Perú: Sealand retoma operaciones en Terminal Portuario Paracas

Con la llegada de la nave Minstre al Terminal Portuario General San Martín de Pisco, operado por Terminal Portuario Paracas S.A.,se reinició el servicio comercial de Sealand con conexión directa entre el terminal portuario iqueño y el Puerto de Balboa en Panamá.

La ruta Peru Feeder conecta al puerto panameño de Balboa con Pisco, continuando su trayecto hacia el Callao, Paita y de retorno a Balboa, asegurando la agroexportación de la producción regional de frutas: cítricos, arándanos, palta, granada y uva, además de espárragos y cebolla, con un beneficio de costo y tiempo para los exportadores locales.

El servicio cuenta con una periodicidad semanal, realizándose cada martes con un movimiento aproximado de 200 y 300 contenedores, entre llenos y vacíos, de las navieras Sealand, Maersk y Hamburg Sud.

Gracias a la modernización del Terminal Portuario General San Martín, de la mano con la conectividad comercial, la atención de la demanda local e internacional se ve fortalecida, así como el crecimiento exportador de la región Ica, una de las más importantes para el comercio exterior nacional.

FONTE: https://portalportuario.cl/peru-sealand-retoma-operaciones-en-terminal-portuario-paracas/


EL TERMINAL PORTUARIO GENERAL SAN MARTÍN FORTALECE SU CONECTIVIDAD CON RUTA COMERCIAL DE SEALAND

Con la llegada de la nave ‘Minstrel’ al Terminal Portuario General San Martín de Pisco, operado por Terminal Portuario Paracas S.A., el martes 29 de junio se reinició el servicio comercial de Sealand con conexión directa entre el terminal portuario iqueño y el puerto de Balboa en Panamá.

La ruta ‘Peru Feeder’ conecta al puerto panameño de Balboa con Pisco, continuando su trayecto hacia el Callao, Paita y de retorno a Balboa, asegurando la agroexportación de la producción regional de frutas: cítricos, arándanos, palta, granada y uva, además de espárragos y cebolla, con un beneficio de costo y tiempo para los exportadores locales.

El servicio cuenta con una periodicidad semanal, realizándose cada martes con un movimiento aproximado de 200 y 300 contenedores, entre llenos y vacíos, de las navieras Sealand, Maersk y Hamburg Sud.

Gracias a la modernización del Terminal Portuario General San Martín, de la mano con la conectividad comercial, la atención de la demanda local e internacional se ve fortalecida, así como el crecimiento exportador de la región Ica, una de las más importantes para el comercio exterior nacional.

Fuente : APN

Fonte: http://www.apam-peru.com/web/el-terminal-portuario-general-san-martin-fortalece-su-conectividad-con-ruta-comercial-de-sealand/


Importación de vehículos por el puerto San Martin – Pisco

Gracias a la modernización del Puerto General San Martín, el día de hoy se recibió una nave con carga rodante. En esta oportunidad, fueron más de 600 vehículos importados que fueron desembarcados exitosamente por los estibadores del Puerto.

La operativa se desarrolló satisfactoriamente debido a la amplitud de las áreas existentes y del patio de maniobra, que permitió una circulación segura de los vehículos y a la profundidad ampliada del mar a -14 m, lo que permite el arribo de naves de mayor calado.  “Agradecemos a Wallenius por la confianza de operar en nuestras instalaciones. Con la modernización de nuestro Terminal estamos preparados para recibir todo tipo de carga”, señaló César Rojas, Gerente de Operaciones de la empresa.

Por otro lado, es necesario resaltar que el Puerto General San Martín está aliviando la sobrecarga generada en el puerto del Callao, por lo que se convierte en la mejor alternativa para descongestionar dicho puerto debido a su cercanía y su moderna infraestructura.

Sobre el Terminal Portuario Paracas

Es la empresa concesionaria del Puerto General San Martín desde el año 2014. Tiene como misión desarrollar y operar un terminal multipropósito, cumpliendo con los mejores estándares técnicos, sociales y ambientales.

Ha culminado con éxito la modernización del puerto, las cuales se iniciaron en marzo de 2018. Dentro de las principales obras civiles realizadas se encuentran: el dragado, la reconstrucción del muelle y el patio de maniobras, el almacén de granos, el almacén de carga general y el taller de mantenimiento.

La inversión total de las obras asciende aproximadamente a US$ 260 millones de dólares y permite brindar nuevos y mejores servicios a los clientes, quienes ya vienen utilizando la mejorada infraestructura portuaria, repercutiendo directamente en la reducción de costos y en la mejora de la producción.

 

FONTE: http://construir.com.pe/importacion-de-vehiculos-por-el-puerto-san-martin-pisco/


Después de muchos años se reanuda la importación de vehículos por el Puerto General San Martín – Pisco

Gracias a la modernización del Puerto General San Martín, el pasado viernes se recibió una nave con carga rodante. En esta oportunidad, fueron más de 600 vehículos importados que fueron desembarcados exitosamente por los estibadores del Puerto.

La operativa se desarrolló satisfactoriamente debido a la amplitud de las áreas existentes y del patio de maniobra, que permitió una circulación segura de los vehículos y a la profundidad ampliada del mar a -14 m, lo que permite el arribo de naves de mayor calado. “Agradecemos a Wallenius por la confianza de operar en nuestras instalaciones. Con la modernización de nuestro Terminal estamos preparados para recibir todo tipo de carga”, señaló César Rojas, Gerente de Operaciones de la empresa.

Por otro lado, es necesario resaltar que el Puerto General San Martín está aliviando la sobrecarga generada en el puerto del Callao, por lo que se convierte en la mejor alternativa para descongestionar dicho puerto debido a su cercanía y su moderna infraestructura.

Sobre el Terminal Portuario Paracas

Es la empresa concesionaria del Puerto General San Martín desde el año 2014. Tiene como misión desarrollar y operar un terminal multipropósito, cumpliendo con los mejores estándares técnicos, sociales y ambientales.
Ha culminado con éxito la modernización del puerto, las cuales se iniciaron en marzo de 2018. Dentro de las principales obras civiles realizadas se encuentran: el dragado, la reconstrucción del muelle y el patio de maniobras, el almacén de granos, el almacén de carga general y el taller de mantenimiento.

La inversión total de las obras asciende aproximadamente a US$ 260 millones de dólares y permite brindar nuevos y mejores servicios a los clientes, quienes ya vienen utilizando la mejorada infraestructura portuaria, repercutiendo directamente en la reducción de costos y en la mejora de la producción.

FONTE: https://proactivo.com.pe/despues-de-muchos-anos-se-reanuda-la-importacion-de-vehiculos-por-el-puerto-general-san-martin-pisco/


Ian Taylor facilita arribo de nave Ro-Ro en Pisco ante congestión en el puerto de Callao

Un importante ahorro en días de espera para las empresas importadoras de vehículos y para la "M/N Resolve" de Wallenius Wilhelmsen Ocean (WWO) permitió la gestión de la agencia Ian Taylor, filial de Empresas Taylor, al lograr una solución inédita para la puntual falta de sitio en Callao, desviando la nave al Terminal Portuario Paracas (TPP), concesionario del Puerto General San Martín de Pisco, a 270 kilómetros al sur de Lima, Perú.

“Fue un desafío importante coordinar y facilitar una solución rápida frente a la imposibilidad de atracar la nave en Callao, como es lo habitual para las líneas que representamos. Tenemos que agradecer la excelente disposición de TPP, y en especial a su gerente de Operaciones, Cesar Rojas, por abrir esta ventana y a los importadores por aceptar la solución propuesta frente a la posibilidad que la nave tomara la opción de seguir su ruta hacia Chile, para volver a Callao en 30 días más, lo que hubiese ocasionado importantes ineficiencias", afirmó Rocío Ponce, Country Manager de Ian Taylor Perú.

La nave atracó a las 8.30 horas en la jornada del 4 de junio en TPP, donde descargará durante 2 turnos un total de 609 unidades rodantes, de marcas como Renault, Case, Volkswagen, Audi, Caterpillar, Volvo, Peugeot, Chevrolet, Komatsu, entre otros.

"Como no había antecedentes desde el año 2015  de descarga de vehículos en Pisco, tuvimos que coordinar en pocas horas, una reunión previa entre el Terminal y los importadores, la inducción del manejo del Tug Master que llegó a bordo, el transporte y la inducción del personal necesario, entre varias otras acciones que permitieron dar solución a este desafío", afirmó Rocío Ponce.

Desembarco en Callo

Además, Rocío Ponce agregó que para este lunes 7 de junio se espera retomar la descarga de vehículos en APM Terminals en Callao tras la confirmación de sitio para una nueva nave con rodados, confirmando de este modo el liderazgo que Ian Taylor ha mantenido en este mercado.

Se trata de la "M/N SFL Conductor" V.007 de Eukor Car Carriers, línea especializada en envíos Roll-on/Roll-off y parte del grupo Wallenius, que transporta la cantidad de 4.104 unidades de vehículos comerciales.

Al respecto, Rocío Ponce, señaló que "estamos muy expectantes con la llegada de esta nave a callao, vehículos que se sumarán a los más de 10.000 que ingresaron durante el primer trimestre de este año a Perú, a través de nuestro representado Eukor Car Carriers inc, lo que reafirma nuestro posicionamiento en este dinámico mercado, las preferencias de nuestros clientes y la confianza que se tiene en el trabajo que hacemos para que los concesionarios automotrices puedan contar oportunamente con las unidades, a pesar de la congestión actual y la escasez de sitio que existe en callao para las naves roro".

Cabe destacar que Ian Taylor Perú trabaja coordinadamente con sus principales clientes del sector automotriz y con los terminales portuarios, con el objetivo que se logren desembarques fluidos de vehículos, con el objeto de superar las actuales restricciones que hay en Callao producto de una alta congestión originada en los efectos no deseados de la pandemia sanitaria mundial.

 

FONTE: https://www.mundomaritimo.cl/noticias/ian-taylor-facilita-arribo-de-nave-ro-ro-en-pisco-ante-congestion-en-el-puerto-de-callao


Leilão da ANP para exploração de gás em terra arrecada R$ 165 milhões

O leilão de áreas em terra para exploração de gás realizado pela Agência Nacional de Petróleo (ANP) nesta quinta-feira (28) arrecadou R$ 165 milhões em bônus de assinatura, com ágio de 755,95%. Dos 240 blocos ofertados, apenas 72 foram arrematados. Das sete bacias sedimentares onde se localizam os blocos, duas não tiveram qualquer oferta – a de Parecis e a de São Francisco.

O leilão estava previsto para continuar na sexta-feira, mas foi encerrado.

A falta de interesse fez com que a arrecadação ficasse abaixo das expectativas. Caso todos os blocos tivessem sido vendidos, ainda que pelo valor mínimo, a arrecadação teria sido de ao menos R$ 2,2 bilhões. 21 empresas estavam habilitadas a participar do leilão.

