • Engenheiro de Segurança
  • Técnico de Segurança
  • Técnico de Meio Ambiente
  • Auxiliar Técnico
  • Topógrafo
  • Auxiliar de Topografia
  • Técnico de Qualidade
  • Laboratorista
  • Auxiliar de Laboratório
  • Auxiliar Administrativo
  • Compras
  • Auxiliar de RH
  • Almoxarife
  • Faxineira
  • Supervisor de Mecânico
  • Mecânico
  • Auxiliar de Mecânica
  • Mecânico
  • Borracheiro

E não para por aí! A empresa de engenharia também está recebendo currículos para vagas nas áreas de elétrica e operação de equipamentos. Confira:

  • Eletricista de Equipamentos Pesados
  • Lubrificador
  • Auxiliar de Lubrificação
  • Abastecedor
  • Encarregado de Frente – Terraplanagem
  • Encarregado de Frente – Drenagem
  • Feitor – Drenagem
  • Greidista
  • Apontador
  • Auxiliar de Obras
  • Motorista de Caminhão Comboio
  • Motorista de Ônibus
  • Motorista de Caminhão Basculante
  • Motorista de caminhão Pipa
  • Motorista de Caminhão Munck
  • Motorista de Caminhão Prancha
  • Motorista de Veículo Leve
  • Operador de Equipamentos de Pequeno Porte
  • Operador de Escavadeira Hidráulica
  • Operador de Retroescavadeira
  • Operador de Trator de Esteira
  • Operadora de Trator Agrícola
  • Operador de Rolo Compactador
  • Operador de Motoniveladora

Como se candidatar

Os interessados em alguma das vagas devem enviar currículo para o e-mail vagas.tucumann@gmail.com.

Com 30 anos de atuação, a Tucumann Engenharia está consolidada no mercado de construção civil com obras de grande porte na América Latina e utiliza o conhecimento acumulado em anos de história para desenvolver projetos para os mais diversos setores.

FONTE: https://maisminas.org/oportunidades/2021/07/20/empresa-de-engenharia-contrata-para-obra-da-fabrica-da-heineken-em-minas-gerais/


Cervejaria Heineken irá iniciar obras de construção da nova fábrica, no estado de Minas Gerais

A nova fábrica da Heineken será construída em Pedro Leopoldo, localizada na região metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais

As obras para a construção da nova fábrica da Heineken, em Pedro Leopoldo, no estado de Minas Gerais, estão prestes a começar. Seis meses após o anúncio oficial da instalação de uma fábrica da Heineken no estado, a empresa está no aguardo da emissão de licenças por parte da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais. Veja ainda: Nova fábrica de carros elétricos será construída em Minas Gerais, com investimentos de 25 bilhões de reais e haverá geração de 10 mil empregos.

Detalhes sobre a execução das obras da nova fábrica da Heineken, em Minas Gerais

A empresa Tucumann Engenharia, da cidade de Curitiba, no Paraná, irá executar as obras e já disponibiliza vagas para a execução de atividades de terraplanagem e drenagem no terreno que receberá a fábrica. O novo empreendimento da Heineken já recebeu aportes de R$ 1,8 bilhão e será a 16ª fábrica do grupo no Brasil.

Em maio, foi noticiado que a cervejaria Heineken já havia adquirido um terreno do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), teria comprado uma área da Precon Engenharia, e negociava outras ao redor. Na época, a empresa não comentou o assunto, mas a reportagem teve acesso a documentos e informações que indicam que a construção será nas proximidades de onde seria o empreendimento. Uma fonte relacionada às negociações, que pediu para não ser identificada, detalhou que a instalação da cervejaria ocorrerá em uma junção de quatro terrenos.

A Heineken desta vez divulgou que, em breve, dará início à terraplanagem do terreno de sua futura fábrica em Pedro Leopoldo e que a empresa contratada está recrutando profissionais para esse trabalho. A empresa ressaltou que está aguardando a licença ser emitida pelo órgão responsável do estado de Minas Gerais.

Estado de Minas Gerais com grandes unidades do ramo de cervejaria

Com a chegada da Heineken, o estado de Minas Gerais passa a abrigar fábricas de grandes marcas com operações no Brasil, como Ambev e Grupo Petrópolis. Vale dizer que a informação da escolha do Estado para a implantação da unidade foi antecipada em fevereiro do ano passado. Em dezembro, o governador Romeu Zema (Novo) anunciou oficialmente o aporte, por meio de um vídeo publicado nas redes sociais.

