A construção da fábrica foi iniciada em maio de 2021. A companhia investe R$ 19,3 bilhões para instalar uma planta com capacidade de produção de 2,550 milhões de toneladas por ano e que deve entrar em operação em 2024.

A construção da nova fábrica de celulose da Suzano, em Ribas do Rio Pardo, na região central de Mato Grosso do Sul, deve atingir neste mês de abril o pico da obra, concentrando 10 mil trabalhadores no canteiro. Atualmente, o projeto está na fase de montagem eletromecânica. A previsão é que a indústria esteja em operação no segundo semestre de 2024.

Em março, o canteiro já chegou a 9 mil pessoas. Quando atingir o auge, nos próximos dias, o número de operários no local representará um incremento de quase 40% na população do município, que é de aproximadamente 25,3 mil pessoas, segundo a mais recente estimativa do IBGE, feita em 2021.

Para tentar mitigar os efeitos dessa expansão populacional abrupta, ainda que temporária, no município, a empresa diz que segue a risca todas as normativas de segurança e oferece as melhores condições de trabalho, alojamento e assistência aos seus funcionários, bem como, exige o cumprimento das mesmas normas das prestadoras de serviço e terceirizadas.

O canteiro, por exemplo, conforme a companhia, tem um restaurante industrial que oferece alimentação elaborada por nutricionistas e com capacidade para atender, escalonadamente, todos os trabalhadores.

Também foi implantado no site da obra, um ambulatório completo de média complexidade, voltado para atender essa mão de obra e para não causar impactos na rede municipal de saúde. Essa unidade de saúde no canteiro conta com quadro médico e de bombeiros, disponível 24 horas, ambulância UTI e outra de remoção, em caso de necessidade.

O canteiro também conta com estrutura de apoio ao caminhoneiro e brigada de incêndio própria. Os colaboradores também têm à disposição no local um centro social para interação onde são feitas ações internas.

Além disso, a empresa está desenvolvendo uma série de ações voltadas para minimizar o impacto do empreendimento no município. No chamado Plano Básico Ambiental (PBA) estão sendo executadas 18 iniciativas.

Somente no Programa de Adequação de Infraestrutura estão sendo investidos pela companhia R$ 48 milhões nas áreas de saúde, educação, desenvolvimento social, habitação, segurança pública e segurança no trânsito do município.

Entre as várias ações implementadas estão apoio a projeto habitacional com a construção de cadas para famílias sem renda, construção de novas delegacia de Polícia Civil, nova base da PRF, melhoria da estrutura da PM, ampliação do hospital municipal para comportar 10 leitos de UTI e 20 novos leitos de enfermaria, apoio técnico a assentados para diversificar e ampliar a produção agrícola e pecuária, melhoria a qualidade do ensino público e apoio para o desenvolvimento territorial planejado.

O g1 entrou em contato com o prefeito de Ribas do Rio Pardo, João Alfredo (PSOL), para falar sobre o assunto, mas até a mais recente atualização desta matéria não obteve retorno.

O projeto

A construção da fábrica foi iniciada em maio de 2021. A companhia investe R$ 19,3 bilhões para instalar uma planta com capacidade de produção de 2,550 milhões de toneladas por ano – uma das maiores do mundo.

A previsão é que a indústria esteja em operação em 2024. Quando estiver produzindo, a fábrica vai empregar diretamente 3 mil colaboradores.

Fonte: O Correio News

FONTE: https://www.maisfloresta.com.br/obras-do-projeto-cerrado-em-ribas-do-rio-pardo-ms-vai-atingir-pico-de-10-mil-trabalhadores-agora-em-abril/?utm_campaign=noticias_da_semana_-_15_04-23&utm_medium=email&utm_source=RD+Station

author avatar
leonardo@bebarra.com.br