A Petrobras levou a maior parte dos blocos arrematados: 49. Destes, arrematou 27 sozinha e 22 em consórcio com outras empresas. O foco da companhia foi principalmente no Recôncavo, onde arrematou 20 blocos. A estatal também mostrou interesse na Bacia de Sergipe-Alagoas, levando 19 blocos. Ganhou nove blocos na Bacia do Paraná e foi a única empresa a fazer ofertas e levar um bloco no Acre.

Os 72 blocos arrematados somam uma área de 47,4 mil quilômetros quadrados.

Segundo a ANP, considerando apenas o programa exploratório mínimo, o investimento nos blocos está estimado em mais de R$ 500 milhões. A média de conteúdo local oferecido é de 72,61% para a fase de exploração e 84,47% para a de desenvolvimento.

No total, 12 empresas apresentaram ofertas vencedoras, sendo 8 brasileiras e 4 estrangeiras. As outras vencedoras foram: Alvopetro, Bayar, Companhia Paranaense de Energia, Cowan, GDF Suez, Geopark, Nova Petróleo, Ouro Preto, Petra Energia, Petrobras, Trayectoria e Tucumann.

A 12ª rodada de licitações para blocos em terra acontece um mês depois do primeiro leilão do pré-sal, do campo de Libra, pelo qual o governo obteve um bônus de assinatura de R$ 15 bilhões, além de 41,65% do excedente do petróleo extraído.

ANP faz leilão de blocos para exploração de gás (Foto: Editoria de Arte/G1)

ANP considera leilão um sucesso
Mesmo com apenas 72 blocos arrematados, a diretora-geral da ANTT, Magda Chambriard, considerou um sucesso o leilão. “A cultura da exploração e produção do gás necessita ser semeada e desenvolvida”, disse.

Em relação à falta de interesse pelos blocos das bacias de Parecis e do São Francisco, que não receberam nenhuma oferta, ela explicou que a ANP vai continuar seus trabalhos de reconhecimento das regiões. Para ela, as empresas podem ter considerado insuficiente o conhecimento disponível sobre as regiões.

Já o interesse pela Bacia de Sergipe-Alagoas deixou a diretora animada: “Sergipe-Alagoas brilhou. Foram muitos blocos adquiridos. Isso significa que as bacias maduras continuam tendo grande protagonismo nos leilões da ANP”, afirmou.

Para o presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo, João Carlos de Luca, algumas áreas receberam poucas ofertas pelas dificuldades para o desenvolvimento dos blocos. “Algumas áreas são muito inóspitas, sem infraestrutura. Como vai escoar a produção? Em Juruá, no Amazonas, por exemplo, a primeira descoberta foi em 1978 e até hoje não houve produção. A Bacia do Paraná ainda é um desafio do ponto de vista geológico, mas está bem perto dos mercados. E em Sergipe-Alagoas há infraestrutura”, explicou.
Produção
Hoje as reservas provadas de gás do país são de 460 bilhões de metros cúbicos, com uma produção diária de 70,7 milhões de metros cúbicos por dia. Com as áreas do leilão desta rodada, mais os campos de Frade, Lula e Libra, a ANP estima que a produção diária do país alcance 120 milhões de metros cúbicos por dia em 2020.

Bacias
Dos 19 blocos em terra na Bacia do Paraná oferecidos para exploração de gás na 12ª rodada de leilões da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), 16 foram arrematados, somando um bônus de assinatura de R$ 31,7 milhões. Três blocos não receberam oferta.

Os consórcio formados por Petrobras e Cowan e Petra Energia, Tucumann, Copel e Bayar arremataram 11 blocos do primeiro setor leiloado na Bacia do Paraná. O bônus de assinatura somou R$ 21,4 milhões, com ágio de 560%. O investimento previsto na área de 32 mil metros quadrados é R$ 174,3 milhões.

Os cinco blocos do segundo setor da mesma bacia oferecido foram todos arrematados por um bônus de assinatura de R$ 10, 2 milhões, com ágio de 465% e investimento previsto de R$ 55 milhões. O consórcio Petra Energia e Bayar, a Petrobras e a Petra Energia levaram os blocos.

Na Bacia do Parnaíba, de 32 blocos, apenas um foi arrematado pela Geopark Brasil por R$ 920 mil, um ágio de 29%. A área de 763 quilômetros quadrados terá investimento de R$ 6,7 milhões.

Na Bacia do Acre , dos 9 blocos ofertados um foi levado pela Petrobras por um bônus de assinatura de R$ 295 mil, com investimento previsto em R$ 12,2 milhões para uma área de 1,6 mil quilômetros quadrados.

Em dois setores leiloados na bacia Sergipe-Alagoas, a Petrobras levou sete blocos; a Geopark, 1; o consórcio Nova Petróleo e Petrobras, 4; e a Trayectoria, 4. De 50 blocos ofertados, 16 foram arrematados. O bônus de assinatura dos dois setores soma R$ 38 milhões, e o investimento previsto é de R$ R$ 63,3 milhões.

Na segunda parte do leilão de blocos na bacia Sergipe-Alagoas, de 30 oferecidos, oito foram arrematados, cinco pela Petrobras sozinha e quatro em consórcio com a Nova Petróleo. Esses blocos tiveram um bônus de assinatura de R$ 14,8 milhões e investimento previsto de R$ 38,5 milhões.

A bacia de Parecis, com 14 blocos em oferta, não teve área arrematada. Também não houve interesse pelos 36 blocos da bacia do São Francisco.

Veja a lista dos blocos arrematados e vencedores:

Bacia do Paraná
Setor SPAR-CN
PAR-T-198  Petrobras (100%)
PART-T-199  Petra Energia (50%) Bayar (50%)
PAR-T-218  Petrobras (100%)
PAR-T-219 Petra Energia (50%) Bayar (50%)
PAR-T-220 Petra Energia (50%) Bayar (50%)

Setor SPAR-CS
PAR-T-300 Petra Energia (30%) Tucumann (10%) Copel (30%) Bayar (30%)
PAR-T-309 Petra Energia (30%) Tucumann (10%) Copel (30%) Bayar (30%)
PAR-T-271 Petrobras (60%) Cowan Petróleo e Gás (40%)
PAR-T-272 Petrobras (60%) Cowan Petróleo e Gás (40%)
PAR-T-284 Petrobras (60%) Cowan Petróleo e Gás (40%)
PAR-T-285 Petrobras (60%) Cowan Petróleo e Gás (40%)
PAR-T-286 Petrobras (60%) Cowan Petróleo e Gás (40%)
PAR-T-297 Petrobras (100%)
PAR-T- 298 Petrobras (100%)
PAR-T-308 Petra Energia (30%) Tucumann (10%) Copel (30%) Bayar (30%)
PAR-T-321 Petra Energia (30%) Tucumann (10%) Copel (30%) Bayar (30%)

Bacia do Parnaíba
Setor SPN-O
PN-T-597 Geopark (100%)

Bacia do Acre
Setor SAC
AC-T-8 Petrobras (100%)

Bacia Sergipe-Alagoas
Setor SSEAL-T2
SEAL-T-112 Petrobras (100%)
SEAL-T-118 Trayectoria (100%)
SEAL-T-142 Petrobras (100%)
SEAL-T-143 Trayectoria (100%)
SEAL-T-154 Trayectoria (100%)
SEAL-T-155 Trayectoria (100%)
SEAL-T-165 Petrobras (100%)
SEAL-T-177 Petrobras (100%)

Setor SSEAL-T3
SEAL-T- 229 Petrobras (100%)
SEAL-T-268 Geopark (100%)
SEAL-T-280 Nova Petróleo (50%) Petrobras (50%)
SEAL-T-198 Petrobras (100%)
SEAL-T-208 Petrobras (100%)
SEAL-T-279 Nova Petróleo (50%) Petrobras (50%)
SEAL-T-291 Nova Petróleo (50%) Petrobras (50%)
SEAL-T-292 Nova Petróleo (50%) Petrobras (50%)

Setor SSEAL-T4
SSEAL-T-345  Nova Petróleo (50%) Petrobras (50%)
SEAL-T- 346 Nova Petróleo (50%) Petrobras (50%)
SEAL-T-359 Petrobras (100%)
SEAL-T- 360 Nova Petróleo (50%) Petrobras (50%)
SEAL-T-372 Petrobras (100%)
SEAL-T-383 Petrobras (100%)
SEAL-T-384 Petrobras (100%)
Setor SSEAL-T5
Blocos
SEAL-T-420 Petrobras (100%)

Bacia do Recôncavo
Setor SREC-12
REC-T-32 Petrobras (100%)
REC-T-51 Petrobras (100%)
REC-T-79 Trayectoria (100%)
REC-T-50 Petrobras (100%)
REC-T-52 Petrobras (100%)
REC-T-59 Trayectoria (100%)
REC-T-60 Petrobras (100%)
REC-T-61 Petrobras (100%)
REC-T-68 Trayectoria (100%)
REC-T-69 Trayectoria (100%)
REC-T-70 Petrobras (100%)
REC-T-78 Trayectoria (100%)
REC-T-80 Petrobras (100%)
REC-T-88 Trayectoria (100%)
REC-T-89 Petrobras (100%)
REC-T-40 Petrobras (100%)

Setor SREC-T4
REC-T-225 Alvopetro (100%)
REC-T-169 Alvopetro (100%)
REC-T-194 Petrobras (40%) Cowan Petróleo e Gás (30%) Ouro Preto (30%)
REC-T-198 Alvopetro (100%)
REC-T-208 Petrobras (40%) Cowan Petróleo e Gás (30%) Ouro Preto (30%)
REC-T-209 Cowan Petróleo e Gás (60%) Petrobras (40%)
REC-T-225 Petrobras (40%) GDF Suez (25%) Ouro Preto (35%)
REC-T-239 Petrobras (40%) GDF Suez (25%) Ouro Preto (35%)
REC-T-240 Petrobras (40%) GDF Suez (25%) Ouro Preto (35%)
REC-T-253 Petrobras (40%) GDF Suez (25%) Ouro Preto (35%)
REC-T-254 Petrobras (40%) GDF Suez (25%) Ouro Preto (35%)
REC-T-256 Alvopetro (100%)
REC-T-268 Petrobras (40%) GDF Suez (25%) Cowan Petróleo e Gás (35%)
REC-T-281 Cowan Petróleo e Gás (60%) Petrobras (40%)

FONTE: http://g1.globo.com/economia/noticia/2013/11/leilao-da-anp-para-exploracao-de-gas-em-terra-arrecada-r-165-milhoes.html


Chineses compram porto paranaense por R$ 2,9 bilhões

A operadora chinesa de terminais China Merchants Port (CMPort) anunciou a compra, por R$ 2,9 bilhões, de 90% do TCP, que opera o terminal ao lado do Porto de Paranaguá, um dos maiores da América do Sul. O negócio marca a entrada do grupo chinês na América Latina e foi anunciado como “crucial para a expansão global da empresa” e uma “demonstração de confiança na economia brasileira”, segundo Bai Jingtao, diretor administrativo da CMPort, com sede em Hong Kong.