Veja ainda: Com investimento bilionário, estado de Minas Gerais irá receber 3 fábricas de latas de alumínio

A Abralatas (Associação Brasileira de Fabricantes de Latas) divulgou que três projetos de fabricantes de latas estão em andamento para instalação de novas fábricas dentro do estado de Minas Gerais, fortalecendo a oferta de latas de alumínio no Brasil. As empresas Crown Embalagens, a Ball e a Ardagh Group, irão realizar investimentos de R$ 3 bilhões até o final do triênio 2020-2022 em três novas unidades de produção de latas de alumínio, espalhadas no estado mineiro.

A multinacional Crown Embalagens, uma das mais importantes fabricantes de latas de alumínio para cerveja, refrigerantes, sucos e chás, do Brasil, anunciou investimento em Minas Gerais para instalação de nova fábrica em 2022 para a produção de 2,4 bilhões de latinhas, e promete gerar muitas vagas de emprego na região.

Já a empresa norte-americana Ball Corporation irá investir R$ 504 milhões em nova fábrica de embalagens de alumínio em Frutal, no estado de Minas Gerais. Com o investimento, essa fábrica será a maior sede de embalagens de alumínio para bebidas. 100 novos empregos podem ser gerados.

FONTE: https://clickpetroleoegas.com.br/cervejaria-heineken-ira-iniciar-obras-de-construcao-da-nova-fabrica-no-estado-de-minas-gerais/


Em Minas Gerais, a Log Commercial irá realizar investimento de R$ 2,5 bilhões e tem projetos para a construção de novos empreendimentos

Além de Minas Gerais, a empresa especializada em aluguel de galpões e condomínios logísticos, tem planos de construção em outros estados

A Log Commercial Properties, acaba de rever, mais uma vez, seu plano de expansão. Lançado em 2019, o plano da empresa especializada em aluguel de galpões e condomínios logísticos, que tem os donos da MRV como principais acionistas, previa investimentos de R$ 1,5 bilhão entre 2020 e 2024, para a construção de 1 milhão de metros quadrados. Agora, a estratégia prevê aportes de R$ 2,5 bilhões e a construção de 1,5 milhão de metros quadrados. Veja ainda: Estado de Minas Gerais deverá abrir mais de 200 mil empregos com investimentos de mineradora, indústria, e-commerce e mais.

Anúncio dos investimentos a serem realizados

O CEO da Log, Sérgio Fischer, disse anteriormente que embora ainda fosse cedo para entender como a demanda iria se comportar no restante do ano, a empresa já prospectava terrenos em novas regiões para construção de galpões para além dos 1 milhão de metros quadrados de Área Bruta Locável (ABL) previstos. Ele citou a expansão do plano em 50% ou até em dobro, o que significaria aportes de R$ 3 bilhões.

Sérgio Fischer diz que “Esta já é a segunda revisão de um plano lançado pouco antes do enfrentamento à pandemia. E seguimos negociando novos negócios. A demanda por galpões logísticos por empresas do varejo está bastante aquecida diante do boom do e-commerce desde meados do ano passado. Temos a maior carteira de clientes do setor e muitos deles buscam locais em outras regiões. Isso nos levou, no último trimestre, a mais algumas capitais e hoje estamos em Minas Gerais e mais 16 estados do Brasil”.

Construção em uma área em Betim, estado de Minas Gerais

Nos últimos três meses, a empresa assinou contrato de BTS de 95,7 mil metros quadrados de ABL no Parque Industrial de Betim (RMBH), para atividade de e-commerce, com início de construção das obras previstas para os próximos meses. “Tamanha velocidade de execução do plano de expansão que metade do plano será entregue até o fim do ano que vem. Isso significa que até o fim de 2022 teremos 750 mil metros quadrados de ABL já locados“, revela.

Veja ainda: Cervejaria Heineken irá iniciar obras de construção da nova fábrica, no estado de Minas Gerais

As obras para a construção da nova fábrica da Heineken, em Pedro Leopoldo, no estado de Minas Gerais, estão prestes a começar. Seis meses após o anúncio oficial da instalação de uma fábrica da Heineken no estado, a empresa está no aguardo da emissão de licenças por parte da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais.

A empresa Tucumann Engenharia, da cidade de Curitiba, no Paraná, irá executar as obras e já disponibiliza vagas para a execução de atividades de terraplanagem e drenagem no terreno que receberá a fábrica. O novo empreendimento da Heineken em Minas Gerais já recebeu aportes de R$ 1,8 bilhão e será a 16ª fábrica do grupo no Brasil.

Em maio, foi noticiado que a cervejaria Heineken já havia adquirido um terreno do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), teria comprado uma área da Precon Engenharia, e negociava outras ao redor. Na época, a empresa não comentou o assunto, mas a reportagem teve acesso a documentos e informações que indicam que a construção será nas proximidades de onde seria o empreendimento. Uma fonte relacionada às negociações, que pediu para não ser identificada, detalhou que a instalação da cervejaria ocorrerá em uma junção de quatro terrenos.

FONTE: https://clickpetroleoegas.com.br/em-minas-gerais-a-log-commercial-ira-realizar-investimento-de-r-25-bilhoes-e-tem-projetos-para-a-construcao-de-novos-empreendimentos/amp/


Em Minas Gerais, a Log Commercial irá realizar investimento de R$ 2,5 bilhões e tem projetos para a construção de novos empreendimentos

Além de Minas Gerais, a empresa especializada em aluguel de galpões e condomínios logísticos, tem planos de construção em outros estados

A Log Commercial Properties, acaba de rever, mais uma vez, seu plano de expansão. Lançado em 2019, o plano da empresa especializada em aluguel de galpões e condomínios logísticos, que tem os donos da MRV como principais acionistas, previa investimentos de R$ 1,5 bilhão entre 2020 e 2024, para a construção de 1 milhão de metros quadrados. Agora, a estratégia prevê aportes de R$ 2,5 bilhões e a construção de 1,5 milhão de metros quadrados.

Anúncio dos investimentos a serem realizados

O CEO da Log, Sérgio Fischer, disse anteriormente que embora ainda fosse cedo para entender como a demanda iria se comportar no restante do ano, a empresa já prospectava terrenos em novas regiões para construção de galpões para além dos 1 milhão de metros quadrados de Área Bruta Locável (ABL) previstos. Ele citou a expansão do plano em 50% ou até em dobro, o que significaria aportes de R$ 3 bilhões.

Sérgio Fischer diz que “Esta já é a segunda revisão de um plano lançado pouco antes do enfrentamento à pandemia. E seguimos negociando novos negócios. A demanda por galpões logísticos por empresas do varejo está bastante aquecida diante do boom do e-commerce desde meados do ano passado. Temos a maior carteira de clientes do setor e muitos deles buscam locais em outras regiões. Isso nos levou, no último trimestre, a mais algumas capitais e hoje estamos em Minas Gerais e mais 16 estados do Brasil”.

Construção em uma área em Betim, estado de Minas Gerais

Nos últimos três meses, a empresa assinou contrato de BTS de 95,7 mil metros quadrados de ABL no Parque Industrial de Betim (RMBH), para atividade de e-commerce, com início de construção das obras previstas para os próximos meses. “Tamanha velocidade de execução do plano de expansão que metade do plano será entregue até o fim do ano que vem. Isso significa que até o fim de 2022 teremos 750 mil metros quadrados de ABL já locados“, revela.

Veja ainda: Cervejaria Heineken irá iniciar obras de construção da nova fábrica, no estado de Minas Gerais

As obras para a construção da nova fábrica da Heineken, em Pedro Leopoldo, no estado de Minas Gerais, estão prestes a começar. Seis meses após o anúncio oficial da instalação de uma fábrica da Heineken no estado, a empresa está no aguardo da emissão de licenças por parte da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais.

A empresa Tucumann Engenharia, da cidade de Curitiba, no Paraná, irá executar as obras e já disponibiliza vagas para a execução de atividades de terraplanagem e drenagem no terreno que receberá a fábrica. O novo empreendimento da Heineken em Minas Gerais já recebeu aportes de R$ 1,8 bilhão e será a 16ª fábrica do grupo no Brasil.

Em maio, foi noticiado que a cervejaria Heineken já havia adquirido um terreno do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), teria comprado uma área da Precon Engenharia, e negociava outras ao redor. Na época, a empresa não comentou o assunto, mas a reportagem teve acesso a documentos e informações que indicam que a construção será nas proximidades de onde seria o empreendimento. Uma fonte relacionada às negociações, que pediu para não ser identificada, detalhou que a instalação da cervejaria ocorrerá em uma junção de quatro terrenos.