A transação abrange também a subsidiária TCP Log, que presta serviços logísticos como armazenagem e carregamento. Pelo acordo, a CMPort comprará 50% das ações da TCP que pertencem à Advent International e 40% das ações da empresa que pertencem aos acionistas fundadores da TCP – Galigrain S.A. (“Galigrain?), Grup Maritim TCB S.L. (“TCB”), Pattac Empreendimentos e Participações S.A. (“Pattac”), Soifer Participações Societárias S.A. (“Soifer”) e TUC Participações Portuárias S.A. (“TUC”). Advent, Galigrain e TCB venderão a totalidade de suas ações, enquanto Pattac, Soifer e TUC manterão, juntas, 10% do capital da empresa.

Anunciada no final de semana (03/09), a negociação envolvendo a TCP – empresa avaliada em aproximadamente R$ 3,2 bilhões (US$ 1 bilhão) –, é uma das maiores já realizadas no setor de terminais de contêineres na América Latina. A operação deve estar concluída até o final do ano, devendo passar, antes, pelas etapas de aprovação regulatória, incluindo o parecer do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

Em abril de 2016, o governo federal renovou o contrato de arrendamento da TCP por mais 25 anos a partir de 2023, prevendo, entre as contrapartidas, a construção de dolfins exclusivos para a atracação de navios que fazem o transporte de veículos e a ampliação da retroárea, de 320 mil m2 para 477 mil m2.

O terminal operado pela TCP movimenta aproximadamente 10% do total de contêineres no país. Entre os produtos, estão carnes congeladas (segmento em que a TCP é líder de mercado), madeira, componentes para a indústria automotiva, químicos e equipamentos eletrônicos.

Planos de expansão
Os novos donos da TCP comandam uma das maiores operadoras globais de terminais de contêineres. A CMPort movimentou em 2016 mais de 95 milhões de TEUs (medida equivalente a um contêiner de 20 pés) . Na China, a empresa possui operações em Hong Kong, Shenzhen, Shanghai, Ningbo, Qingdao, Dailian, Tianjin, Zhanjiang e Xiamen Bay, entre outras. A empresa detém, ainda, terminais de contêineres nos Estados Unidos, Sri Lanka, Nigéria, Djibouti, Togo e Turquia, bem como em diversos países da Ásia e Europa.

“A TCP não é apenas o marco fundamental da China Merchants para entrar no Brasil, mas o futuro hub para o crescimento do fluxo de commodities e bens entre o Brasil e a China. A China Merchants Port também usará sua experiência global de operação portuária para ajudar a TCP a continuar sua história de sucesso como um dos principais líderes do setor portuário no Brasil e na América Latina”, destacou Bai Jingtao. “Esta aquisição histórica demonstra a confiança da CMPort na economia brasileira e seu compromisso em contribuir para o desenvolvimento da infraestrutura do país e para o crescimento do fluxo de negócios entre os países do BRICS”, acrescentou o executivo.

“A transação contribuirá para que a CMPort alcance seus objetivos comerciais, e, ao mesmo tempo, contribuirá para o desenvolvimento do comércio entre o Brasil e a China e para a relação de cooperação estratégica entre os dois países “, completou Hu Jianhua, vice-presidente executivo da China Merchants Group.

O atual CEO da TCP, Luiz Antonio Alves, permanecerá à frente da empresa. Os bancos BTG e Morgan Stanley atuaram como assessores financeiros dos acionistas vendedores na transação.

Sobre os fundadores da TCP
Criado em 1998 a partir de um consórcio de cinco empresas brasileiras e espanholas das áreas de infraestrutura e construção, a TCP se tornou concessionária do terminal de contêineres do Porto de Paranaguá após vencer uma licitação do Governo do Paraná em 1998. São elas:

•Galigrain S.A., subsidiária do Grupo Nogar, atua como prestadora de serviços de transportes e investe em empresas portuárias e de logística na Europa e na América Latina. www.en.gruponogar.es

•Grup Maritim TCB S.L., subsidiária da APM Terminals, gerencia 11 terminais de contêineres na Europa e na América Latina. www.apmterminals.com

•Pattac Empreendimentos e Participações S.A., holding do Paraná com atuação nas áreas de infraestrutura, concessões de rodovias, portos, gerenciamento de estacionamentos, entretenimento, energia renovável e logística.www.pattac.com.br/en

•Soifer Participações Societárias S.A., grupo paranaense com atuação nas áreas imobiliária, de shoppings centers, turismo, logística e agronegócios. www.gruposoifer.com.br

•TUC Participações Portuárias S.A., grupo com atuação nas áreas de energia, construção, rodovias, estacionamentos e portos. www.tucumann.com.br

 

FONTE: http://www2.senar.com.br/Noticias/Detalhe/8636


Puerto General San Martín estará para el Bicentenario

El Ministerio de Transportes y Comunicaciones (MTC) confirmó que tiene en su cartera nueve proyectos de modernización portuaria que estarán listos el 2021, con una inversión que alcanza los 424 millones de dólares y están ubicados en Ica, Loreto, Piura, Arequipa y Moquegua.

A la fecha, existen 11 proyectos de modernización portuaria para mejorar sus infraestructuras y equipamientos. De estos, nueve tienen previsto iniciar operaciones en el 2021, según la Autoridad Portuaria Nacional (APN), entidad adscrita al MTC.

Se trata de los terminales portuarios General San Martín (Ica); Multiboyas Monte Azul (Arequipa); Multiboyas Mollendo Petroperú (Arequipa); Matarani (Arequipa) y el nuevo Terminal de Pasajeros ENAPU–Iquitos (Loreto), los cuales actualmente están en proceso de recepción de obras por parte de la APN.

Mina Justa en Marcona

A ellos se suman el Terminal Portuario Mina Justa (Ica), que ya cuenta con licencia de operaciones; y los proyectos portuarios que prevén culminar sus obras en el 2021, como el Terminal Portuario de Paita (Piura), con la ampliación de su muelle marginal a 60 metros más; la implementación del Muelle MU2 del proyecto de modernización de la Refinería Talara–Fase 2 (Piura); y el mejoramiento y rehabilitación del Terminal Portuario de Ilo–ENAPU (Moquegua).

Diversos proyectos portuarios reanudaron sus obras a partir de mayo del 2020, siguiendo las disposiciones dadas por el Gobierno peruano para ayudar a la reactivación económica.

El consorcio Terminal Portuario Paracas (TPP) es el responsable de la modernización del puerto San Martín y se ganó la concesión en el 2014 por 30 años para su administración.

FONTE: https://diariocorreo.pe/edicion/ica/puerto-general-san-martin-estara-para-el-bicentenario-noticia/


Perú: Terminal Portuario Paracas construirá almacén para concentrados minerales

Como parte de la modernización del Puerto de Pisco, en Perú, la operadora Terminal Portuario Paracas (TPP) prevé construir un almacén de concentrados de minerales en este puerto, el cual demandará una inversión de unos US$ 35 millones.

El gerente general de TPP, Sergio Nichele, comentó que esta infraestructura forma parte de una modificación presentada por la empresa.

Los cambios también incluyen una planta salinizadora. Esta inversión se suma a los desembolsos ya previstos por la empresa, que estaban en US$ 270 millones, se informó a través del sitio de laAsociación Peruana de Agentes Marítimos. 

Ahora, estas inversiones llegan a los US$ 300 millones. El nuevo almacén apunta a recibir la carga minera proveniente de Ica, Ayacucho y Huancavelica, que se moviliza hacia Lima o Matarani.

El estudio de ingeniería del almacén lo desarrolló la empresa de servicios de ingeniería Ausenco. Su gerente de medio ambiente y social, Gabriela Palacios, indicó que esta empresa se encargará del diseño de ingeniería del almacén, transporte hacia el buque y descarga de mineral en barcos, así como medidas específicas del almacén. Nichele dijo que la construcción de la planta de concentrados se espera ejecutar a partir del próximo año en el transcurso de 10 a 12 meses.

Nichele comentó que desde el 28 de marzo último se hacen trabajos de dragado en el muelle de Pisco. En estos meses, TPP maneja carga como insumos para Aceros Arequipa; maíz, fertilizantes y carga sobredimensionada. La operadora portuaria también viene ampliando su cobertura de envíos de productos agroindustriales, con traslado de cebolla del norte de Arequipa, hasta envíos de mangos desde Trujillo.

 Para el desarrollo del Puerto de Pisco un 60% es financiamiento de terceros y 40% capital de los propios accionistas. TPP está conformado por las brasileñas Pattac y Tucumann y la española Servinoga. El muelle tiene una extensión de 40 hectáreas y se espera a futuro tener áreas disponibles para contenedores.

Una vez concluidos los trabajos, TPP tendrá habilitado un muelle portuario de 700 metros de longitud.

De manera anual, el puerto de Pisco generará un movimiento de 300,000 TEU y 4 mlls. de toneladas de carga de mineral y a granel.

 

FONTE: https://portalportuario.cl/peru-terminal-portuario-paracas-construira-almacen-para-concentrados-minerales/


Sócios do TCP administrarão porto peruano

Os grupos paranaenses Tucumann e Pattac, em associação com a espanhola Servinog, venceram licitação internacional para fazer a modernização e gestão do Terminal Portuário General San Martin, na cidade de Pisco, no Peru. Sócios no Terminal de Contêineres de Paranaguá, o TCP, eles participaram da concorrência por meio da holding Tertium Participações.

O prazo de concessão do terminal de Pisco é de 30 anos, com compromisso de investimentos que somam US$ 230 milhões para modernizar o porto. O Peru quer capacitar o acanhado terminal para receber navios de grande porte, com a intenção de atrair cargas na rota para a Ásia pelos oceanos Pacífico e Índico.

Grupo brasileiro vence licitação de terminal no Peru

Os grupos paranaenses Tucumann e Pattac, em associação com a espanhola Servinog, estão chegando ao Peru para operar e administrar um terminal de contêineres no litoral do país. Por meio do Consórcio Paracas, o grupo venceu a licitação internacional, apresentando a melhor oferta para fazer a gestão e modernização do Terminal Portuário General San Martin, que fica na cidade de Pisco, 270 km abaixo da capital Lima.

A assinatura do contrato está marcada para o dia 21, em evento no palácio presidencial peruano, com a presença do presidente da República, Ollanta Humala, e de outras autoridades do país. O diretor de relações institucionais do grupo Tucumann, Guilherme Michaelis, diz que o consórcio já forneceu todas as garantias financeiras ao negócio e que, após esse ato, estará apto a assumir o terminal no prazo de 30 dias.

Tucumann, Pattac e Servinog, que já são sócios em outros negócios no Brasil na área de infraestrutura, participaram da concorrência peruana por meio da holding Tertium Participações. A Tertium detém 90% do Consórcio Paracas e a também brasileira Fortesolo, ficou com os 10% restantes.

Os três acionistas da holding Tertium são sócios no Terminal de Contêineres de Paranaguá, o TCP, que movimenta 1,5 milhão de unidades por ano e obteve faturamento de R$ 480 milhões em 2013. Juntos, eles detêm 23% do TCP. Cinco anos atrás venderam 50% do consórcio para o fundo de private equity Advent.

O prazo de concessão do terminal de Pisco é de 30 anos, com o compromisso de investimentos que somam US$ 230 milhões para modernizar o porto. O objetivo da agência peruana Proinversión, responsável pela licitação, é tornar o acanhado terminal apto a atender a futura demanda local e internacional, podendo receber navios de águas profundas. O alvo de operações visa basicamente a rota de cargas para a Ásia via os oceanos Pacífico e Índico.