FONTE: https://clickpetroleoegas.com.br/em-minas-gerais-a-log-commercial-ira-realizar-investimento-de-r-25-bilhoes-e-tem-projetos-para-a-construcao-de-novos-empreendimentos/amp/


Heineken começará obras de fábrica em Minas Gerais

A cervejaria Heineken, uma das maiores do mundo, prepara-se para dar início às obras para a instalação de uma fábrica na cidade de Pedro Leopoldo, região metropolitana de Belo Horizonte.

As informações são de reportagem do jornal Diário do Comércio.

O anúncio da construção da nova unidade foi feita inicialmente pela Heineken há seis meses.

Segundo a matéria, a empresa aguarda apenas a liberação das licenças da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

As contratações para trabalho no canteiro de obras já foram iniciadas.

De acordo com o Diário do Comércio, a responsável pelas obras será a empresa curitibana Tucumann Engenharia; vagas para execução de terraplanagem e drenagem do terreno já estão abertas.

Ao todo, os investimentos para a construção da fábrica foram de R$1,8 bilhão.

 

FONTE: https://br.financas.yahoo.com/noticias/heineken-comecara-obras-de-fabrica-em-minas-gerais-133928177.html?guccounter=1


Klabin inicia obras de melhoria na PR-160 em Telêmaco Borba (PR)

A Klabin, maior produtora e exportadora de papéis do Brasil e líder nos segmentos de embalagens, papelão ondulado e sacos industriais, inicia neste mês as obras de implantação da terceira faixa da rodovia PR-160 e alargamento das duas pistas da ponte sobre o Rio Tibagi, em Telêmaco Borba (PR). As obras visam beneficiar toda a população da região, impactando, principalmente, na fluência e segurança do trânsito no local e na travessia dos pedestres.

As melhorias serão executadas pelas empresas contratadas Tucumann e CSC Engenharia, por meio de projetos aprovados pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER-PR), que também fará a supervisão da execução dos serviços. As obras integram o protocolo firmado entre a Klabin e o governo do Estado do Paraná, que prevê que o investimento realizado nestas obras seja descontado de parte do ICMS a ser pago pela empresa.

Implantação de terceira faixa

O projeto prevê a implantação da terceira faixa em duas fases: a primeira, com previsão de conclusão no mês de junho, contemplará o trecho da rodovia que liga a Portaria 2 da fábrica da Klabin até a Portaria 3; na segunda etapa, que vai até dezembro, serão realizadas as obras entre a ponte do rio Tibagi e o viaduto de Telêmaco Borba. Serão realizados também trabalhos de terraplanagem, drenagem, pavimentação e melhorias ambientais nos trechos.

Alargamento e reforço da ponte sobre o rio Tibagi

A ponte sobre o rio Tibagi será reforçada para receber acostamento em ambas as pistas e uma passagem para pedestres, para dar mais segurança à população. Os trabalhos de melhoria na ponte serão realizados junto com as obras da terceira faixa, já a partir deste mês de janeiro.

Segurança

Durante o período de obras, com previsão de duração de 12 meses, o tráfego no local será realizado em meia pista na maior parte do tempo, em sistema de pare e siga. Por conta da presença de trabalhadores e máquinas na rodovia, a Klabin solicita à população que redobre a atenção ao passar pelo local, respeitando sempre a sinalização e os limites de velocidade. As empresas contratadas para a execução das obras farão toda a sinalização necessária para garantir a segurança no local.

Em caso de dúvidas, comentários ou sugestões, a comunidade pode entrar em contato com a Klabin pelo telefone 0800 728 0607 ou pelo e-mail faleklabinpr@klabin.com.br.

Sobre a Klabin

A Klabin, maior produtora e exportadora de papéis do Brasil, é líder na produção de papéis e cartões para embalagens, embalagens de papelão ondulado e sacos industriais. Fundada em 1899, possui 16 unidades industriais no Brasil e uma na Argentina. Está organizada em quatro unidades de negócios: Florestal, Celulose (fibra curta, fibra longa e fluff), Papéis (papel cartão, papel kraft e reciclados) e Embalagens (papelão ondulado e sacos industriais).

Toda a gestão da empresa está orientada para o Desenvolvimento Sustentável, buscando crescimento integrado e responsável, que une rentabilidade, desenvolvimento social e compromisso ambiental. A Klabin integra, desde 2014, o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), da BM&FBovespa. Também é signatária do Pacto Global da ONU e do Pacto Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo, buscando fornecedores e parceiros de negócio que sigam os mesmos valores de ética, transparência e respeito aos princípios de sustentabilidade.

Saiba mais: www.klabin.com.br

Assessoria de Imprensa – Klabin

In Press Porter Novelli

Vera Aranha – (11) 3323-3787 – vera.aranha@inpresspni.com.br

Alcione Cavalcante – (11) 3046-7714 – alcione.cavalcante@inpresspni.com.br

Giovana Savine – (11) 3323-1629 – giovana.savine@inpresspni.com.br


Orçada em R$500 milhões, começa a expansão da Bracell

LENÇÓIS PAULISTA - Estimada em 500 milhões de reais, a obra para ampliação de uma unidade de celulose de eucalipto no município de Lençóis Paulista/SP foi iniciada. O empreendimento é da Bracell, nova denominação da Lwarcel, e com cronograma de obra até março de 2020, a Tucumann, com escritório em Curitiba, realiza atualmente intervenção de terraplenagem. A previsão é de ampliação da capacidade de produção, passando dos atuais 250 mil para 1 milhão de toneladas por ano.

 

FONTE: http://www.convisao.com.br/publicacao/sites/cnc/2019/2019_08/materias/624208_266915/index.htm


Obras das indústrias em Dourados na reta final

As obras das novas indústrias da Coamo em Dourados (Mato Grosso do Sul), estão em fase final e, em breve, a cooperativa inaugura o novo complexo de processamento de soja e refinaria de óleo de soja. O parque industrial está localizado às margens da BR-163, entre Dourados e Caarapó.

 

FONTE: http://www.coamo.com.br/site/noticia/2006/obras-das-industrias-em-dourados-na-reta-final


Orçada em R$500 milhões, começa a expansão da Bracell

LENÇÓIS PAULISTA - Estimada em 500 milhões de reais, a obra para ampliação de uma unidade de celulose de eucalipto no município de Lençóis Paulista/SP foi iniciada. O empreendimento é da Bracell, nova denominação da Lwarcel, e com cronograma de obra até março de 2020, a Tucumann, com escritório em Curitiba, realiza atualmente intervenção de terraplenagem. A previsão é de ampliação da capacidade de produção, passando dos atuais 250 mil para 1 milhão de toneladas por ano.

 

FONTE: http://www.convisao.com.br/publicacao/sites/cnc/2019/2019_08/materias/624208_266915/materia.htm


Orçada em R$500 milhões, começa a expansão da Bracell

Estimada em 500 milhões de reais, a obra para ampliação de uma unidade de celulose de eucalipto no município de Lençóis Paulista/SP foi iniciada. O empreendimento é da Bracell, nova denominação da Lwarcel, e com cronograma de obra até março de 2020, a Tucumann, com escritório em Curitiba, realiza atualmente intervenção de terraplenagem. A previsão é de ampliação da capacidade de produção, passando dos atuais 250 mil para 1 milhão de toneladas por ano.

 

FONTE: http://www.convisao.com.br/publicacao/sites/cnc/2019/2019_08/materias/624208_266915/index.htm


Construção de fábrica asiática de celulose deve criar mais de 7 mil empregos no interior de SP

Um canteiro de obras montado em uma área de quase 1,2 milhão de metros quadrados, em Lençóis Paulista (SP), está movimentando o mercado de trabalho em cidades do Centro-Oeste Paulista, principalmente nas que são vizinhas do empreendimento.

Apenas os trabalhos de construção de uma fábrica asiática de papel e celulose têm a expectativa de empregar cerca de 7 mil trabalhadores até o fim de 2021, prazo estipulado pela empresa para conclusão da obra. A empresa deve contratar outros 2 mil trabalhadores para atuar na empresa.

A nova planta da fábrica se estende por dois municípios, Lençóis Paulista e Macatuba. No canteiro de obras já trabalham cerca 300 funcionários, atualmente nos serviços de terraplenagem.

Segundo a empresa, o projeto de ampliação prevê empregar até 7,5 mil trabalhadores durante o pico de implantação, com uma média fixa de 3,5 mil postos. Ainda estão previstos mais 2,1 mil empregos diretos quando a empresa começar a produzir.