Com o terminal de Paracas, como é conhecido por estar situado na baía do mesmo nome, os vencedores da licitação, que enfrentaram a gigante Maersk, pretendem compartilhar a área de influência do Porto de Callao, que fica na região metropolitana de Lima e é o maior do país. Lá já operam grandes empresas do setor, como a APM Terminals e a DW World, de Dubai.

À frente da Tertium foi escalado o espanhol David Simon Herranz, radicado no Brasil desde 1999 e que participou da gestão do TCP, criado em 1998, tendo como um dos acionistas uma empresa de Barcelona. A holding, formada em 2012 com 33,3% de cada sócio, terá como foco negócios em infraestrutura e logística.

Atualmente, além do terminal peruano, a Tertium tem dois ativos que são transitórios. A Itajaí Biogás e Energia, usina térmica instalada em um aterro sanitário de médio porte, e a EBCF, empresa dedicada à área de conservação de florestas privadas.

Segundo Herranz, nos primeiros três anos serão investidos US$ 150 milhões no terminal de Pisco. Os recursos serão usados na compra de equipamentos e em dragagem do porto, para atingir 16 metros de calado e receber grandes navios. Hoje tem porte médio, 700 metros de cais e é operado por uma estatal peruana. Movimenta basicamente carga geral, granéis e minérios.

O executivo diz que a operação de contêineres, considerada carga nobre, vai dar novo perfil ao terminal no prazo de três anos, quando concluir seu plano de modernização. Ele informa que o consórcio entrará com 30% dos recursos e 70% virão de financiamentos de instituições como o BID (Banco Interamerricano de Desenvolvimento), Corporacíon Andina, entre outras instituições financeiras.

A expectativa de receita do terminal de Paracas, quando estiver operando com contêineres, é de US$ 100 milhões ao ano, informa Herranz. A região, onde há presença de cultura de povo incaico, é uma grande produtora agrícola para exportação (uva, aspargo, pimentão e outras culturas).

O objetivo dos três sócios, diz o executivo, é que a Tertium atue em projetos portuários em várias regiões brasileiras, além do exterior. “Já temos alguns alvos em análise no Brasil e países da América Central, como Honduras e El Salvador”, informa Herranz. A estratégia será desenvolver projetos e buscar parceiros financeiros e com expertise.

O grupo Tucumann, que tem como origem na área de engenharia e construção pesada, foi fundado em 1990 por duas famílias. A de José Maria Miller, um engenheiro que se firmou no mundo só negócios em Guarapuava e detém 87% do grupo. A outra família é a de João Glück, de origem alemã, dona dos 17% restantes.

A expansão do grupo, ao longo dos anos, centrou-se em infraestrutura portuária e aeroportuária e em obras industriais. Atualmente, além do TCP e Tertium, tem participações na concessão rodoviária Caminhos do Mar (no Paraná), em três concessões de parques (Cataratas do Iguaçú, EcoNoronha e Paineiras Corcovado), em entretenimento e turismo (projeto ÁguaRio, no Porto Maravilha), em mobilidade urbana (ETM Estacionamentos), na Via Oceânica, de Niterói, além da EBCF e Itajaí Biogás.

A divisão de engenharia e obras do grupo, no ano passado, faturou cerca de R$ 250 milhões, de acordo com diretor Guilherme Michaelis. O executivo está à frente da área institucional da Tucumann desde 2010.

FONTE: https://valor.globo.com/empresas/noticia/2014/07/14/socios-do-tcp-administrarao-porto-peruano.ghtml


Grupo brasileiro vence licitação de terminal no Peru

Os grupos paranaenses Tucumann e Pattac, em associação com a espanhola Servinog, estão chegando ao Peru para operar e administrar um terminal de contêineres no litoral do país. Por meio do Consórcio Paracas, o grupo venceu a licitação internacional, apresentando a melhor oferta para fazer a gestão e modernização do Terminal Portuário General San Martin, que fica na cidade de Pisco, 270 km abaixo da capital Lima.

A assinatura do contrato está marcada para o dia 21, em evento no palácio presidencial peruano, com a presença do presidente da República, Ollanta Humala, e de outras autoridades do país. O diretor de relações institucionais do grupo Tucumann, Guilherme Michaelis, diz que o consórcio já forneceu todas as garantias financeiras ao negócio e que, após esse ato, estará apto a assumir o terminal no prazo de 30 dias.

Tucumann, Pattac e Servinog, que já são sócios em outros negócios no Brasil na área de infraestrutura, participaram da concorrência peruana por meio da holding Tertium Participações. A Tertium detém 90% do Consórcio Paracas e a também brasileira Fortesolo, ficou com os 10% restantes.

Os três acionistas da holding Tertium são sócios no Terminal de Contêineres de Paranaguá, o TCP, que movimenta 1,5 milhão de unidades por ano e obteve faturamento de R$ 480 milhões em 2013. Juntos, eles detêm 23% do TCP. Cinco anos atrás venderam 50% do consórcio para o fundo de private equity Advent.

O prazo de concessão do terminal de Pisco é de 30 anos, com o compromisso de investimentos que somam US$ 230 milhões para modernizar o porto. O objetivo da agência peruana Proinversión, responsável pela licitação, é tornar o acanhado terminal apto a atender a futura demanda local e internacional, podendo receber navios de águas profundas. O alvo de operações visa basicamente a rota de cargas para a Ásia via os oceanos Pacífico e Índico.

Com o terminal de Paracas, como é conhecido por estar situado na baía do mesmo nome, os vencedores da licitação, que enfrentaram a gigante Maersk, pretendem compartilhar a área de influência do Porto de Callao, que fica na região metropolitana de Lima e é o maior do país. Lá já operam grandes empresas do setor, como a APM Terminals e a DW World, de Dubai.

À frente da Tertium foi escalado o espanhol David Simon Herranz, radicado no Brasil desde 1999 e que participou da gestão do TCP, criado em 1998, tendo como um dos acionistas uma empresa de Barcelona. A holding, formada em 2012 com 33,3% de cada sócio, terá como foco negócios em infraestrutura e logística.

Atualmente, além do terminal peruano, a Tertium tem dois ativos que são transitórios. A Itajaí Biogás e Energia, usina térmica instalada em um aterro sanitário de médio porte, e a EBCF, empresa dedicada à área de conservação de florestas privadas.

Segundo Herranz, nos primeiros três anos serão investidos US$ 150 milhões no terminal de Pisco. Os recursos serão usados na compra de equipamentos e em dragagem do porto, para atingir 16 metros de calado e receber grandes navios. Hoje tem porte médio, 700 metros de cais e é operado por uma estatal peruana. Movimenta basicamente carga geral, granéis e minérios.

O executivo diz que a operação de contêineres, considerada carga nobre, vai dar novo perfil ao terminal no prazo de três anos, quando concluir seu plano de modernização. Ele informa que o consórcio entrará com 30% dos recursos e 70% virão de financiamentos de instituições como o BID (Banco Interamerricano de Desenvolvimento), Corporacíon Andina, entre outras instituições financeiras.

A expectativa de receita do terminal de Paracas, quando estiver operando com contêineres, é de US$ 100 milhões ao ano, informa Herranz. A região, onde há presença de cultura de povo incaico, é uma grande produtora agrícola para exportação (uva, aspargo, pimentão e outras culturas).

O objetivo dos três sócios, diz o executivo, é que a Tertium atue em projetos portuários em várias regiões brasileiras, além do exterior. "Já temos alguns alvos em análise no Brasil e países da América Central, como Honduras e El Salvador", informa Herranz. A estratégia será desenvolver projetos e buscar parceiros financeiros e com expertise.

O grupo Tucumann, que tem como origem na área de engenharia e construção pesada, foi fundado em 1990 por duas famílias. A de José Maria Miller, um engenheiro que se firmou no mundo só negócios em Guarapuava e detém 87% do grupo. A outra família é a de João Glück, de origem alemã, dona dos 17% restantes.

A expansão do grupo, ao longo dos anos, centrou-se em infraestrutura portuária e aeroportuária e em obras industriais. Atualmente, além do TCP e Tertium, tem participações na concessão rodoviária Caminhos do Mar (no Paraná), em três concessões de parques (Cataratas do Iguaçú, EcoNoronha e Paineiras Corcovado), em entretenimento e turismo (projeto ÁguaRio, no Porto Maravilha), em mobilidade urbana (ETM Estacionamentos), na Via Oceânica, de Niterói, além da EBCF e Itajaí Biogás.

A divisão de engenharia e obras do grupo, no ano passado, faturou cerca de R$ 250 milhões, de acordo com diretor Guilherme Michaelis. O executivo está à frente da área institucional da Tucumann desde 2010.

 

FONTE: https://valor.globo.com/empresas/noticia/2014/07/14/grupo-brasileiro-vence-licitacao-de-terminal-no-peru.ghtml


TERMINAL PORTUÁRIO PERUANO SERÁ GERIDO PELAS BRASILEIRAS TUCUMANN E PATTAC

O Terminal Portuário General San Martin, na cidade de Pisco, no Peru, será modernizado e terá sua gestão assumida pelos grupos paranaenses Tucumann e Pattac, em associação com a espanhola Servinoga. Os investimentos chegarão a US$ 180 milhões e a vigência do contrato será de 30 anos para a operação do terminal.

O planejamento é de nos próximos três anos fazer obras de modernização do cais, construção de um pátio de armazenamento, dragagem de 12 metros de profundidade no canal de acesso e a construção de uma área de manobra e cais. O principal objetivo com essas mudanças é permitir que o terminal receba navios de grande porte e passe a atrair cargas na rota para a Ásia pelos oceanos Pacífico e Índico.

Os grupos já são sócios no Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP) e no consórcio vencedor da licitação do terminal peruano, Paracas, liderado pela holding Tertium – que tem como participantes Pattac, Tucumann e Servinoga – com 90% de participação, em associação com a Fortesolo Serviços Integrados (10%).


TPParacas, Perú: Tras término de segunda fase, Puerto de Pisco contará en julio con un muelle de 700 metros

La concesionaria Terminal Portuario Paracas (TPParacas) indicó que para julio de 2020 se terminarán los trabajos de construcción de la segunda etapa del muelle del terminal San Martín, con lo cual todo el terminal del puerto de Pisco (Ica) contará con un muelle de 700 metros de longitud y estará totalmente habilitado para recibir carga naviera, según consignó Gestión.

La inversión total destinada al puerto de Pisco corresponde a US$300 millones.

El presidente ejecutivo de TPParacas, Jorge Arce, señaló que esta segunda etapa – cuyo monto alcanza los US$142 millones de la inversión total- comprende la construcción de 350 metros de muelle y la construcción de un área de patio.

A su vez considera la instalación de un almacén de contenedores de minerales y plantas de tratamiento de agua.

A lo que se suma una solicitud de una grúa pórtico (STS) y tres grúas móviles de patio (RTG), equipos que arribarán al Perú hacia abril del 2021.