A demanda fez que com várias prefeituras da região organizassem mutirões de qualificação de mão de obras. Só em Lençóis Paulista, a prefeitura estima que cerca de 1,5 mil pessoas participaram de curso realizado no teatro municipal da cidade.

Em Macatuba, outras 860 pessoas se inscreveram para um curso gratuito oferecido pela prefeitura, o mesmo acontecendo com Pederneiras, onde a administração ofereceu 400 vagas para curso de qualificação destinado apenas a moradores da cidade.

Os cursos ensinaram, basicamente, noções de segurança no trabalho, educação ambiental, higiene, ética e cidadania.

"Aqui na região temos instituições, escolas técnicas e universidades que são um diferencial em relação ao resto do Brasil em termos de formação de gente. E isso é importante porque, tanto na ampliação como na operação, teremos uma grande demanda de mão de obra”, explica Pedro Stefanini, diretor de operações da empresa.

A obra da fábrica de celulose já começa a refletir no aquecimento do mercado de trabalho em Lençóis Paulista.

Segundo Caged, índice que mede empregos formais (com carteira assinada), no primeiro trimestre desse ano foram 2.138 contratações contra 1.599 demissões, um saldo positivo de 539 empregos criados.

A empresa diz que o projeto de expansão da fábrica deverá criar oportunidades de emprego não apenas em Lençóis Paulista e Macatuba, mas também para cidades da região, como Agudos, Areiópolis, Borebi, Bauru, Pederneiras, São Manuel, Barra Bonita, Jaú e Igaraçu do Tietê.

FONTE: https://g1.globo.com/sp/bauru-marilia/noticia/2019/04/30/fabrica-asiatica-de-celulose-cria-mais-de-7-mil-empregos-no-interior-de-sp.ghtml


Obras nas indústrias da Coamo em Dourados chegam a 20% do cronograma e tem 1.200 trabalhadores

Quem passa pela rodovia às margens da BR-163, entre Dourados e Caarapó, já percebe a evolução nas obras das indústrias de processamento de soja e refinaria de óleo de soja da Coamo Agroindustrial Cooperativa.

O cronograma das obras está dentro da normalidade, atinge 20% do total e conta atualmente com 1.200 trabalhadores das diversas empreiteiras contratadas para a execução dos serviços. “Mas este número de mão de obra deverá ser em breve em torno de 2.500 trabalhadores, conforme a evolução do cronograma. A entrada em operação das novas indústrias está prevista para agosto do próximo ano, mas já verificamos que o empreendimento da Coamo já vem impulsionando a economia da região de Dourados, no Mato Grosso do Sul”, informa o engenheiro Emerson Abrahão Mansano, gerente da Indústria de óleo da Coamo em Dourados.

Segundo Mansano, a fase atual das obras está na execução das obras civis com os trabalhos de terraplanagem,  estruturas metálicas, montagem mecânica e dos equipamentos, finalização das estacas, fabricação de pré-moldados na própria área industrial, concretagem nos blocos e lajes,  e colocação dos pilares nos prédios principais.

A diretoria da Coamo está acompanhando com regularidade a evolução das obras neste grande empreendimento da cooperativa no Mato Grosso do Sul.  Esta semana, o vice-presidente Claudio Rizzatto e os superintendentes Industrial, Divaldo Correa, de Logística e Operações, Airton Galinari, estiveram acompanhando o estágio das obras nas novas indústrias da Coamo.

Capacidade - O novo empreendimento da Coamo constará de uma indústria de processamento de soja para 3.000 toneladas de soja/dia, produção de farelo e óleo, e uma refinaria para 720 toneladas/dia de óleo de soja refinado, equivalente a 16 milhões de sacas de soja /ano.

Investimento - A Coamo está investindo R$ 650 milhões nas duas plantas. “O resultado deste investimento será a ampliação da capacidade diária de processamento de soja da cooperativa das atuais 5.000 para 8.000 toneladas/dia, o que equivale a 40 milhões de sacas/ano, e a capacidade de refino das 660 toneladas/dia para 1.380 toneladas de óleo de soja refinado/dia”, informas Divaldo Correa, superintendente Industrial da cooperativa.

Volumes – Para o presidente da Coamo, engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini, a construção das novas indústrias e a escolha da região de Dourados vem ao encontro do planejamento estratégico da cooperativa. “O volume de soja recebido pela Coamo no Mato Grosso do Sul comporta perfeitamente a instalação de uma moderna indústria esmagadora de soja e uma refinaria de óleo de soja em Dourados, promovendo redução de custo com o transporte do produto já industrializado.”

Novo mercado - Segundo Gallassini, a implantação da refinaria de óleo de soja permitirá também a comercialização dos Alimentos Coamo diretamente para as regiões Centro-Oeste e Sudeste do país. “Desta forma, não haverá o passeio do produto para ser industrializado no Paraná e voltando depois para essas regiões.”

FONTE: http://www.coamo.com.br/site/noticia/1524/obras-nas-industrias-da-coamo-em-dourados-chegam-a-20-do-cronograma-e-tem-1200-trabalhadores


KLABIN REALIZA AÇÃO DE CONSCIENTIZAÇÃO NA PR-160

COLABORADORES DA COMPANHIA ATUARAM NOS TRECHOS EM OBRAS PARA ALERTAR A COMUNIDADE SOBRE SEGURANÇA NO TRÂNSITO

A Klabin realizou ontem (27) uma ação de conscientização sobre segurança no trânsito. Em parceria com a Polícia Rodoviária Estadual e as empresas contratadas para a execução dos serviços de melhoria na PR-160, Tucumann e CSC Engenharia, a companhia reuniu uma equipe de colaboradores das Unidades Monte Alegre, Puma e Florestal para orientar os motoristas que passam pelos trechos onde estão sendo realizadas as obras para implantação da terceira faixa da rodovia e alargamento das duas pistas da ponte sobre o Rio Tibagi, em Telêmaco Borba (PR).

Durante a abordagem, foram distribuídos folhetos com informações sobre os cuidados que os motoristas de caminhões, carros, ônibus, vans e motocicletas devem ter ao trafegar pela região das obras, redobrando a atenção, respeitando sempre a sinalização e os limites de velocidade e, principalmente, não permitindo que passageiros desçam dos veículos. Durante o período em que durarem as manutenções, o tráfego no local é feito em meia pista na maior parte do tempo, em sistema de pare e siga que dura, no máximo, dez minutos de espera.

As obras de melhoria na PR-160, que têm a aprovação e supervisão do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-PR), visam beneficiar toda a população da região, impactando, principalmente, na fluência e segurança do trânsito no local e na travessia dos pedestres. Em caso de dúvidas, comentários ou sugestões, a comunidade pode entrar em contato com a Klabin pelo telefone 0800 728 0607 ou pelo e-mail faleklabinpr@klabin.com.br.

Por Giovana Savine

Foto divulgação

FONTE: http://www.madeiratotal.com.br/klabin-realiza-acao-de-conscientizacao-na-pr-160/


Ampliação da Fibria tem solução pioneira na execução da ETE

O projeto Horizonte 2 de ampliação da unidade da Fibria, em Três Lagoas (MS), tornou a planta uma das maiores do mundo de produção de celulose.

A fim de atender as empresas envolvidas na execução da obra, como a Fortes Engenharia, HTB, Afonso França Engenharia, Cesbe, A. Yoshii Engenharia e Construções, Tucumann Engenharia e Lavita Engenharia Civil, a SH, empresa de locação de fôrmas e escoramento, forneceu algumas soluções nos diversos trechos, gerando aumento de produtividade e qualidade de obra.
Entre essas soluções, incluem-se os equipamentos Concreform SH, Tekko, Topec SH, LTT, LTT Extra, andaime Modex, andaime fachadeiro, escada modular, Lumisystem, além de tubos e braçadeiras. Carlos Batalha, gerente comercial da SH, conta que a obra é pioneira no Brasil no uso de paredes pré-moldadas na execução da estação de tratamento de efluentes (ETE).
“Estudamos a seis mãos com a empresa Fortes Engenharia uma solução de estroncamento de placas de quase 11 m de altura com pesos que chegam a mais de 27 t. Como solução de escoramento dessa estrutura, utilizamos um dos equipamentos maissofisticados da SH, o Lumisystem escoras de alumínio com 10 m de comprimento contraventadas com frames para dar rigidez ao conjunto”, explica o gerente comercial.
A previsão é que a nova linha de produção da Fibria entre em operação até o final deste ano.