Cabe mencionar que TPParacas -consorcio conformado por las empresas Servinoga, Pattac y Tucumann- se adjudicó el desarrollo del proyecto portuario en el año 2014.

Carga proyectos y cruceros

Una iniciativa de TPParacas es contar con un espacio de carga para proyectos industriales, para desembarcar carga de proyectos eólicos, así como captar la demanda de importación de equipos, por parte de empresas ubicadas desde el sur de Lima hasta el norte de Arequipa.

Arce señaló que una vez que todo el muelle se encuentre operativo –al tener dos posiciones habilitadas para el atraque de barcos– se recibirán más cruceros que los atendidos en 2019.

El directivo indicó que recientemente recaló un crucero de pasajeros de nacionalidad japonesa, caracterizados por tener alto poder adquisitivo.

A su vez, comentó que, debido al efecto del coronavirus, en los próximos meses se observaría una disminución de naves provenientes del mercado asiático.

Movilización de carga

Jorge Arce comentó que la primera etapa de construcción (US$103 millones), habilitada desde enero, ya comienza a registrar más exportaciones de productos de sal, maíz, fertilizantes y commodities.

De esa forma empresas como Aceros Arequipa, Conlatin y La Calera han aumentado sus volúmenes de exportación de productos. Asimismo, mencionó que el puerto de Pisco, que desde finales de 2019 comenzó a exportar soya procedente de Bolivia.

En cuanto a las proyecciones para 2020, el ejecutivo dijo que el puerto de Pisco apunta a transferir unos 60.000 TEUs y 1,7 millones de toneladas de carga.

En esa línea, se prevé que para este año los ingresos de TPParacas crecerán un 37%, en comparación a lo logrado en 2019.

Por MundoMaritimo

 

FONTE: https://www.mundomaritimo.cl/noticias/tpparacas-peru-tras-termino-de-segunda-fase-puerto-de-pisco-contara-en-julio-con-un-muelle-de-700-metros


Presidente de Perú visita obras de modernización de Terminal Portuario Paracas

Terminal Portuario Paracas (TPParacas), concesionario del Puerto General San Martin en Pisco, recibió la visita del Presidente del Perú, Martín Vizcarra, quien conoció en terreno  los avances de las obras de la modernización, en el marco de su encuentro con su homólogo chileno, Sebatian Piñera, en el III Gabinete Binacional Perú-Chile.

Durante la visita al recinto, el Presidente Martín Vizcarra supervisó el avance de la modernización del puerto y reconoció el gran avance que se ha tenido hasta la fecha, además pudo comprobar que las obras se ejecutan de acuerdo al contrato de concesión y respetando los altos estándares de calidad que exige la Bahía de Paracas.

“Estamos muy contentos de haber recibido la visita del mandatario Martín Vizcarra al puerto multipropósito, y que pueda cerciorar el correcto desarrollo de las operaciones, cumpliendo las normativas y garantizando los procesos limpios y eco-eficientes”, señaló César Rojas, Gerente de Operaciones de TPParacas.

A la fecha, TPParacas se encuentra ejecutando las obras de la etapa 1, de un total de 2 establecidas en el contrato de concesión, realizando una inversión de más 120 millones de dólares.

Como parte de las obras se ha construido un muelle totalmente nuevo que le otorga 350 metros de frente de atraque, con un dragado del fondo marino de 14 metros de profundidad, lo que permite la atención de naves de mayor calado. Asimismo, el terminal multipropósito cuenta con dos grúas móviles de 120 toneladas (Liebherr), cada una y con un alcance de 54 metros, con tecnología de punta.

TPParacas tiene como principales accionistas a las empresas Nogar (España), Pattac (Brasil) y Tucuman (Brasil). El grupo Nogar opera 7 terminales en Europa, mientras que las empresas Pattac y Tucuman administran parques nacionales y reservas ecológicas en Sudamérica, juntos desarrollaron el terminal de contenedores de Paranagúa (TCP), lo que demuestra su vasta experiencia en la operación logística portuaria y gestión de parques naturales.

 

FONTE: https://portalportuario.cl/presidente-de-peru-visita-obras-de-modernizacion-de-terminal-portuario-paracas/


Reiniciadas operaciones de contenedores en Puerto San Martín

El concesionario TPParacas, que tiene bajo su mando la modernización del Puerto General San Martín, de Pisco, anunció el reinició exitosamente la operación semanal de contenedores desde ese recinto.

El servicio de transporte de contenedores se reinició con una recalada semanal, todos los martes a las 13:00 horas.  Mientras esto ocurre, el proceso de modernización continúa su avance.

Las naves saldrán del terminal hacia distintos países, y con carga de  navieras de talla mundial como Maersk (el primer cliente en apostar por el servicio), Sealand y Hamburg-Sud.

TPParacas está conformada por las compañías brasileñas Pattac y Tucumann y la española Servinoga (Grupo Nogar) y  espera sumar un servicio adicional antes de cerrar el cuarto trimestre de 2019.

Este reinicio de operaciones permitirá que empresas ubicadas  desde Lurín hasta Arequipa puedan ahorrar tiempo de tránsito terrestre e incorporen a sus procesos, flexibilidad y  menores costos logísticos respecto a la oferta del Callao.

 

FONTE: https://noticiaslogisticaytransporte.com/logistica/29/07/2019/reiniciadas-operaciones-de-contenedores-en-puerto-san-martin/139503.html


MAJOR UPGRADES TO BE IMPLEMENTED FOR GRAIN AT PARANAGUÁ, BRAZIL

Permission has been granted to proceed with work on a new dry bulk quay at the Brazilian Port of Paranaguá, in which investment of $47.77 million will be made. This money will be entirely generated by the port authority, Portos de Paranaguá e Antonina (Appa). The work will involve modernisation of berths 201 and 202, as well as expansion of 201.
Estimates suggest that the upgrades will triple export grain capacity whilst at the same time boosting the competitiveness of exports in the states of Mato Grosso do Sul, São Paulo, Santa Catarina and Paraguai. By expanding the handling area, truck turnaround times should improve dramatically and cut peak harvest queuing times for road haulage vehicles. Work, which will be undertaken by the B201 consortium (Tucumann and TMSA), will take 18 months to complete.
Berth 201 will be expanded by 100 metres, while upgrades to both 201 and 202 will allow them to be dredged to a depth of 13.7 metres. Dry bulk loading equipment is also to be revamped with the arrival of two new shiploaders, which will have a capacity of 2,000 tonnes/hour compared to the two existing machines, which offer rates of 1,000 tonnes and 2,000 tonnes per hour respectively.
According to APPA president, Lourenço Fregonese, the project to improve the dry bulk handling area dates back 28 years, with three versions of an upgrade project drawn up in 1990. The key aspect of the current work is that the extension of berth 201 by 100 metres will allow large ships to call, boosting capacity from 2 million tonnes of grain annually to 6.5 million tonnes.
FONTE: https://www.drycargomag.com/major-upgrades-to-be-implemented-for-grain-at-paranaguá-brazil

Investimento no Porto de Paranaguá triplicará o embarque de grãos

O governo do Paraná assinou a ordem de serviço para início das obras no cais Oeste do Porto de Paranaguá, que será realizada pela empresa vencedora da licitação, o Consórcio B201 (Tucumann e TMSA), no prazo de 18 meses. O investimento de R$ 177,6 milhões, custeado com recursos próprios da Appa (Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina), abrange o prolongamento de 100 metros da estrutura civil do berço de atracação 201 e a modernização das estruturas dos berços 201 e 202, o que possibilitará o aprofundamento do nível de dragagem para 13,70 metros.

Segundo a governadora do Estado, Cida Borghetti, a importância da obra se dá em função do aumento significativo da movimentação de cargas nos últimos anos, especialmente os embarques do complexo agroindustrial da soja. “Este empreendimento vai triplicar a capacidade de exportação de grãos. Além disso, amplia a competitividade dos produtos paranaenses e brasileiros”, afirmou. O prolongamento em 100 metros do berço 201, por exemplo, permitirá a atracação de navios de grande porte e, com isso, o aumento da capacidade anual de movimentação de carga do berço, dos atuais 2 milhões de toneladas de grãos para 6,5 milhões de toneladas.

Para o governo do Paraná, o projeto garante o escoamento da produção estadual e da área de influência do Porto de Paranaguá, que abrange os estados de Mato Grosso do Sul, São Paulo, Santa Catarina e o Paraguai.

Melhoria

De acordo com Nelson Costa, superintendente da Ocepar (Organização das Cooperativas do Paraná), a ampliação do cais vai melhorar ainda mais o escoamento da produção “O porto vem em uma crescente de investimentos que ajuda os agricultores a trazer os produtos do interior sem ter fila de caminhões nem de navios. Isso reduz o custo de logística”, afirmou.

A proposta de melhoria também prevê a substituição de toda estrutura eletromecânica, incluindo dois novos carregadores de navios de 2 mil toneladas/hora – hoje operando com 1 mil toneladas/hora e 1,5 mil toneladas/hora. As reformas incluirão reforço estrutural, instalação de passarela de pedestres, troca de defensas, espaçadores metálicos e a instalação de novo dolfim (coluna) de amarração de navios. Todo projeto atende aos requisitos do PAC (Plano Ambiental de Construção), incluindo a legislação ambiental vigente.

A obra dará, ainda, um fôlego extra ao setor Leste do Porto de Paranaguá, que está sobrecarregado e não pode mais ser ampliado, abrindo novas alternativas de escoamento para o agronegócio paranaense.

Texto com base na publicação da Agência de Notícias do Paraná

FONTE: https://www.mundocoop.com.br/destaque/investimento-no-porto-de-paranagua-triplicara-o-embarque-de-graos.html

Paranaguá celebra modernização de berços de atracação

Foi assinada nesta quarta-feira, 4 de julho, a ordem de serviço para a modernização dos berços de atracação 201 e 202 e para a ampliação do berço 201 do Porto de Paranaguá (PR). A cerimônia foi liderada pela governadora paranaense Cida Borghetti (PP), que no momento substitui Beto Richa, candidato a uma vaga no Senado Federal pelo estado.

A obra está prevista para ser executada em 18 meses e está sob a responsabilidade da empresa vencedora da licitação, o Consórcio B201 (Tucumann e TMSA). O projeto consiste no prolongamento de 100 metros da estrutura civil do berço de atracação 201 e na modernização das estruturas dos berços 201 e 202, mudanças que possibilitarão o aprofundamento da navegação para 13,70 metros.

A proposta vencedora também prevê a substituição de toda estrutura eletromecânica, incluindo dois novos carregadores de navios de 2.000 toneladas/hora – hoje operando com 1.000 toneladas/hora e 1.500 toneladas/hora. As reformas incluirão reforço estrutural, instalação de passarela de pedestres, troca de defensas, espaçadores metálicos e a instalação de novo dolfim (coluna) de amarração de navios.

A governadora Cida ressaltou a importância da iniciativa em função do aumento significativo da movimentação de cargas nos últimos anos em Paranaguá, especialmente os embarques relacionados ao complexo agroindustrial da soja. “Este empreendimento vai triplicar a capacidade de exportação de grãos. Além disso, amplia a competitividade dos produtos paranaenses e brasileiros”.

De acordo com o superintendente da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), Nelson Costa, a ampliação do cais vai melhorar ainda mais o escoamento da produção paranaense e também de outros estados. “O Porto vem em uma crescente de investimentos nos últimos anos que ajuda os produtores a trazer os produtos do interior sem ter fila de caminhões nem de navios. Isso reduz o custo de logística, que vai diminuir ainda mais com este novo investimento”.

FONTE: https://portogente.com.br/noticias/portos-do-brasil/102837-porto-de-paranagua-comemora-modernizacao-de-bercos-de-atracacao


Porto de Paranaguá começa obras de ampliação e triplica capacidade

nvestimento de R$ 177,6 milhões foi anunciado (180705) para modernização dos berços de atracação 201 e 202 e a ampliação do berço 201, no Porto de Paranaguá (Paraná, sul do Brasil). Trata-se de aplicação de recursos da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA). Obra começa agora e deverá triplicar a capacidade de exportação de grãos.

O prazo de execução da obra é de 18 meses e será realizado pela empresa vencedora  da licitação, o Consórcio B201 (Tucumann e TMSA). O projeto consiste no prolongamento de 100 metros da estrutura civil do Berço de atracação 201 e modernização das estruturas dos berços 201 e 202, o que possibilitará o aprofundamento do nível de dragagem para 13,70 metros.

Aumento de capacidade vai beneficiar a exportação agrícola dos estados do Mato Grosso do Sul, São Paulo, Santa Catarina e o Paraguai.
O prolongamento em 100 metros do berço 201, no extremo Oeste do porto, permitirá a atracação no local, de navios de grande porte. Com isso, a capacidade anual de movimentação de carga do berço aumentará dos atuais 2 milhões de toneladas de grãos para 6,5 milhões de toneladas.

Nelson Costa, superintendente da Organização das Cooperativas do Paraná (OCEPAR), disse que a ampliação do cais vai melhorar o escoamento da produção. “O porto vem em uma crescente de investimentos nos últimos anos que ajuda os produtores a trazer os produtos do Interior sem ter fila de caminhões nem de navios. Isso reduz o custo de logística, que vai diminuir ainda mais com este novo investimento”, afirmou.

Marcelo Roque, prefeito de Paranaguá, crê que o novo investimento do Porto vai trazer mais desenvolvimento e empregos para o município. “A maioria das vagas a serem criadas pela execução da obra, será para os trabalhadores de Paranaguá. É mais um investimento importante que traz benefícios e empregos para o nosso município”.

Melhoria prevê a substituição de toda estrutura eletromecânica, incluindo dois novos  carregadores de navios de 2.000 toneladas/hora – hoje operando com 1000 toneladas/hora e  1.500 toneladas/hora. As reformas incluirão reforço estrutural, instalação  de passarela de pedestres, troca de defensas, espaçadores metálicos, e  a instalação de novo dolfim (coluna) de amarração de navios.

Lourenço Fregonese, diretor-presidente da APPA, afirmou que as obras de ampliação e melhorias do cais Oeste do Porto de Paranaguá respondem a um desejo antigo da comunidade portuária. “São 28 anos de espera. Desde 1990 já foram elaboradas três versões do projeto”.

Explicou que todo projeto atende os requisitos do Plano Ambiental de Construção (PAC). “O PAC apresenta todos os elementos diretamente envolvidos no processo construtivo da obra, de acordo com a legislação ambiental vigente. Fizemos tudo visando o desenvolvimento das atividades, racionalização de custos, mas sem prejuízos ao meio ambiente”. As mudanças trarão mais agilidade nas operações do Porto e a possibilidade de atracação de navios maiores e mais pesados, de até 80 mil toneladas de porte bruto (TPB).

A obra também dará um fôlego extra ao setor Leste do Porto de Paranaguá, que está sobrecarregado e não pode mais ser ampliado. Segundo projeto apresentado pela APPA, o setor Leste já vem trabalhando com demanda reprimida, principalmente em relação a graneis sólidos vegetais, e está próximo ao seu limite logístico e operacional. Com a ampliação do cais Oeste, a movimentação de cargas será triplicada, descongestionando o setor Leste, e abrindo novas alternativas de escoamento para o agronegócio do Estado do Paraná.

FONTE: http://www.noticiario.com.br/noticia.php?cod_noticia=11037


Com embarques ampliados, Paranaguá vai baratear frete e gerar 250 empregos

Em 18 meses, o Porto de Paranaguá poderá aumentar o embarque anual de grãos de 23 milhões de toneladas para 27 milhões de toneladas. A expansão se deve a uma liberação da ordem de serviço para início das obras no Cais Oeste, assinada pelo governador Beto Richa, nesta quarta-feira (21).

Com investimentos de R$ 177,58 milhões, custeados com recursos próprios da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), as empresas vencedoras do consórcio - Tucumann e MSA - irão realizar serviços de modernização de dois berços de atracação (201 e 202) e ampliação de outro berço (201).

À Gazeta do Povo, o diretor-presidente da APPA, Luiz Henrique Dividino, explicou que o berço 201 será alongado em 100 metros. “Poderemos, no futuro, acomodar navios com até 110 mil toneladas de carga”, afirma. A proposta também prevê a substituição de dois carregadores de navios, que passarão a operar 2 mil toneladas de grãos por hora. Os atuais operam com potencial de 1 mil e 1,5 mil toneladas hora.

Obra deve gerar 250 empregos

Com a assinatura da ordem serviço nesta quarta-feira (21), o consórcio responsável pela ampliação e modernização dos berços no Cais Oeste do Porto de Paranaguá tem 30 dias para mobilizar recursos e começar as obras, revela o diretor-presidente da APPA. “Essa obra estima em torno de 250 empregos no porto, desde operador de guindaste, máquinas, entre outras funções. Isso sem contar os empregos fora”, exemplifica Luiz Henrique Dividino. O prazo de execução é de 18 meses.

Com a expansão, os embarques no berço passarão dos atuais 2 milhões de toneladas de grãos para 6,5 milhões de toneladas por ano. “Este empreendimento vai triplicar a capacidade de exportação de grãos. Além disso, amplia a competitividade dos produtos paranaenses e brasileiros”, afirmou Beto Richa durante a assinatura, na tarde de quarta-feira, em Curitiba.

Já a modernização das estruturas dos berços 201 e 202 possibilitará o aprofundamento do nível de dragagem para 13,70 metros. “Quando falamos nessa obra, é sempre importante destacar a conexão com a dragagem. Nossa preocupação sempre foi ter um porto mais profundo e com maior capacidade”, destaca Dividino.

Frete e produtividade

Ao chegar a 27 milhões de toneladas de grãos embarcados, o crescimento aproximado total é de 20% para granéis sólidos. “Vamos maximizar o que temos e aumentar o volume de carga. Estamos praticamente criando um novo corredor de exportação”, comenta Dividino.

Outra vantagem será a redução do frete marítimo em quase US$ 5 por tonelada, completa o presidente da APPA: “Na medida em que você cria condições para navios maiores, por uma questão de escala é possível reduzir o frete. Hoje temos [no Porto] navios de 65 mil toneladas. Depois teremos de 90 mil e com possibilidade para atender navios de até 110 mil toneladas”.

Recentemente, atracou no Porto uma embarcação próxima a esse porte: o navio Jubilant Devotion recebeu 87 mil toneladas de farelo de soja.

Fonte: Gazeta do Povo
FONTE: https://www.usuport.org.br/Noticia/14149/Com-embarques-ampliados-Paranagua-vai-baratear-frete-e-gerar-250-empregos


PORTO DE PARANAGUÁ: Obra de R$ 177 milhões vai triplicar embarque de grãos

O governador Beto Richa liberou nesta quarta-feira (21/03), no Palácio Iguaçu, em Curitiba, a ordem de serviço para início das obras no cais Oeste do Porto de Paranaguá. O investimento de R$ 177,58 milhões abrange modernização dos berços de atracação 201 e 202 e de ampliação do berço 201. O projeto será custeado com recursos próprios da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa).

Aumento da movimentação - Richa ressaltou a importância da obra tendo em vista o aumento significativo da movimentação de cargas nos últimos anos, especialmente os embarques do complexo agroindustrial da soja. “Essa é mais uma demonstração da boa governança implantada nas empresas públicas do Estado do Paraná”, destacou Richa.

Triplo da capacidade - “Este empreendimento vai triplicar a capacidade de exportação de grãos. Além disso, amplia a competitividade dos produtos paranaenses e brasileiros”, afirmou o governador. Segundo ele, o projeto garante o escoamento da produção do Paraná e da área de influência do Porto de Paranaguá, que abrange os estados do Mato Grosso do Sul, São Paulo, Santa Catarina e o Paraguai.

Cronograma - O prazo de execução da obra é de 18 meses e será realizado pela empresa vencedora da licitação, o Consórcio B201 (Tucumann e TMSA). O projeto consiste no prolongamento de 100 metros da estrutura civil do Berço de atracação 201 e modernização das estruturas dos berços 201 e 202, o que possibilitará o aprofundamento do nível de dragagem para 13,70 metros.

Substituição - A proposta também prevê a substituição de toda estrutura eletromecânica, incluindo dois novos carregadores de navios de 2.000 toneladas/hora - hoje operando com 1000 toneladas/hora e 1.500toneladas/hora. As reformas incluirão reforço estrutural, instalação de passarela de pedestres, troca de defensas, espaçadores metálicos, e a instalação de novo dolfim (coluna) de amarração de navios.

Demanda antiga - O secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, lembrou que as obras de ampliação e melhorias do cais oeste do Porto de Paranaguá respondem a um desejo antigo da comunidade portuária. “São 28 anos de espera. Desde 1990 já foram elaboradas três versões do projeto”, explicou ele.

Segunda grande obra - “Esta será a segunda grande obra com recursos públicos no cais do Porto de Paranaguá em 80 anos, sendo as duas executadas nesta gestão. Uma obra que vai elevar o patamar do Porto”, declarou o secretário. Ele citou a reforma nos 1,9 mil metros lineares do cais de acostagem e a trocas de quatro shiploaders (carregadores de navios).

Frete menor - O diretor-presidente da Appa, Luiz Henrique Dividino, disse que com a obra, incluindo as dragagens realizadas, será possível baixar o frete marítimo em quase US$ 5 por tonelada. “Isso irá repercurtir positivamente para o agronegócio paranaense. Preparamos o Porto para que se possa produzir mais”, afirmou.

Agilidade - Segundo ele, as mudanças trarão mais agilidade nas operações do porto e a possibilidade de atracação de navios maiores e mais pesados, de até 80 mil toneladas de porte bruto (TPB). O prolongamento em 100 metros do berço 201, no extremo Oeste do porto, permitirá a atracação de navios de grande porte. Com isso, a capacidade anual de movimentação do berço aumentará dos atuais 2 milhões de toneladas de grãos para 6,5 milhões de toneladas.

Plano Ambiental - Dividino explica que todo projeto atende os requisitos do Plano Ambiental de Construção – PAC. “O PAC apresenta todos os elementos diretamente envolvidos no processo construtivo da obra, de acordo com a legislação ambiental vigente. Fizemos tudo visando o desenvolvimento das atividades, racionalização de custos, mas sem prejuízos ao meio ambiente”, enfatiza.