Fonte: Revista O Empreiteiro - https://revistaoe.com.br/ampliacao-da-fibria/


Mato Grosso do Sul abrigará uma das maiores fábricas de produção de celulose do mundo

O Projeto Horizonte 2 vai ampliar a unidade de Três Lagoas, Mato Grosso do Sul, da Fibria, empresa líder na produção de celulose de eucalipto. Com a expansão da linha de produção, a unidade passará a ter uma capacidade de 1,75 milhão de toneladas de celulose no ano, fazendo da Fibria um dos maiores sites de produção de celulose do mundo.

Com a ampliação, a capacidade total de produção da empresa, considerando todas as suas unidades, passará dos atuais 5,3 milhões de toneladas de celulose/ano para mais de 7 milhões de toneladas de celulose/ano. O projeto é uma dos maiores investimentos privados no Brasil com foco em exportação, o valor do Projeto Horizonte 2 soma R$ 8,7 bilhões.

fim de atender as empresas envolvidas na execução da obra como a Fortes Engenharia Ltda, HTB Engenharia e Construção S.A., Afonso França Engenharia e Comércio Ltda, Cesbe S/A Engenharia e Empreendimentos, A. Yoshii Engenharia e Construções Ltda, Tucumann Engenharia e Empreendimentos Ltda e Lavita Engenharia Civil Ltda , a SH, empresa líder em locação de fôrmas e escoramento, fornece algumas soluções nos diversos trechos. Equipamentos como Concreform SH ®, Tekko, Topec SH ®, LTT, LTT Extra, Andaime Modex, Andaime Fachadeiro, Escada Modular, Lumisystem, e Tubos e Braçadeiras trabalham no aumento da produtividade e qualidade da obra.

Carlos Batalha, Gerente Comercial da SH, conta que a obra é pioneira no Brasil para execução de paredes pré-moldadas da Estação de Tratamento de Efluentes.

“Estudamos a seis mãos com a empresa Fortes Engenharia uma solução de estroncamento de placas de quase 11,00m de altura com pesos que chegam a mais de 27 toneladas. Como solução de escoramento dessa estrutura, utilizamos um dos equipamentos mais sofisticados da SH, o Lumisystem escoras de alumínio com 10 metros de comprimento contraventadas com frames para dar rigidez ao conjunto”, explica.

A previsão é que a nova linha de produção entre em operação no quarto trimestre de 2017.

FONTE: https://sh.com.br/pt/mato-grosso-do-sul-abrigara-uma-das-maiores-fabricas-de-producao-de-celulose-do-mundo/


ANP- 12ª Rodada gera investimentos de mais de meio bilhão de reais

A 12ª Rodada de Licitações, realizada ontem (28/11), tem investimentos previstos de mais de meio bilhão de reais, considerando apenas os valores de Programa Exploratório Mínimo (PEM) oferecidos pelos vencedores. Foram arrematados 72 dos 240 blocos ofertados e a arrecadação com bônus de assinatura foi de aproximadamente R$ 165,2 milhões. A média de Conteúdo Local oferecido é de 72,61% para a fase de exploração e 84,47% para a de desenvolvimento.

A Petrobras arrematou, sozinha ou em consórcio, 49 blocos, sendo 43 como operadoras. No total, 12 empresas apresentaram ofertas vencedoras, sendo 8 brasileiras e 4 estrangeiras. As outras vencedoras foram: Alvopetro, Bayar, Companhia Paranaense de Energia, Cowan, GDF Suez, Geopark, Nova Petróleo, Ouro Preto, Petra Energia, Petrobras, Trayectoria e Tucumann.

A diretora-geral da ANP, Magda Chambriard, destacou como grandes sucessos da 12ª Rodada os resultados obtidos na Bacia do Paraná, a entrada da Bacia do Acre como nova possibilidade no cenário exploratório brasileiro e o reforço de blocos no Parnaíba, reiterando a importância dessa bacia que hoje já produz em torno de 6% do gás brasileiro. Ela ressaltou também a confirmação do papel das bacias maduras do Recôncavo e de Sergipe-Alagoas, onde estão 54 dos 72 blocos arrematados. O ministro interino de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, afirmou que a 12ª Rodada tem um papel pioneiro e poderá contribuir no futuro para o aumento da produção de gás no país.

 

FONTE: http://abar.org.br/2013/11/29/anp-12o-rodada-gera-investimentos-de-mais-de-meio-bilhao-de-reais/