Fôlego - A obra também dará um fôlego extra ao setor leste do Porto de Paranaguá, que está sobrecarregado e não pode mais ser ampliado. Segundo projeto apresentado pela Appa, o setor leste já vem trabalhando com demanda reprimida, principalmente em relação a graneis sólidos vegetais, e está próximo ao seu limite logístico e operacional.

Novas alternativas - Com a ampliação do cais oeste, a movimentação de cargas será triplicada, descongestionando o setor leste, e abrindo novas alternativas de escoamento para o agronegócio do Estado do Paraná.

Presenças - Participaram da solenidade o deputado estadual Tião Medeiros; presidente da Companhia de Habitação do Paraná, Abelardo Lupion; e o diretor de engenharia da APPA, Paulinho Dalmaz. (Agência de Notícias do Paraná)

 

FONTE: http://www.paranacooperativo.coop.br/ppc/index.php/sistema-ocepar/comunicacao/2011-12-07-11-06-29/ultimas-noticias/116980-porto-de-paranagua-obra-de-r-177-milhoes-vai-triplicar-embarque-de-graos


Com embarques ampliados, Paranaguá vai baratear frete e gerar 250 empregos

Em 18 meses, o Porto de Paranaguá poderá aumentar o embarque anual de grãos de 23 milhões de toneladas para 27 milhões de toneladas. A expansão se deve a uma liberação da ordem de serviço para início das obras no Cais Oeste, assinada pelo governador Beto Richa, nesta quarta-feira (21).

Com investimentos de R$ 177,58 milhões, custeados com recursos próprios da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), as empresas vencedoras do consórcio - Tucumann e MSA - irão realizar serviços de modernização de dois berços de atracação (201 e 202) e ampliação de outro berço (201).

À Gazeta do Povo, o diretor-presidente da APPA, Luiz Henrique Dividino, explicou que o berço 201 será alongado em 100 metros. “Poderemos, no futuro, acomodar navios com até 110 mil toneladas de carga”, afirma. A proposta também prevê a substituição de dois carregadores de navios, que passarão a operar 2 mil toneladas de grãos por hora. Os atuais operam com potencial de 1 mil e 1,5 mil toneladas hora.

Obra deve gerar 250 empregos

Com a assinatura da ordem serviço nesta quarta-feira (21), o consórcio responsável pela ampliação e modernização dos berços no Cais Oeste do Porto de Paranaguá tem 30 dias para mobilizar recursos e começar as obras, revela o diretor-presidente da APPA. “Essa obra estima em torno de 250 empregos no porto, desde operador de guindaste, máquinas, entre outras funções. Isso sem contar os empregos fora”, exemplifica Luiz Henrique Dividino. O prazo de execução é de 18 meses.

Com a expansão, os embarques no berço passarão dos atuais 2 milhões de toneladas de grãos para 6,5 milhões de toneladas por ano. “Este empreendimento vai triplicar a capacidade de exportação de grãos. Além disso, amplia a competitividade dos produtos paranaenses e brasileiros”, afirmou Beto Richa durante a assinatura, na tarde de quarta-feira, em Curitiba.

Já a modernização das estruturas dos berços 201 e 202 possibilitará o aprofundamento do nível de dragagem para 13,70 metros. “Quando falamos nessa obra, é sempre importante destacar a conexão com a dragagem. Nossa preocupação sempre foi ter um porto mais profundo e com maior capacidade”, destaca Dividino.

Frete e produtividade

Ao chegar a 27 milhões de toneladas de grãos embarcados, o crescimento aproximado total é de 20% para granéis sólidos. “Vamos maximizar o que temos e aumentar o volume de carga. Estamos praticamente criando um novo corredor de exportação”, comenta Dividino.

Outra vantagem será a redução do frete marítimo em quase US$ 5 por tonelada, completa o presidente da APPA: “Na medida em que você cria condições para navios maiores, por uma questão de escala é possível reduzir o frete. Hoje temos [no Porto] navios de 65 mil toneladas. Depois teremos de 90 mil e com possibilidade para atender navios de até 110 mil toneladas”.

Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/agronegocio/logistica/com-embarques-ampliados-paranagua-vai-baratear-frete-e-gerar-250-empregos-3h7avk1wh9ktt4xd0rss1fnsf/
Copyright © 2021, Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados.


Obra de R$ 177 milhões vai triplicar embarque de grãos

Projeto vai modernizar os berços 201 e 202 e prevê dois novos carregadores de navios, que substituirão estruturas mais antigas e lentas. O cais vai ganhar mais 100 metros e a capacidade anual de movimentação de carga aumentará de 2 milhões de toneladas de grãos para 6,5 milhões.

O governador Beto Richa liberou nesta quarta-feira (21), no Palácio Iguaçu, a ordem de serviço para início das obras no cais Oeste do Porto de Paranaguá. O investimento de R$ 177,58 milhões abrange modernização dos berços de atracação 201 e 202 e de ampliação do berço 201. O projeto será custeado com recursos próprios da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa).

Richa ressaltou a importância da obra tendo em vista o aumento significativo da movimentação de cargas nos últimos anos, especialmente os embarques do complexo agroindustrial da soja. “Essa é mais uma demonstração da boa governança implantada nas empresas públicas do Estado do Paraná”, destacou Richa.

“Este empreendimento vai triplicar a capacidade de exportação de grãos. Além disso, amplia a competitividade dos produtos paranaenses e brasileiros”, afirmou o governador. Segundo ele, o projeto garante o escoamento da produção do Paraná e da área de influência do Porto de Paranaguá, que abrange os estados do Mato Grosso do Sul, São Paulo, Santa Catarina e o Paraguai.

CRONOGRAMA – O prazo de execução da obra é de 18 meses e será realizado pela empresa vencedora da licitação, o Consórcio B201 (Tucumann e TMSA). O projeto consiste no prolongamento de 100 metros da estrutura civil do Berço de atracação 201 e modernização das estruturas dos berços 201 e 202, o que possibilitará o aprofundamento do nível de dragagem para 13,70 metros.

A proposta também prevê a substituição de toda estrutura eletromecânica, incluindo dois novos carregadores de navios de 2.000 toneladas/hora – hoje operando com 1000 toneladas/hora e 1.500toneladas/hora. As reformas incluirão reforço estrutural, instalação de passarela de pedestres, troca de defensas, espaçadores metálicos, e a instalação de novo dolfim (coluna) de amarração de navios.

O secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, lembrou que as obras de ampliação e melhorias do cais oeste do Porto de Paranaguá respondem a um desejo antigo da comunidade portuária. “São 28 anos de espera. Desde 1990 já foram elaboradas três versões do projeto”, explicou ele.

“Esta será a segunda grande obra com recursos públicos no cais do Porto de Paranaguá em 80 anos, sendo as duas executadas nesta gestão. Uma obra que vai elevar o patamar do Porto”, declarou o secretário. Ele citou a reforma nos 1,9 mil metros lineares do cais de acostagem e a trocas de quatro shiploaders (carregadores de navios).

FRETE MENOR – O diretor-presidente da Appa, Luiz Henrique Dividino, disse que com a obra, incluindo as dragagens realizadas, será possível baixar o frete marítimo em quase US$ 5 por tonelada. “Isso irá repercurtir positivamente para o agronegócio paranaense. Preparamos o Porto para que se possa produzir mais”, afirmou.

Segundo ele, as mudanças trarão mais agilidade nas operações do porto e a possibilidade de atracação de navios maiores e mais pesados, de até 80 mil toneladas de porte bruto (TPB). O prolongamento em 100 metros do berço 201, no extremo Oeste do porto, permitirá a atracação de navios de grande porte. Com isso, a capacidade anual de movimentação do berço aumentará dos atuais 2 milhões de toneladas de grãos para 6,5 milhões de toneladas.

Dividino explica que todo projeto atende os requisitos do Plano Ambiental de Construção – PAC. “O PAC apresenta todos os elementos diretamente envolvidos no processo construtivo da obra, de acordo com a legislação ambiental vigente. Fizemos tudo visando o desenvolvimento das atividades, racionalização de custos, mas sem prejuízos ao meio ambiente”, enfatiza.

FÔLEGO – A obra também dará um fôlego extra ao setor leste do Porto de Paranaguá, que está sobrecarregado e não pode mais ser ampliado. Segundo projeto apresentado pela Appa, o setor leste já vem trabalhando com demanda reprimida, principalmente em relação a graneis sólidos vegetais, e está próximo ao seu limite logístico e operacional.

Com a ampliação do cais oeste, a movimentação de cargas será triplicada, descongestionando o setor leste, e abrindo novas alternativas de escoamento para o agronegócio do Estado do Paraná.

PRESENÇAS- Participaram da solenidade o deputado estadual Tião Medeiros; presidente da Companhia de Habitação do Paraná, Abelardo Lupion; e o diretor de engenharia da APPA, Paulinho Dalmaz.

Fonte: AEN-PR – 21/03/2018 13:40

 

FONTE: https://www.sintracoop.com.br/obra-de-r-177-milhoes-vai-triplicar-embarque-de-graos/


TCP inicia expansão em Paranaguá

A TCP, empresa que administra o Terminal de Contêineres de Paranaguá (PR), começou as obras de expansão do terminal. A licença do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) liberando as obras saiu dia 24 de novembro.

Serão investidos R$ 550 milhões até 2019 para ampliar a capacidade de movimentação de 1,5 milhão de Teus (contêiner de 20 pés) por ano para 2,5 milhões de Teus. O investimento é contrapartida à renovação antecipada do arrendamento por mais 25 anos, válidos a partir de 2024. A prorrogação antecipada foi assinada em abril de 2016 pelo governo federal.

As melhorias preveem expansão do cais de atracação, que terá mais 220 metros, para 1.099 metros de extensão; a construção de píeres exclusivos para navios que fazem o transporte de veículos; e a ampliação do pátio do terminal de 330 mil m2 para quase 500 mil m2.

Os recursos para a obra foram obtidos por meio de emissão de debêntures, que somou R$ 588 milhões. A obra é realizada pela Porto Construtora, joint venture entre Pattac e Tucumann, dois sócios da TCP.

"Vamos continuar sendo competitivos num jogo cada vez mais eficiente", disse o presidente da TCP, Luiz Alves. Segundo o executivo, a concentração de mercado de terminais portuários é uma tendência inexorável. "Em relação a dez anos, há uma diminuição do número de terminais apesar de o mercado ter crescido." Em setembro, TCP e a China Merchants Port Holdings fecharam um contrato vinculante pelo qual o grupo asiático comprará 90% da TCP.

Fonte: Valor

FONTE: https://www.portosenavios.com.br/noticias/portos-e-logistica/tcp-inicia-expansao-em-paranagua


Novos pátios em Paranaguá podem ter obras retomadas em novembro

PARANAGUÁ - Atualizando o sistema de informações, a equipe da ConVisão apurou que a obra de reconstrução dos muros e recomposição dos pavimentos dos novos pátios em Paranaguá - PR, a cargo do Consórcio formado pela Tucumann Engenharia e Redram Construtora, encontram-se paralisadas e poderão ser retomadas em novembro. O empreendimento de infraestrutura é uma iniciativa da APPA - Porto de Paranaguá e Antonina - PR.

 

FONTE: http://www.convisao.com.br/publicacao/sites/cnc/2017/2017_09/materias/605303_222492/index.htm


MODERNIZACIÓN DE PUERTO DE PISCO SE INICIARÁ ENTRE MARZO Y MAYO DEL 2017

—Duración de la obra se estima en dos años y medio, y requerirá una inversión de US$ 230 millones. Este año, terminal portuario transportará 1.8 millones de toneladas de carga.

La modernización del Terminal Portuario General San Martín de Pisco comenzará entre marzo y mayo del 2017, adelantó a Gestión Sergio Nichele Junior, gerente general adjunto de Terminal Portuario Paracas, concesionario del puerto. El Consorcio Paracas ganó la concesión del puerto en el 2014 por 30 años, con el fin de mejorar su infraestructura logística para impulsar el tránsito de mercancías en la región sur para exportar. “La obra empezará el próximo año, una vez que firmemos la adenda de bancabilidad que está en marcha, y que es un proceso que lleva el Estado peruano”, detalló el ejecutivo.

Plazos

La duración de la obra se estima dure dos años y medio, y demandaría una inversión en torno a los US$ 230 millones. “Por contrato de concesión deberíamos desarrollar las obras en cuatro etapas de inversión de acuerdo a la demanda. Pero el directorio de la empresa ha decidido hacerlo todo en una sola etapa. Es decir, hacer toda la inversión y las complementarias en los próximos dos años y medio”indicó.

Este año esperan mantener el volumen de carga transportada en el puerto, que es de 1.8 millones de toneladas al año. Pero al 2018 esperan aumentarla en 10%.

Sergio Nichele indicó que el fuerte del puerto es la carga refrigerada, que genera mayor flete a las líneas navieras. Pero existe demanda de carga seca o granel (productos de acero, minerales, fertilizantes, maíz).

Incursión Las empresas integrantes del Consorcio Paracas, ganador de la buena pro del terminal portuario, la española Servinoga SL, y las brasileñas Tucumán Engenharia e Empreendimentos Ltda, Pattac Empreendimentos e Participacoes SA, y Fortesolo Servicios Integrados Ltda, estarían interesadas en incursionar en el Perú en otros negocios. “Estas empresas en Brasil y España están en otros rubros como el de carreteras, acuarios, reservas naturales, proyectos eólicos entre otros, por lo que evalúan oportunidades en Perú. Dos de estas empresas son gestores del Cristo Corcovado y las cataratas de Iguazú”, mencionó Sergio Nichele Junior.

FONTE: https://www.apam-peru.com/web/modernizacion-de-puerto-de-pisco-se-iniciara-entre-marzo-y-mayo-del-2017/


Definida a construtora que fará obra de modernização no Porto de Paranaguá

A concorrência nº 53/2015 da APPA - Porto de Paranaguá e Antonina - PR, para modernização e ampliação de berços de atracação no Porto de Paranaguá - PR, foi homologada e foi declarada como vencedor o Consórcio formado pelas construtoras Tucumann e Redram. As empresas planejam a equipe e aguardam assinatura de contrato. O valor-base da foi de R$ 178 milhões, e a expectativa é de início até junho deste ano.

 

FONTE: http://www.convisao.com.br/publicacao/sites/cnc/2016/2016_04/materias/589890_185591/materia.htm


TERMINAL PORTUÁRIO PERUANO SERÁ GERIDO PELAS BRASILEIRAS TUCUMANN E PATTAC

O Terminal Portuário General San Martin, na cidade de Pisco, no Peru, será modernizado e terá sua gestão assumida pelos grupos paranaenses Tucumann e Pattac, em associação com a espanhola Servinoga. Os investimentos chegarão a US$ 180 milhões e a vigência do contrato será de 30 anos para a operação do terminal.

O planejamento é de nos próximos três anos fazer obras de modernização do cais, construção de um pátio de armazenamento, dragagem de 12 metros de profundidade no canal de acesso e a construção de uma área de manobra e cais. O principal objetivo com essas mudanças é permitir que o terminal receba navios de grande porte e passe a atrair cargas na rota para a Ásia pelos oceanos Pacífico e Índico.

Os grupos já são sócios no Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP) e no consórcio vencedor da licitação do terminal peruano, Paracas, liderado pela holding Tertium – que tem como participantes Pattac, Tucumann e Servinoga – com 90% de participação, em associação com a Fortesolo Serviços Integrados (10%).

 

FONTE: https://petronoticias.com.br/56262/


Tucumann e Pattac vão investir R$ 180 mi no Peru

Os grupos paranaenses Tucumann e Pattac, em associação com a espanhola Servinog, vão investir US$ 180 milhões na modernização e na gestão do Terminal Portuário General San Martin, na cidade de Pisco, no Peru. Os grupos já são sócios do Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP) e fazem parte do consórcio Paracas, que venceu a licitação para operar o terminal peruano por 30 anos. A expectativa é faturar US$ 100 milhões.

Em nota, o consórcio diz que nos próximos três anos deverão ser executadas obras de modernização do cais, construção de um pátio de armazenamento, dragagem de 12 metros de profundidade no canal de acesso e a construção de uma área de manobra e cais. O consórcio Paracas S.A. é liderado pela holding Tertium –que tem como participantes a Pattac, Tucumann e Servinoga – com 90% em associação com a Fortesolo Serviços Integrados (10%).

A intenção é possibilitar ao terminal receber navios de grande porte e atrair cargas na rota para a Ásia pelos oceanos Pacífico e Índico.
Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/economia/tucumann-e-pattac-vao-investir-r-180-mi-no-peru-ecu5xz3crg1lot4trae7ja15a/
Copyright © 2021, Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados.


Grupo brasileiro vence licitação de terminal no Peru

Fonte: Valor Econômico
Os grupos paranaenses Tucumann e Pattac, em associação com a espanhola Servinog, estão chegando ao Peru para operar e administrar um terminal de contêineres no litoral do país. Por meio do Consórcio Paracas, o grupo venceu a licitação internacional, apresentando a melhor oferta para fazer a gestão e modernização do Terminal Portuário General San Martin, que fica na cidade de Pisco, 270 km abaixo da capital Lima.
A assinatura do contrato está marcada para o dia 21, em evento no palácio presidencial peruano, com a presença do presidente da República, Ollanta Humala, e de outras autoridades do país. O diretor de relações institucionais do grupo Tucumann, Guilherme Michaelis, diz que o consórcio já forneceu todas as garantias financeiras ao negócio e que, após esse ato, estará apto a assumir o terminal no prazo de 30 dias.
Tucumann, Pattac e Servinog, que já são sócios em outros negócios no Brasil na área de infraestrutura, participaram da concorrência peruana por meio da holding Tertium Participações. A Tertium detém 90% do Consórcio Paracas e a também brasileira Fortesolo, ficou com os 10% restantes.
Os três acionistas da holding Tertium são sócios no Terminal de Contêineres de Paranaguá, o TCP, que movimenta 1,5 milhão de unidades por ano e obteve faturamento de R$ 480 milhões em 2013. Juntos, eles detêm 23% do TCP. Cinco anos atrás venderam 50% do consórcio para o fundo de private equity Advent.
O prazo de concessão do terminal de Pisco é de 30 anos, com o compromisso de investimentos que somam US$ 230 milhões para modernizar o porto. O objetivo da agência peruana Proinversión, responsável pela licitação, é tornar o acanhado terminal apto a atender a futura demanda local e internacional, podendo receber navios de águas profundas. O alvo de operações visa basicamente a rota de cargas para a Ásia via os oceanos Pacífico e Índico.
Com o terminal de Paracas, como é conhecido por estar situado na baía do mesmo nome, os vencedores da licitação, que enfrentaram a gigante Maersk, pretendem compartilhar a área de influência do Porto de Callao, que fica na região metropolitana de Lima e é o maior do país. Lá já operam grandes empresas do setor, como a APM Terminals e a DW World, de Dubai.
À frente da Tertium foi escalado o espanhol David Simon Herranz, radicado no Brasil desde 1999 e que participou da gestão do TCP, criado em 1998, tendo como um dos acionistas uma empresa de Barcelona. A holding, formada em 2012 com 33,3% de cada sócio, terá como foco negócios em infraestrutura e logística.
Atualmente, além do terminal peruano, a Tertium tem dois ativos que são transitórios. A Itajaí Biogás e Energia, usina térmica instalada em um aterro sanitário de médio porte, e a EBCF, empresa dedicada à área de conservação de florestas privadas.
Segundo Herranz, nos primeiros três anos serão investidos US$ 150 milhões no terminal de Pisco. Os recursos serão usados na compra de equipamentos e em dragagem do porto, para atingir 16 metros de calado e receber grandes navios. Hoje tem porte médio, 700 metros de cais e é operado por uma estatal peruana. Movimenta basicamente carga geral, granéis e minérios.
O executivo diz que a operação de contêineres, considerada carga nobre, vai dar novo perfil ao terminal no prazo de três anos, quando concluir seu plano de modernização. Ele informa que o consórcio entrará com 30% dos recursos e 70% virão de financiamentos de instituições como o BID (Banco Interamerricano de Desenvolvimento), Corporacíon Andina, entre outras instituições financeiras.
A expectativa de receita do terminal de Paracas, quando estiver operando com contêineres, é de US$ 100 milhões ao ano, informa Herranz. A região, onde há presença de cultura de povo incaico, é uma grande produtora agrícola para exportação (uva, aspargo, pimentão e outras culturas).
O objetivo dos três sócios, diz o executivo, é que a Tertium atue em projetos portuários em várias regiões brasileiras, além do exterior. "Já temos alguns alvos em análise no Brasil e países da América Central, como Honduras e El Salvador", informa Herranz. A estratégia será desenvolver projetos e buscar parceiros financeiros e com expertise.
O grupo Tucumann, que tem como origem na área de engenharia e construção pesada, foi fundado em 1990 por duas famílias. A de José Maria Miller, um engenheiro que se firmou no mundo só negócios em Guarapuava e detém 87% do grupo. A outra família é a de João Glück, de origem alemã, dona dos 17% restantes.
A expansão do grupo, ao longo dos anos, centrou-se em infraestrutura portuária e aeroportuária e em obras industriais. Atualmente, além do TCP e Tertium, tem participações na concessão rodoviária Caminhos do Mar (no Paraná), em três concessões de parques (Cataratas do Iguaçú, EcoNoronha e Paineiras Corcovado), em entretenimento e turismo (projeto ÁguaRio, no Porto Maravilha), em mobilidade urbana (ETM Estacionamentos), na Via Oceânica, de Niterói, além da EBCF e Itajaí Biogás.
A divisão de engenharia e obras do grupo, no ano passado, faturou cerca de R$ 250 milhões, de acordo com diretor Guilherme Michaelis. O executivo está à frente da área institucional da Tucumann desde 2010.
FONTE: http://www.sindaport.com.br/conteudo-pesquisa.php?id=7696